Temor e incertezas no cenário pós-eleitoral

Sentimento do empresariado é reflexo da economia em marcha lenta e da polarização que tomou conta do processo a poucos dias do 1º turno

Karina Lignelli
28/Set/2018
  • btn-whatsapp
Temor e incertezas no cenário pós-eleitoral

A sinalização feita pelo presidente do Banco Central Ilan Goldfajn, de que a taxa Selic, hoje no menor nível histórico (6,5%), pode voltar a subir gradualmente caso haja piora nas expectativas para a inflação, é um dos índicios das incertezas diante do cenário econômico pós-eleições 2018. 

Essa dúvida persistente, acompanhada até de um certo temor por parte do empresariado, foram algumas das percepções apresentadas nesta quinta-feira (27/09) na reunião mensal do Comitê de Avaliação de Conjuntura da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), coordenada pelo vice-presidente Edy Kogut. 

De modo geral, nesta reunião, mais do que economia, o tema eleições tomou conta do debate por conta da "sensação de encruzilhada", conforme definiram alguns empresários presentes, frente à polarização que domina o processo a poucos dias do primeiro turno. Indicadores macroeconômicos foram apresentados, na tentativa de indicar alguns caminhos a seguir. 

Com a economia em marcha lenta, alguns deles se mantêm razoáveis, como as contas do setor público, cujo valor nominal do déficit ficou em 7% em julho -bem melhor que os 10,9% de 2016, mas ainda preocupante devido ao déficit primário. 

Outro dado animador é o saldo da balança comercial, com superávit de US$ 3 bilhões em setembro, e a entrada de capital de longo prazo, que representa 3,6% do PIB para financiar um déficit zero -um dos melhores indicadores macroeconômicos, segundo os economistas da ACSP. 

Já o IPCA se mantém dentro da meta do BC, em 4,28%, apesar de percalços como a greve dos caminhoneiros. Mas há riscos, conforme apontou Goldfajn, e um deles está diretamente vinculado às eleições, já que pode existir frustração de expectativas sobre a continuidade de reformas importantes, como a da Previdência

O crédito vem se recuperando lentamente, com alta de 9,1% para pessoa física e queda de 7,4% para a indústria. após o enxugamento da carteira para concessão do BNDES. No total geral, a alta é de 3,4%. 

A confiança do consumidor, conforme retrata o Índice Nacional de Confiança, levantamento da ACSP, registrou o melhor resultado desde setembro de 2015, 78 pontos - ainda abaixo da neutralidade (100 pontos), mas bem acima dos 63 pontos já registrados, apesar da recuperação lenta.

Porém, ainda que o nível de confiança tenha melhorado, o consumidor se mantém cauteloso em relação ao futuro.     

A despeito dos juros menores e a melhora do crédito, o indicador se mantém no nível de pessimismo: o desemprego ainda continua alto -apesar das mais de 100 mil vagas com registro em carteira captadas pelo Caged de agosto -, e os prazos de financiamento se mantém elevados, provocando arrefecimento das vendas do varejo. 

Com isso, a projeção de crescimento do setor em 2018, que era de 3,4%, foi revisada para 3,1%, e os economistas apresentaram uma simulação em que a questão era como as eleições poderiam afetar as vendas do varejo. A conclusão principal é que resultado terá uma relação significativa com o barômetro de confiança do consumidor. 

Se agradar o mercado, a confiança do empresário aumentaria, pois haveria uma retomada, maior geração de empregos e a economia começaria a evoluir -o que provocaria uma espécie de choque positivo sobre os consumidores. Ou o contrário, se o resultado for considerado insatisfatório.  

"Positivo ou negativo, esse choque terá um efeito muito forte, que será sentido longo de dez meses, pelo menos", disse um economista presente à reunião. E a expectativa pelos próximos capítulos continua.  

FOTO: Thinkstock  

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas