Varejo paulistano cresce 6,2% na 1ª quinzena de dezembro

Prévia do Balanço de Vendas da ACSP aponta que movimentação sobre novembro teve forte avanço, chegando a 32%, mantendo a expectativa positiva para o mês como um todo

Redação DC
20/Dez/2021
  • btn-whatsapp
Varejo paulistano cresce 6,2% na 1ª quinzena de dezembro

O movimento no varejo paulistano cresceu 6,2%, em média, na primeira quinzena de dezembro em comparação a igual período de 2020, segundo dados do Balanço de Vendas elaborado pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal (IEGV), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

A prévia do indicador apontou também um forte avanço sobre novembro deste ano de 32%. Já com relação aos mesmos quinze dias de dezembro de 2019, antes da pandemia, a movimentação ficou estável em -0,4%.

“A elevação sobre novembro está dentro da normalidade. Com a retomada das atividades, o desempenho tende a aumentar. Quanto ao aumento sobre o mesmo período do ano passado, deve-se lembrar que o comércio estava sob restrições de funcionamento”, explica Marcel Solimeo, economista da ACSP.

Segundo ele, a expectativa para o mês se mantém positiva, principalmente pela injeção de recursos do Auxílio Brasil, e de parte do 13º salário. “Nós estimamos que chegaremos aos 2% sobre 2019, o que significa recuperação do patamar das vendas, e cerca de 10% sobre o ano passado nos próximos meses”.

AUMENTAM AS TRANSAÇÕES SEM DINHEIRO EM ESPÉCIE  

Uma pesquisa da FIS, empresa global de tecnologia para o mercado financeiro, apresentada recentemente à equipe técnica do Conselho do Varejo (CDV), da ACSP, mostra uma mudança de comportamento do consumidor acelerada pela pandemia. Atualmente, 47% dos brasileiros afirmam ter reduzido a utilização do dinheiro em espécie. 

De acordo com o levantamento, em outubro de 2020, 36% das pessoas consultadas relataram que diminuíram os pagamentos em dinheiro ou cheques. Em agosto de 2021, esse percentual subiu para 47%.

Entre os períodos avaliados, a mudança mais significativa nos pagamentos digitais foi a dos pagamentos sem contato (por aproximação), que apresentou crescimento de 12% entre um ano e outro, saindo de 28% para 40%.

Os pagamentos online e via aplicativos móveis também cresceram, mas em ritmo menor, de 46%, em 2020, para 52%, em 2021. Outros 31% dos consumidores brasileiros passaram a usar QR Codes com mais frequência.

Com o avanço da tecnologia para meios de pagamento, a tendência de deixar o dinheiro em espécie de lado para as compras é inevitável, diz Roseli Garcia, vice-presidente da ACSP e coordenadora geral do Conselho do Varejo. 

“Mas a pandemia acelerou o processo pois, além de as pessoas se tornarem mais 'tecnológicas' com naturalidade, também passaram a evitar o contato com notas e moedas e uma possível transmissão do coronavírus.” 

O relatório "Pace Pulse 2021" ouviu cerca de 2.000 adultos brasileiros entre 18 e 74 anos de idade. Houve um comparativo de comportamento do consumidor brasileiro entre outubro de 2020 e agosto de 2021.

FOTO: Lauro Pimenta/Alobrás     Arte: Will Chaussê

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas