Varejo calçadista acelera o passo para sair da crise

O segmento registrou aumento no número de lojas e fechou os últimos 12 meses, terminados em outubro, com crescimento de 2,6%. Para este ano, a expectativa é de alta de 3%

Redação DC
11/Jan/2019
  • btn-whatsapp
Varejo calçadista acelera o passo para sair da crise

O ano de 2018 impôs muitas dificuldades, mas também reservou surpresas positivas para o varejo brasileiro de calçados, formado por cerca de 60 mil lojas.

O segmento acumulou nos últimos 12 meses, terminados em outubro, um crescimento nominal de 2,6%. O dado é da pesquisa Consumo de Calçados no Brasil em 2018, realizada pela Kantar Worldpanel a pedido da Associação Brasileira de Lojistas de Artefatos e Calçados (Ablac).

LEIA MAIS: O que elas fazem para conquistar os seus pés

No período, a frequência de compras (idas ao ponto de venda) cresceu 11,5%, o que indica que o comprador passou a adquirir calçados, em média, três vezes ao ano.

Por outro lado, o gasto médio teve queda de 5%, passando de R$ 111,01, em outubro de 2017, para R$ 105,20, em 2018.

MULHERES X HOMENS

As mulheres foram mais às compras no período pesquisado, porém, o desembolso masculino foi 43% maior. Elas foram, em média, quatro vezes às lojas de calçados e gastaram uma média de R$ 98,33 para a compra de sapatilhas, escarpins, sandálias e rasteiras.

Eles, por sua vez, foram duas vezes ao ponto de venda e gastaram, em média, R$ 141,25 para comprar, sobretudo, tênis e sapatênis.

“A maior frequência de compra foi o que impulsionou o mercado e fez o calçado recuperar as vendas em relação ao ano anterior”, explica Wesley Barbosa, diretor executivo da Ablac.

LEIA MAIS: Como a internet deu uma virada em uma das maiores fabricantes de calçados

Ele enfatiza que, com mais da metade do mercado nacional, o calçado feminino foi o grande destaque no faturamento da categoria.

Em valor, o segmento feminino teve variação positiva de 17,8%, enquanto o masculino apresentou retração de 11,5%.

MAIS LOJAS

As lojas de calçados voltaram a ganhar espaço no mercado, enquanto, segundo a pesquisa, magazines e lojas de vestuário tiveram retração.

A importância deste canal aumentou tanto em volume (de 56% para 63%), quanto em valor (de 57% para 65%), superando a posição que tinha em 2016, conforme pesquisa anterior da Kantar Worldpanel.

LEIA MAIS: O ex-boia fria que ergueu o maior varejo de calçados do interior paulista

De acordo com o levantamento, o aumento de participação das lojas de calçados no mercado varejista ocorreu, também, pela diminuição do percentual de compradores que frequentavam mais de um canal de venda.

A Kantar apurou que o comprador que antes frequentava também magazines passou a priorizar as lojas de calçados. “Além disso, o comprador das lojas de calçados passou a ir 10% a mais a elas em relação ao ano anterior”, explica Tathiane Frezarin, diretora de novos negócios da empresa de pesquisas.

As lojas multimarcas representaram 95% do mercado de calçados e puxaram o aumento da frequência de compradores (10,5%), mas as monomarcas (5% do mercado) registraram maior aumento no tíquete médio, de 22,4%.

O QUE O CONSUMIDOR COMPROU?

Sandálias e calçados femininos fechados foram os produtos que mais impulsionaram as vendas das lojas. Todas as classes se destacaram em compras, principalmente a Classe C e indivíduos acima de 19 anos.

Em relação às marcas, Moleca continuou líder de preferência, seguida por Beira Rio e Vizzano.

No segmento esportivo, Nike registrou boa performance, tanto em número de pares quanto em valor, seguida por Olympikus e Beira Rio.

PREVISÃO PARA 2019

A projeção da Ablac é de crescimento em torno de 3% este ano para o varejo de calçados.

A estimativa tem como base o aumento da relevância das lojas no mercado em 2018 e as medidas que o novo governo deverá adotar para o reaquecimento da economia.

Na avaliação da associação, o crescimento econômico e a geração de novos empregos devem devolver a confiança ao consumidor, condição essencial para que ele retome o consumo de calçados e outros produtos este ano.

Para a pesquisa, a Kantar Worldpanel ouviu 10.871 consumidores de todas as regiões brasileiras e classes sociais. Os dados mostram que 114 milhões de brasileiros compraram calçados no último ano, o equivalente a 70% da população.

 

IMAGEM: Pixabay

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas