Um jeito diferente de criar, produzir e vender

Loja sem estoque, produção sob demanda e um modelo novo por semana: é desse jeito slow fashion que a gaúcha Vinci Shoes trabalha para não perder vendas nem gerar desperdício

Karina Lignelli
05/Fev/2018
  • btn-whatsapp
Um jeito diferente de criar, produzir e vender

Um modelo de negócio sem vitrine, sem estoque, com produção sob demanda e que não depende de coleções nem liquidações para lançar um novo produto.

É sob esse conceito slow fashion que trabalha a Vinci Shoes, marca gaúcha de calçados femininos do tipo flat (sem salto) “feitos à mão, com alta durabilidade e sem impacto ambiental na cadeia produtiva”, conforme detalha o site da empresa.

Entrando no quinto ano de operação e criada pelos colegas de faculdade Rodrigo Morsch, Bruno Henkel e Sara Lanzini, todos com 28 anos, a Vinci nasceu com foco no desperdício mínimo e modo de produção desacelerado e mais humano, dentro de uma cadeia produtiva “socialmente responsável.”

LEIA MAIS: Gerar impacto positivo na vida do consumidor também é inovação

“Somos uma empresa jovem, e desde o início a gente não se enxergava fazendo algo diferente”, afirma Morsch, diretor de branding da marca.

O minimalismo é a chave: produzidos numa fábrica parceira de Estância Velha (RS) -a Ethical Shoes -, os calçados são vendidos pelo e-commerce, ou em um dos dois showrooms (em Porto Alegre e em São Paulo, no bairro de Pinheiros), que servem como uma espécie de ambiente de experimentação da marca.

Sem trabalhar com estoque de produtos, mas só de matéria-prima – o que torna o processo mais rápido e mais barato, segundo Morsch -, a Vinci só manda produzir os calçados após serem vendidos pela internet.

Ou, se não tiver o modelo da numeração da cliente na loja: como não há estoque, cada unidade conta, em média, com 150 pares de modelos em exposição, com numerações que atendem mulheres que calçam do 33 ao 41.

“Ela escolhe o par e, se gostar, leva na hora”, diz Morsch. “Mas se não tiver para pronta entrega, encomenda e recebe em casa em até quatro dias.”

Um dos itens mais vendidos da coleção

Esse modelo de negócio, segundo ele, possibilita que a cliente tenha o sapato que ela quer, pois dá a agilidade para entregar no tempo necessário.

“O prazo é igual ao dos principais estoques do país”, afirma. Segundo Morsch, 85% das vendas da marca são realizadas pelo e-commerce, e mais de 50% das vendas feitas na loja entram através da loja virtual.

A opção por esse modelo de gestão faz com que a marca não dependesse de lançamentos de coleção ou estações para criar modelos novos - diferente das demais empresas, que criam coleções e geram estoques de coleções.

Além do risco, elas se tornam reféns desse estoque e tentam liquidar produtos o tempo todo - afinal, estoque parado é perda de dinheiro. “Aqui, lançamos um modelo novo por semana no site. Os que não funcionam, simplesmente eliminamos”, diz Morsch.

DESACELERADO, PORÉM RÁPIDO

Apesar do modo slow fashion de trabalho, a Vinci Shoes também acaba se tornando fast fashion quando se volta para os lançamentos, de acordo com Morsh.

Enquanto grandes marcas precisam de muitos passos para lançar uma nova coleção – criação, aprovação, produção em massa, distribuição por toda a cadeia de lojas e etc –, na Vinci o processo leva no máximo 20 dias, da ideia até o produto final.

Ou seja, após ser criado pela sócia Sara, a designer do grupo, o novo modelo é produzido e, após ser fotografado em estúdio, já fica disponível no site da marca. E em cada uma das duas lojas, que também passam a demonstrar a novidade.

LEIA MAIS: Indústria da moda começa a se reinventar para passar de vilã a heroína

“A gente lança tendência muito rápido, mas não mudamos rápido”, diz o diretor. “E com isso, saímos na frente por entregar moda mais rapidamente”, acredita, fazendo referência às grandes do fast fashion, como a Zara, que trocam a loja inteira a cada dez dias, mas sempre precisam liquidar coleções.

Questionado sobre o preço final, que fica entre R$ 250 e R$ 430 –faixa de preço bem acima da média das fast fashion -, Morsch afirma que os sapatos são produzidos com “couro de origem e procedência de qualidade.”

E com o perfil da marca, que foi desenvolvido pensando em mulheres jovens, do mercado de trabalho, superatualizadas e que querem estar bem vestidas mas confortáveis, “com os pés no chão”, conforme diz.

LEIA MAIS: 5 novidades lançadas na Couromoda para o varejo

“Essa é a chave do nosso pequeno sucesso: entregar algo extremamente diferente para esse tipo de consumidora”, diz.

Sem revelar valores, ele afirma que, mesmo não participando dos tradicionais limpa-estoques de janeiro e fevereiro, a Vinci Shoes vem mantendo um bom tíquete médio e crescendo "cerca de 200% ao ano, sem perder vendas nem gerar desperdício."

Mesmo na crise? “Nós nascemos na crise, então até agora nossa realidade tem sido essa. E o mercado parece que está aquecendo”, afima Morsch, que diz que a Vinci estuda abrir mais uma loja no Rio de Janeiro ainda este ano.

FOTO: Divulgação

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas