Como tecnologias emergentes, geradas no Brasil, vão impactar o varejo

Levantamento da aceleradora Liga ventures identificou 193 startups nacionais com produtos e serviços que devem revolucionar o mundo dos negócios nos próximos dez anos

Italo Rufino
16/Nov/2017
  • btn-whatsapp
Como tecnologias emergentes, geradas no Brasil, vão impactar o varejo

Em dezembro de 2016, a Amazon, uma das maiores varejistas online do mundo, anunciou uma operação experimental no setor supermercadista.

Batizada de Amazon Go, a loja localizada em Seatlle, nos Estados Unidos, tem se mostrado revolucionária devido a operação 100% automatizada.

Não há caixas ou filas. O consumidor entra na loja, aciona um aplicativo no smartphone, escolhe os produtos e vai embora. O segredo por trás da liberdade é um conjunto de tecnologias, como inteligência artificial, análise de big data e internet das coisas (IOT).

No estabelecimento, sensores e câmeras identificam a entrada e mapeiam o deslocamento do visitante na loja. Etiquetas dotadas de chips registram os itens retirados das gôndolas. Os produtos são adicionados automaticamente a uma lista de compras num aplicativo.

Ao sair da loja, o valor da compra é debitado no cartão de crédito do cliente, previamente cadastro no banco de dados da Amazon.

Quase um ano depois do anúncio, a Amazon Go ainda opera em modo de testes.

VEJA TAMBÉM: O que a loja física da Beleza na Web tem a ensinar ao varejo

AMAZON GO: LOJA SEM FILA E CAIXAS

O supermercado tecnológico da Amazon parece bem distante da realidade brasileira. No entanto, o Brasil tem vivido uma efervescência de startups que podem fomentar inovações no varejo.

Uma recente pesquisa da aceleradora Liga Ventures, em parceria com a Intel e Tivit, mapeou as startups que atuam em tecnologias emergentes.

O conceito é baseado em inovações com potencial para criar ou transformar o ambiente de negócios nos próximos cinco a dez anos, e que podem alcançar grande influência econômica.

Foram avaliadas 7.512 startups nacionais. Dessas, 193 atuam em tecnologias emergentes.

Entre as empresas destacadas, 25% atuam em IOT; 20% em Big Data e Analytics; 14% em inteligência artificial; 10% em realidade aumentada e realidade virtual e 9% em blockchain (a tecnologia por trás do bitcoin).

“São tecnologias que já possuem aplicações práticas, despertam grande interesse de empreendedores, corporações e investidores por seu potencial de rápido crescimento e impacto na sociedade”, afirma Raphael Augusto, startup hunter da Liga Ventures. 

LEIA MAIS: Adeus, papel. Conheça as etiquetas de preços digitais

APLICAÇÕES NO VAREJO

Há um movimento no varejo para lançar mão de tecnologias para replicar e integrar experiências online e offline.

Em termos de atendimento ao consumidor, haverá a predominância de chatbots, sistemas dotados de inteligência artificial que podem tirar dúvidas e fazer sugestão de produtos de acordo com os hábitos de compra do cliente.

Os chatbots, que têm sido usados em atendimentos de lojas virtuais, podem ser integrados a aplicativos de marcas e em totens, posicionados nas lojas físicas.

Ao mesmo tempo, tecnologias de blockchain podem mudar totalmente a forma como realizamos pagamentos.

A inovação permite que clientes, com perfil digital na base de dados da loja, possam realizar pagamentos apenas aproximando o smartphone num sensor, que funcionaria como caixa. 

AUGUSTO, DA LIGA VENTURES: MERCADOS INTEIROS
SERÃO CRIADOS OU TRANSFORMADOS NOS PRÓXIMOS ANOS

Por meio de aplicativos de realidade aumentada, o consumidor pode posicionar o smartphone nas prateleiras para visualizar informações dos produtos, como ingredientes, data de validade, formas de pagamento e avaliação de outros clientes.

Caso o visitante tenha dificuldade para encontrar algum item, a tecnologia pode apontar a localização exata entre os corredores da loja. 

No varejo brasileiro tem crescido o uso de tecnologias de Indoor Analitcs. E o que é isso?

São câmeras de vídeo, integradas a hardwares e softwares de análise de dados, que identificam o consumidor e mapeiam seu comportamento na loja.

A tecnologia pode descobrir quantas pessoas passam em frente à loja, quais param para olhar a vitrine e quantas entram no estabelecimento.

Também é possível descobrir as áreas mais visitadas e o tempo de permanência nos corredores e no caixa.

Uma das empresas que usa essa tecnologia é a Óticas Carol. A empresa monitorou o fluxo de entrada e saída de suas unidades – e descobriu que muita gente saia sem levar nada.

Como armações e lentes são produtos que demandam explicações técnicas, quando a loja estava cheia, o cliente desistia da compra.

A marca, então, redistribuiu as equipes de acordo com os horários de pico de cada unidade. O gerenciamento da força de trabalho fez com que a empresa aumentasse as receitas em 6%.

SABIA MAIS: As fintechs que facilitam a vida do comerciante

ANÁLISE DE IMAGENS

Um das startups analisadas pela Liga Ventures é a Meerkat. A empresa é especializada em soluções de visão computacional e análise de imagem para automação de processos.

Fundada em 2015, a Meerkat desenvolve tecnologias de contagem de fluxo; reconhecimento facial; detecção de logos em imagens de redes sociais e leitura de placas de automóveis.

Entre os clientes estão empresas do setor bancário, de segurança e vigilância, de desenvolvimento de softwares e varejo.

Para estabelecimentos comerciais, as soluções de reconhecimento facial podem ser usadas, por exemplo, para analisar gênero e idade dos consumidores. A ferramenta pode ser usada  para mensurar o posicionado de marca e ações de publicidade.

Se uma loja cria, por exemplo, uma campanha para atrair mulheres na faixa dos 50 anos, mas a tecnologia não detecta o público-alvo no estabelecimento, pode haver um problema de comunicação.

A tecnologia também pode ser usada para avaliar a atratividade de vitrines e saber que tipo de consumidor presta atenção na fachada da loja.

“A solução pode ser usada em lojas conceitos, em que a vitrine é um relevante elemento de marca”, afirma Renan Gustavo Franz, diretor da Meerkat.

TECNOLOGIA DA MEERKAT FOI USADA PARA RECONHECER EMBALAGEM DE CUP NOODLES DIRETO NA CASA DO CONSUMIDOR

Durante o último Rock In Rio, a Meerkat participou de uma ação digital para a marca de macarrão instantâneo Cup Noodles.

A tecnologia da startup foi usada para reconhecer rótulos dos produtos por meio de smartphone e webcam. Numa brincadeira, cada sabor de macarrão liberava um instrumento musical para o usuário criar suas próprias músicas num site. As músicas gravadas eram compartilhadas nas redes sociais.

Recentemente, a Meerkat foi pré-selecionada para receber investimento de R$ 1 milhão da Finep para aprimorar seus produtos.

“Embora haja enorme potencial, as tecnologias emergentes ainda precisam ser testadas e expostas ao mercado para aumentar o nível de acurácia”, afirma Augusto, da Liga Ventures.

IMAGEM: Thinkstock

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas