Projeto para revitalizar os calçadões do Centro é apresentado para comerciantes

Proprietários de empresas da região conheceram a proposta, tiraram dúvidas e apresentaram sugestões e críticas no debate realizado pela ACSP com o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano Fernando Chucre (acima)

Karina Lignelli
18/Out/2019
  • btn-whatsapp
Projeto para revitalizar os calçadões do Centro é apresentado para comerciantes

Será que agora vai? O projeto de requalificação dos calçadões do Centro Velho da capital paulista está pronto e previsto para terminar no fim de 2020, segundo a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SMDU) da Prefeitura Municipal de São Paulo (PMSP). 

A urgência da implantação se deve principalmente à necessidade de revitalização da mobilidade no Triângulo Histórico – perímetro que vai do Pátio do Colégio ao Largo São Bento, passando pelas ruas Boa Vista, Líbero Badaró e Benjamin Constant -, hoje prejudicada por buracos e desníveis resultantes de um projeto cuja implantação data de 1970.

LEIA MAIS: Cidade pensada para o comércio beneficia o pedestre

Mas são os impactos dessas obras, para pedestres e turistas que circulam quase diariamente pela região, e em especial, no dos comerciantes locais, que foram tema da reunião do Conselho de Política Urbana (CPU) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), para a qual alguns foram convidados, realizada na última quarta-feira (16/10) e comandada pelo 1º vice-presidente Roberto Mateus Ordine. 

Na reunião, comandada pelo 1º vice-presidente Roberto Mateus Ordine, Fernando Chucre, secretário municipal de desenvolvimento urbano, e Luis Brettas, superintendente de desenho da paisagem da SP Urbanismo e responsável pelo projeto, apresentaram o novo modelo, que traz mudanças importantes quanto à melhora da micromobilidade e acessibilidade e na valorização do patrimônio histórico local.

Assim como a obra do Vale do Anhangabaú, o projeto será executado em fases “para minimizar o impacto”, segundo Chucre. "Criamos um plano de comunicação direta com lojistas, moradores e usuários, rua por rua, com o cronograma de obras apresentado a todos para nos precavermos de qualquer imprevisto", afirma.

"O acompanhamento permanente, 24 horas por dia, para não impedir nem prejudicar o funcionamento do comércio local, é o nosso compromisso", completa. 

O ponto principal do projeto é a priorização dos pedestres, que terão acessibilidade universal no entorno das estações de metrô e dos centros comerciais, além do alargamento de calçadas para reduzir o tempo de travessia.

Na prática, o projeto de requalificação prevê a implantação de um novo pavimento simples e definido junto aos órgãos de patrimônio, que substitui as pedras portuguesas por placas de concreto armado de 1,20 m x 1,20m, com grelhas de microdrenagem e piso tátil.

LEIA MAIS: 4 razões mostram como o urbanismo pode favorecer a economia de SP

Luis Brettas afirmou que o objetivo é facilitar a manutenção do cabeamento subterrâneo de telefonia, gás e eletricidade, além de resistir à sobrecarga provocada pela passagem de veículos pesados nas vias, como carros-fortes, bombeiros e ambulâncias - inclusive com a organização da circulação de carga e descarga de produtos e mercadorias.

RUA TRÊS DE DEZEMBRO: O FIM DAS PEDRAS PORTUGUESAS

O projeto engloba ainda a repaginação da paisagem, preservando a arborização e padronizando o mobiliário urbano, como lixeiras, sinalização turística e nomes e números de ruas, além de interação com fachadas de prédios tombados.

Até o tradicional espaço das bancas de jornal e engraxates da praça Antônio Prado, próximo à Bolsa e ao Santander, será mantido, para alívio dos presentes à reunião: apenas o mobiliário será modificado, sendo que as duas atividades ficarão no mesmo espaço, uma de costas para a outra, localizados nas duas extremidades da praça.

“Estamos fazendo esse trabalho de requalificação para ter uma área que sobreviva por muitos anos”, diz Brettas.

De acordo com o secretário Chucre, a Prefeitura anunciou um plano mais amplo, com aumento do orçamento para revitalizar não só o Centro Velho, mas também o Novo (que inclui os calçadões no entorno da Praça da República e a região do Mercado Municipal): serão R$ 200 milhões agora em 2019, e mais R$ 200 milhões em 2020.

"Tem dinheiro, tem projeto, a licitação está sendo homologada... Vamos dar um salto de qualidade no Centro", acredita.

AGORA É QUE SÃO ELAS

Após a demonstração do projeto de requalificação, os presentes já tinham seus questionamentos na ponta da língua. O primeiro, e o mais óbvio, nas palavras de um comerciante da rua Três de Dezembro, foi: quando começa?  

(ESQ.P/DIR.) ALEXANDRE ORTIZ, DA DISTRITAL
CENTRO DA ACSP, ORDINE, CHUCRE E BRETTAS:
DIÁLOGO PERMANENTE COM OS COMERCIANTES

Fernando Chucre explicou que a execução do projeto terá duas etapas distintas: a primeira, que será realizada com recursos privados da Bolsa, da B3 e do Santander, e que inclui o perímetro entre as ruas João Brícola e Três de Dezembro, praça Antônio Prado e uma parte da Quinze de Novembro será executada em breve, ainda neste ano.  

 

"Com esse recurso há mais rapidez na contratação, e o resultado prático aparece logo", afirma. "Já a segunda parte, realizada pela Prefefeitura, está em licitação, mas mesmo assim não haverá descontinuidade da obra", prometeu.  

Outro lojista, preocupado com a proximidade da Black Friday e o Natal, lembrou que um terço das receitas do comércio varejista no ano é auferido entre 30 de novembro e 24 de dezembro, e quis saber se o "quebra-quebra das obras" vai acontecer nesse período, afugentando os consumidores.

"Como já dissemos, vamos fazer tudo por partes, em conversação permanente com os lojistas, e procurando manter a acessibilidade ao comércio com a implantação de passarelas conforme o previsto no projeto", disse Chucre.

A circulação de veículos nos calçadões na base da "carteirada", conforme apontou um empreendedor de TI da região, "agora vai acabar" após a implantação do projeto, segundo o secretário, por conta de um mecanismo de balizamento hidráulico automático na entrada. "Eliminaremos o fator humano, e só vão entrar os veículos autorizados, mesmo."

 

Já a ciclofaixa da rua Boa Vista, "ociosa há pelo menos quatro anos", segundo um empresário de serviços, foi alvo de críticas. "Temos 83 estacionamentos no Centro, precisamos de espaço para carga e descarga...Como será possível alargar as calçadas, como vocês querem, mantendo a ciclofaixa?", questionou.

O secretário, que lembrou do posicionamento crítico da ACSP em relação a ela - que por sinal passa pela porta da entidade -, disse apenas que, apesar de não haver uma posição majoritária no projeto sobre o assunto, a Prefeitura preferiu mantê-la por questões de adequação aos padrões de acessibilidade.

PRAÇA ANTÔNIO PRADO: MOBILIÁRIO MODERNIZADO PARA
AS TRADICIONAIS BANCAS DE JORNAL E OS ENGRAXATES

O último comerciante a se manifestar fez uma sugestão crítica. "Cuidado quando forem alargar as calçadas, pois em vez de ampliaram o espaço para o pedestre, vocês podem acabar atraindo camelôs para a frente da nossa loja."

Em resposta, Chucre lembrou das particularidades de cada trecho, e reforçou que todos serão chamados para conversar, caso a caso, sempre na expectativa de concluir as obras até o fim de 2020. "A variável é a licitação", avisa.

Antonio Carlos Pela, vice-presidente da ACSP e coordenador do CPU, afirma que a casa apoia o projeto  mas o comitê continuará acompanhando seus desdobramentos, já que alguns detalhes do desenho das calçadas não estão claros.

"Mas o importante é que esse diálogo que começou hoje com os comerciantes continue até o fim das obras", conclui. 

FOTOS: Bianca Cavalcante / Imagens da reprodução do projeto: Divulgação SMDU

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas