Também nos hipermercados, a missão é melhorar a experiência do cliente

A intensa competição com outros formatos leva redes como Carrefour, Makro e Hirota a reinventar suas lojas –e, assim, atender à procura cada vez maior do consumidor por conveniência

Karina Lignelli
09/Jan/2018
  • btn-whatsapp
Também nos hipermercados, a missão é melhorar a experiência do cliente

Express, minimercados, “minuto”, atacarejos. Cada vez mais as lojas de proximidade, em formatos menores e presentes em locais acessíveis, caem no gosto de um consumidor que há muito não tem mais necessidade de estocar, quer conveniência e busca maior número de ítens “sob medida”.

Mas há o Carrefour, que recentemente reinaugurou sua loja número 1 no Brasil sob o conceito “nova geração”. Ou o atacadista Makro, que modernizou suas unidades para facilitar a vida dos clientes. E ainda, a rede Hirota, que aposta em um novo modelo de loja de conveniência, importado do Japão.

Não é novidade que, nos últimos anos, a exemplo do que se observa no mercado norte-americano, que o modelo hipermercado, de lojas do tipo "10 mil m2 e 50 checkouts" que operam no conceito one-stop-shop – ou seja, que reúnem tudo em um só lugar – está em xeque.

LEIA MAIS: Consumo no atacarejo cresce em famílias que recuperaram renda

Os números confirmam: um levantamento da Apas (Associação Paulista de Supermercados) mostra que o conceito hipermercado foi o único que registrou queda em termos de inaugurações entre 2011 e 2016, caindo de 659 para 584 lojas (-2,4%).

Por outro lado, os formatos atacarejo/mini mercearias/lojas de vizinhança e outros semelhantes aumentaram 1,5% na média, saltando de 15,4 mil unidades para 16,3 mil no período analisado.

Nos Estados Unidos, de acordo com Thiago Berka, economista da Apas, a alta concorrência com grandes varejistas do e-commerce, como eBay e Amazon, fez com que esse formato de superstore sofresse demais, gerando um elevado índice de fechamento de lojas.  

LOJA DO MAKRO: PARA MELHORAR A EXPERIÊNCIA DE COMPRA

Por aqui, porém, as redes partiram para formatos menores devido às mudanças demográficas e à inflação estável: isso fez com que as pessoas não quisessem mais perder tempo em hipermercados, preferindo comprar mais vezes, sem pressa e desfrutando a experiência. 

Leitura semelhante faz Alexandre Machado, sócio-diretor da GS & Consult, que cita outros números, da revista Supermercado Moderno. Apesar de os grandes varejistas cobrirem 60% do setor em faturamento, o segmento hipermercados caiu 1%, enquanto o de atacarejos cresceu 14%.

“Em função da crise, o consumidor passou a buscar preço melhor – e não só em produtos de primeira necessidade”, afirma. “Mas esse formato barato de operar, com sortimento limitado e arquitetura simples, mas atraente, mostrou que a escala de compra é muito maior.”

QUESTÃO DE ADAPTAÇÃO

Diante disso, os grandes e médios varejistas do ramo começaram a se se reinventar para continuar na briga. E sem desativar unidades: exemplo disso é o Carrefour, que relançou 84 lojas no Brasil –inclusive a primeira, inaugurada em 1975 na Chácara Santo Antônio (Zona Sul paulistana).

Oferecer produtos frescos, artesanais e até gourmets diariamente, apostar em uma comunicação visual “simples e intuitiva”, ter uma espécie de curadoria de produtos na adega e até a integração com o e-commerce, ao estender o sortimento de eletroportáteis e eletroeletrônicos aos dois ambientes, entre outros, são alguns dos diferenciais da rede, que faturou R$ 49,1 bi em 2016.  

O próprio Carrefour, pioneiro na reformulação do conceito, segundo Berka, passou até a trilhar o caminho de omnichannel ao vincular a operação do hipermercado ao e-commerce nessa mudança. “Mas a loja física continua viva, não tem como fugir dessa integração.”  

LEIA MAIS: Por dentro do OasisLab, o primeiro hub de inovação para o varejo

Outro exemplo disso é a rede Mambo, em que a separação de produtos perecíveis é feita pela loja para quem compra pelo e-commerce, e não pelo Centro de Distribuição: a comodidade é que o cliente pode passar para retirar, ou recebe em casa, com entrega programada.

"A rede começa a brincar de omnichannel, mas é um bom começo. Quanto mais explorar formas, mais conveniência", diz Machado, da GS & Consult.

Outro grande player do ramo, o atacadista Makro, está investindo R$ 17 milhões na modernização de 60 lojas espalhadas pelo país nesse primeiro semestre de 2018.

A revitalização integrará os ambientes, e o novo conceito de comunicação visual – com backlights e painéis luminosos – têm como foco "melhorar a experiência de compra dentro das lojas", segundo a rede.

Também há redes regionais, de porte médio, reformulando suas lojas com redirecionamento de categorias - como a rede Lopes, que modernizou unidades em um “leiaute interessante”, segundo Berka, para priorizar a jornada do consumidor. "E para bater de frente com grandes redes", afirma. 

LEIA MAIS: Mercadinhos lutam para resistir ao cerco das grandes redes

Indagado se essa é a tendência para os próximos anos, Berkas, da Apas volta a mencionar o fechamento de lojas do mercado americano: apesar de as hard discount de lá não se assemelharem ao nosso modelo de atacarejo, ainda é difícil dizer o que vai acontecer por aqui.

“De fato, a abertura (de hipermercados) deve continuar caindo. Pelo menos até as lojas se adaptarem a esse novo momento”, acredita.

Para Machado, da GS & Consult, essa não é uma tendência, mas uma alternativa de adaptação das redes para atrair o consumidor. "Eu não cresço como rede, mas exploro novos conceitos, melhoro a produtividade e continuo a rentabilizar", completa. 

DIRETO DO JAPÃO

“O jeito japonês de viver” levou a rede de supermercados Hirota, que acaba de completar 45 anos, a se adaptar a esse novo consumidor.

Em 2016, a rede, que investe principalmente em soluções de alimentação saudável preparadas diariamente em sua cozinha, no bairro paulistano do Cambuci, lançou o Hirota Food Express, conceito inspirado nas “konbinis” japonesas.

Misto de loja de conveniência com uma grande oferta de pratos prontos frescos e saudáveis para todas as horas do dia” a preços acessíveis, as unidades sempre são abertas em locais com alto fluxo de pessoas para atender às necessidades do pedestre - como a avenida Faria Lima, rua José Paulino, Praça do Patriarca e metrô Alto do Ipiranga, ou em shoppings.

Em cada loja, que oferece “60% de soluções de alimentação e 30% de conveniência”, segundo Hélio Freddi, diretor de marketing, o consumidor pode “resolver sua vida antes de ir para o trabalho”, seja tomando um café, aquecendo seu prato no microondas da loja para comer por lá mesmo, ao usar a internet livre ou até sacar dinheiro ou pagar uma conta nos ATMs.  

Loja do Eldorado: só em locais de grande fluxo

As express também operam no conceito store-in-store, através da parceria com outra japonesa, a Daiso, que oferece um resumo do seu mix diferenciado em artigos de bazar, higiene e papelaria, entre outros.

“Ele sempre vai lembrar que não é só lugar onde encontra produtos, mas também serviços”, afirma.

O foco não somente no abastecimento de conveniência, mas no food service, como a rede Hirota, com alimentos prontos para consumo, é uma forma eficiente de se reinventar diante das mudanças no mercado e mostra que a rede está no caminho certo, segundo Machado, da GS & Consult. 

“É uma forma de virar o jogo diante da concorrência”, sinaliza.   

Com 15 supermercados e 11 com o modelo konbini em atividade, a rede, que faturou R$ 380 milhões como um todo em 2017, deve chegar a outras 17 até março, segundo Freddi. “Esperamos chegar a 2021 com 100 unidades, sendo 80 Express, 20 supermercados e R$ 1 bi de faturamento.”

LEIA MAIS: Sete tendências de inovação para o varejo

Apesar da visão diferenciada ao oferecer soluções para o varejo, o Hirota Supermercados causou indignação nas redes sociais em dezembro passado, após distribuir uma cartilha com comentários negativos sobre relações homossexuais, citando trechos da Bíblia.

Em comunicado distribuído à imprensa na época, a rede lamentou “qualquer transtorno que tenha causado pela distribuição da cartilha da família”, reiterando que "em momento algum teve a intenção de polemizar, ofender ou discriminar qualquer forma de amor."

“Em nossos valores não há nenhum tipo de preconceito em relação a gênero, religião ou raça. Atendemos todas as famílias da mesma forma, com a mesma humildade e carinho. Nossas sinceras desculpas a todos”, conclui a nota. 

FOTOS: Divulgação

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas