Ibope: Bolsonaro ganha no primeiro turno, mas perde no segundo

Ex-capitão do Exército levaria a pior contra Marina, Alckmin e Ciro Gomes. E empataria tecnicamente com o petista Fernando Haddad

João Batista Natali
06/Set/2018
  • btn-whatsapp
Ibope: Bolsonaro ganha no primeiro turno, mas perde no segundo

A pesquisa que o Ibope divulgou na noite de quarta-feira (5/9) trouxe, resumidamente, o seguinte cenário: Jair Bolsonaro (PSL) encabeçaria a votação no primeiro turno, mas seria derrotado no turno final.

O ex-capitão do Exército passa de 20% para 22%. Essa pequena ascensão, ainda dentro da margem de erro, é curiosa. Significa que ele pode ter herdado uma fração do eleitorado antes disposta a votar em Lula.

Trata-se, aliás, de um fenômeno constatado no Nordeste, onde – com a ausência do ex-presidente na urna eletrônica – o voto que mistura confusamente a esperança e o protesto passou a ser capitalizado pelo militar da reserva.

A impressão nas campanhas dos demais candidatos é de que o ex-capitão do Exército está com seu nome consolidado. Deverá ser um dos finalistas do segundo turno.

Mas é aí que está o problema. O Ibope revela que Bolsonaro seria derrotado, com a nova votação, caso enfrente Ciro Gomes (PDT), por 44% a 33%, Geraldo Alckmin (PSDB), por 41% a 32%, e também por Marina Silva (Rede), por 43% a 33%.

Ele estaria apenas um ponto na frente de Haddad (37% a 36%), o que é, tecnicamente, um empate, considerando a margem de erro.

Diante de uma perspectiva desanimadora para o turno final de 28 de outubro, a equipe de Bolsonaro passou a dizer, nesta quinta-feira (6/9), que o objetivo, a partir de agora, seria chegar a 50% dos votos, já no primeiro turno de 7 de outubro.

Essa ambição é dificultada por algo muito simples. O ex-capitão encabeça a taxa de rejeição, com 44% dos eleitores que dizem que de maneira nenhuma votariam nele. E, nesse quesito, aparece bem à frente da segunda colocada, Marina, rejeitada por 26% dos entrevistados.

MAIS DÚVIDAS QUE CERTEZAS

O fato é que o Ibope atrapalhou algumas certezas dos candidatos ao Planalto. E tornou as previsões ainda mais confusas.

Foi o primeiro levantamento daquele instituto em que Lula – com candidatura cassada pelo TSE na sexta anterior – não aparecia mais como concorrente.

A esperança do PT era a de que Fernando Haddad daria um salto nas intenções de voto e poderia até encabeçar as preferências.

Não foi o que aconteceu. O ex-prefeito de São Paulo aparece em quinto lugar, com 6% das intenções, por mais que o potencial de seu crescimento seja incomparavelmente maior.

Mas, para tanto, é preciso resolver o conflito estratégico criado dentro do PT. Ou o partido põe Haddad na rua com o estatuto de candidato presidencial, ou então mantém por mais tempo a ficção de que Lula poderá concorrer.

Uma ficção novamente bombardeada, nesta quinta, com a decisão do ministro Edson Fachin, do STF, de não reconhecer nele condições de elegibilidade.

Mau sinal para Lula, já que o mesmo Fachin endossou, na sexta-feira passada (31/8), a ficção do direito internacional, segundo a qual a recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU, para que Lula se candidatasse, tinha para com o direito brasileiro algum valor vinculante.

A surpresa do Ibope foi a estagnação de Marina Silva. Ela se manteve nos mesmos 12% da pesquisa anterior. Ao menos desta vez, ela não atraiu antigos eleitores de Lula.

Geraldo Alckmin aparece com 9%. Ou dois pontos a mais que na última pesquisa do Ibope.

Os tucanos obviamente acreditam que um único dígito é muito pouco. Mas a pesquisa foi feita nas primeiras 48 horas de propaganda eleitoral no rádio e TV, onde o ex-governador de São Paulo tem bem mais tempo que seus concorrentes para passar seu recado.

SIMPLES COADJUVANTES

A pontuação dos demais candidatos não dá a eles o estatuto de atores principais da sucessão presidencial. Todos exercem papel secundário nesse drama político.

Com 3% das intenções, aparecem Álvaro Dias (Podemos) e João Amoêdo (Novo), que saltou do 1% anterior.

Henrique Meirelles (MDB) aparece com 2%, enquanto João Goulart Filho (PPL), Guilherme Boulos (Psol) e Vera (PSTU) estão com 1% das intenções.

Cabo Daciolo (Patriota) e José Maria Eymael (DC) não pontuaram.

O Ibope ouviu 2 mil eleitores entre 1º e 3 de setembro. A margem de erro é de dois pontos, para menos ou para mais.

 

FOTO:Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas