Maia diz que os próximos três meses serão decisivos para futuro do governo

O presidente da Câmara dos Deputados participou de debate com empresários na ACSP. Para ele, governo federal prioriza pautas secundárias

Renato Carbonari Ibelli
16/Nov/2020
  • btn-whatsapp
Maia diz que os próximos três meses serão decisivos para futuro do governo

Para o deputado Rodrigo Maia, presidente da Câmara, o resultado das eleições municipais mostrou a real força do presidente Jair Bolsonaro entre os eleitores. Segundo ele, “passada a comoção do atentado à faca” e com as ações das redes sociais para restringir disparos em massa e conteúdos falsos, o país volta a ter equilíbrio das forças políticas.

“Não estou dizendo que [Bolsonaro] está mais fraco ou forte, mas as eleições de domingo (15/11) sinalizaram tendências para 2022, como o fortalecimento de partidos mais liberais na economia e de maior diálogo com a sociedade, sem radicalização”, disse Maia em encontro com empresários na Associação Comercial de São Paulo (ACSP) nesta segunda-feira, 16/11.

Mas o presidente da Câmara acredita que a influência das eleições municipais no processo eleitoral de 2022 não será decisivo. Para ele, as pautas que o governo federal priorizará no Legislativo nos próximos três meses terão mais peso nesse processo.

Medidas difíceis, que envolvem a situação fiscal do país, terão de ser discutidas, entre elas, a chamada PEC Emergencial (Proposta de Emenda Constitucional 186/2019), que prevê gatilhos para conter despesas obrigatórias já no orçamento de 2021 - uma tentativa de segurar os gastos do governo.

“Saberemos a força do governo federal a partir do momento dessas votações. O governo vai ter coragem de acabar com aposentadorias e auxílios e desindexar o orçamento para ampliar o Bolsa Família? Não pode transferir essa responsabilidade para o Legislativo”, disse Maia. “Ampliação do Bolsa Família fora do teto de gasto é populismo”, completou.

A PEC Emergencial está sendo desenhada. O presidente da Câmara disse que ela deve trazer mecanismos (os gatilhos) que permitam segurar os gastos antes de o teto ser rompido. Hoje, eles são disparados após o limite ser ultrapassado.

Faz parte do pacote a redução de jornada de servidores, o fim do seguro defeso (para pesca artesanal), do abono salarial e auxílios para militares, entre outros pontos.  

Maia afirmou que o governo tem priorizado pautas secundárias, às quais comparou a cortina de fumaça. “São propostas com charme, mas que não resolvem o problema do país. Caso da cabotagem, posso até apoiar, mas não sem antes resolver o problema fiscal”, disse o presidente da Câmara.

Para ele, se os gastos não forem controlados, no próximo ano as pautas do Legislativo envolverão aumento de impostos.  

“Vamos ver como vai ficar essa aliança conservadora-liberal que Paulo Guedes [ministro da Economia] costuma destacar. É muito difícil que os liberais aceitem interpretações heterodoxas do orçamento público e dos gastos para os próximos anos”, falou o presidente da Câmara.

REFORMAS

Maia disse aos empresários na ACSP que acredita haver os votos necessários para a provação da reforma tributária. Ele defende as PECs 45, que tramita na Câmara, e a 110, que está no Senado.

Ambas, segundo economistas e tributaristas, elevariam consideravelmente a carga tributária para o setor de serviços.

Maia concorda que pode haver aumento, mas ainda assim haveria benefícios. “Pobres consomem mais bens, quem consome mais serviços são os mais ricos. Acho que esse é o caminho”, disse o presidente da Câmara.  

Alfredo Cotait Neto, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), tem posição crítica em relação às PECs 45 e 110. “É fundamental que a sociedade tenha conhecimento dessas medidas. Peço que também possamos nos manifestar sobre elas”, disse Cotait, dirigindo-se a Maia.

 

IMAGEM: ACSP

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas