Economia

Goldfajn alerta para os riscos de inflação alta


Para o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, foto, a queda da taxa da Selic, pode estimular a produção e o consumo e, como consequência, a inflação pode subir


  Por Estadão Conteúdo 27 de Setembro de 2018 às 14:45

  | Agência de notícias do Grupo Estado


A política monetária deve continuar a ser estimuladora para a economia, mas a taxa básica de juros (Selic) pode voltar a subir gradualmente caso haja piora nas expectativas para a inflação.

A avaliação foi nesta quinta-feira, 27/09, pelo presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, ao apresentar o Relatório de Inflação.

“Temos compromisso com inflação na meta e, portanto, alertamos que esse estímulo [Selic no menor nível histórico, 6,5% ao ano] começará a ser removido gradualmente, caso o cenário prospectivo para a inflação no horizonte relevante para a política monetária e seu balanço de riscos apresentem piora”, afirmou.

Ao definir a taxa Selic, o BC está mirando na meta de inflação, que é de 4,5% neste ano e 4,25%, em 2019, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Quando o BC reduz os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo.

Mas no caminho inverso, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Segundo Goldfajn, há três riscos para a inflação considerados relevantes para o BC.

Um deles é a capacidade ociosa da economia brasileira, que pode reduzir a inflação.

“Temos a capacidade ociosa que pode nos surpreender e levar a inflação a ficar mais baixa. Mas em compensação, temos dois riscos que estão crescendo. Um deles é o de frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas [como a da Previdência] e ajustes na economia brasileira e o outro é o cenário internacional mais incerto, especialmente para economias emergentes”, disse.

Esses dois riscos podem elevar a inflação.

“A continuidade das reformas e ajustes na economia brasileira são fundamentais para a manutenção da inflação baixa no médio e longo prazos, para a queda da taxa de juros estrutural e a recuperação sustentável da economia”, enfatizou.

O risco para as economias emergentes citado pelo presidente do BC é decorrente da alta dos juros nos Estados Unidos (EUA).

Com taxas de juros mais altas nos EUA, investidores com capital aplicado em países emergentes, como o Brasil, podem preferir tirar recurso do país e investir em títulos do Tesouro americano, os treasures, considerados os papéis mais seguros do mundo.

Este é um dos efeitos que fazem com que o dólar se valorize em relação ao real. A menor oferta de moeda americana no mercado de câmbio nacional eleva o seu preço. Neste ano, o Federal Reserve (Fed), o Banco Central norte-americano, subiu os juros três vezes.

CRÉDITO

Ao apresentar o relatório, Goldfajn destacou que o crédito está crescendo de forma sustentável no Brasil.

“Não é um crescimento muito elevado, mas é positivo sustentavelmente”, disse.

Ele ressaltou ainda que a inadimplência vem caindo, assim como as taxas de juros e o spread (diferença entre taxa de captação do dinheiro pelo banco e a cobrada dos clientes).

“As taxas de juros e de spread continuam caindo desde o pico de 2016”, afirmou.

Apesar de não considerar que os juros estão no nível ideal, Goldfajn disse que é “importante perceber o que já se avançou”.

De acordo com o Relatório de Inflação, a expectativa do BC para o crescimento do saldo das operações de crédito do sistema financeiro é 4%, neste ano, ante a previsão anterior de 3%.

O resultado será puxado pelo crédito às famílias, com perspectiva de expansão de 7,5%.

 FOTO: Thinkstock