Ciro Gomes tenta seduzir os liberais de Rodrigo Maia

Candidato do PDT é rejeitado pelos petistas, imobilizados pela fantasia da viabilidade judicial de Lula; DEM e o centrão procuram, então, ocupar esse espaço

João Batista Natali
21/Jun/2018
  • btn-whatsapp
Ciro Gomes tenta seduzir os liberais de Rodrigo Maia

É um imenso paradoxo, mas de explicação relativamente simples. Ciro Gomes e seu partido, o PDT, são contra as reformas e atacam o mercado financeiro. Mas estão devagarinho atraindo o DEM e mais outros partidos liberais ou conservadores do chamado centrão.

A ideia por detrás dessa aproximação política está na necessidade de, desde já, isolar o PT, que seria o parceiro natural do candidato pedetista.

O cenário esboçado pelo PDT e pelo centrão prevê uma disputa, no segundo turno de outubro, entre Ciro Gomes e Jair Bolsonaro (PSL). A burocracia e o eleitorado petistas cairiam por força da gravidade na direção do voto útil para derrotar o militar da extrema-direita.

Nesse movimento, no entanto, o PT não se credenciaria como aliado do finalista do PDT em termos de programa de governo, pois esse espaço – e a divisão dos ministérios importantes – já estaria nas mãos do centrão.

Pode parecer à primeira vista complicado, mas é esse o roteiro traçado implicitamente na última terça-feira, 19/06, em jantar que reuniu Ciro e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e mais dirigentes do PP, PR e PRB.

Desde então, em que pese o clima pouco propício a controvérsias por causa da Copa do Mundo, Ciro não ataca os democratas e seus aliados. Tudo poderá terminar em casamento, no qual a noiva conservadora entraria, como dote, com seus preciosos minutos de propaganda eleitoral gratuita.

AMBIGUIDADES DE LULA

A aproximação de um PDT de centro-esquerda com os partidos de centro-direita é facilitada pela teimosia petista, ao insistir que Lula é candidato, apesar de inelegível (ficha suja, pois condenado em segunda instância) e preso em Curitiba desde 7 de abril.

Lula e sua porta-voz, a presidente do PT e senadora Gleisi Hoffmann (PR), sabem perfeitamente que a candidatura do ex-presidente é uma hipótese mais que remota.

Mas ao reiterar sua condição de concorrente ao Planalto, Lula usa a suposta candidatura como aríete para fustigar o Judiciário.

Como as pesquisas ainda dão a ele a liderança das intenções de voto, a candidatura presidencial se tornou instrumento de pressão sobre todos os juízes que possam eventualmente libertá-lo da prisão e lhe dar uma legibilidade claramente proibida pela legislação.

E não é apenas uma alternativa desenhada pela decisão da Segunda Turma do STF de voltar a analisar o caso de Lula na próxima terça, 26/06.

O establishment petista está otimista porque os mesmos ministros do STF inocentaram Gleisi Hoffmann e o marido dela, Paulo Bernardo, em julgamento (19/6) por corrupção na Petrobras.

Por unanimidade, os ministros deliberaram que não havia provas contra a senadora, mas apenas afirmações coletadas em delações premiadas.

Mas o caso de Lula é bem mais complicado. A decisão do juiz Sérgio Moro sobre o apartamento do Guarujá foi confirmada pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal de Porto Alegre, depois que o habeas corpus preventivo em nome de Lula foi negado pelo TSJ e pelo próprio STF.

Para soltar Lula, os ministros precisariam entrar no mérito da sentença de Curitiba e invalidar sua confirmação do TRF-4.

Fazem parte da segunda turma do STF os ministros Gilmar Mendes, doutrinariamente favorável à soltura dos réus da Lava Lato, e Ricardo Lewandovski, com claras simpatias pelo PT. São dois imensos pontos de interrogação.

Mas o DEM parte do princípio de que Lula não será libertado, e por isso costura com Ciro Gomes uma aliança em que o PT entraria no segundo turno, mas apenas a reboque.

ALCKMIN, UM PARCEIRO DISTANTE

Tão logo o DEM assuma que a candidatura presidencial de Rodrigo Maia foi um simples fogo de palha para ocupar espaço na mídia, os dirigentes do PSDB acreditavam que refariam com aquele partido a mesma aliança selada em 1994 entre FHC e o finado Antônio Carlos Magalhães.

Mas o virtual beneficiário da aliança, Geraldo Alckmin, não é mais uma boa opção na cabeça dos democratas. Seu desempenho apenas sofrível nas pesquisas leva – por enquanto – à previsão de que ele não será um dos finalistas da disputa presidencial.

Não há nisso muita coerência ideológica.

O fato é que Alckmin se movimenta para bloquear o acordo de seus ex-aliados com o PDT.

É até provável que a máquina tucana passe a trabalhar pela amplificação dos efeitos das gafes verbais de Ciro.

Na principal delas, ele afirmou que fecharia em primeiro lugar alianças com o PSB e com o PC do B, garantindo a “hegemonia moral e intelectual” de sua coligação.

Foi uma maneira de dizer que, com o DEM e o centrão, a coligação teria uma hegemonia imoral e burra.

O fato é que, por enquanto, Alckmin viaja, conversa, movimenta-se pelo Brasil, mas suas intenções de voto não saem do lugar. E com isso ele involuntariamente afasta os aliados do campo liberal.

 

FOTOS: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil e Jaélcio Santana/Fotospúblicas

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas