Temer diz que esquerda e direita são rótulos usados apenas eleitoralmente

O ex-presidente participou do seminário Futuro: o Brasil que queremos para depois das eleições, organizado pelo Fórum de Jovens Empreendedores (FJE) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)

Renato Carbonari Ibelli
14/Set/2022
  • btn-whatsapp
Temer diz que esquerda e direita são rótulos usados apenas eleitoralmente

O ex-presidente Michel Temer disse que esquerda e direita são apenas rótulos usados eleitoralmente e que o brasileiro médio, que precisa do Estado, não ligaria para essas definições, pois estaria mais preocupado com o resultado objetivo do governo.

“Pergunte para a classe média carente se ela quer esquerda ou direita. O que ela quer é preço baixo no supermercado”, disse Temer durante o seminário Futuro: o Brasil que queremos para depois das eleições, organizado pelo Fórum de Jovens Empreendedores (FJE) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Para o ex-presidente, essa divisão de lados, muitas vezes pautada em ideologias equivocadas, tem levado intranquilidade ao país, e comprometido a harmonia entre os poderes. “Harmonia envolve o diálogo, é uma coisa trivial, mas que não existe na cultura política nacional”, disse.

O raciocínio de Temer foi acompanhado pelo ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, que também participou do seminário da ACSP. Para Meirelles, o principal problema no país atualmente é a intolerância com as divergências. “Precisamos reestabelecer o princípio básico da democracia, que é o respeito às diferenças, ao debate de ideias. Quando há impasse, a maioria decide”, falou.

PARLAMENTARISMO

Temer voltou a defender uma reforma política que tenha o semiparlamentarismo como foco. O ex-presidente usa como modelos os sistemas de governo de Portugal e da França, onde a figura do presidente se mantém forte, com prerrogativa da escolha de ministros e direito a veto legislativo, por exemplo. Mas quem governa de fato é o parlamento.  

“Hoje, no presidencialismo, sem maioria parlamentar não se governa. No parlamentarismo, se essa maioria se esvai, forma-se outro governo sem traumas ao sistema”, disse Temer.

Para o ex-presidente, uma reforma no sistema político teria de ser pensada para 2026 em diante, não para as eleições de 2022.

Para chegar ao parlamentarismo, o ex-ministro da Ciência e Tecnologia Gilberto Kassab defende a redução no número de partidos políticos. “Precisamos proibir as coligações para eleições majoritárias, aí cai para sete ou oito o número de partidos. Só assim podemos caminhar para um semiparlamentarismo”, disser Kassab.

Segundo o ex-ministro, o número excessivo de partidos seria um dos motivos da relação vista muitas vezes como promíscua entre executivo e legislativo. “Em geral essa relação é institucional, mas tem bons e maus parlamentares. Se tem parlamentares incorretos, precisam ser banidos da vida pública. Mas esse mal comportamento tem como principal causa o número excessivo de partidos”, afirmou.

LEIA MAIS

Maílson da Nóbrega: próximos quatro anos serão os mais difíceis da nossa história

Os caminhos que a educação brasileira tem percorrido

 

IMAGEM: ACSP

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

Novos tempos, velhas crises

Confira como foi o 4° Liberdade para Empreender

Colunistas