Interdição de shopping não inibe pirataria na 25 de março

Foi a segunda interdição do Shopping 25 de Março em dois anos. Próximo ao prédio, relógios, calçados e outros produtos falsificados continuavam a ser oferecidos

Wladimir Miranda
22/Fev/2019
  • btn-whatsapp
Interdição de shopping não inibe pirataria na 25 de março

Nesta quinta-feira (21/02), fez uma semana que a Guarda Civil Metropolitana de São Paulo (GCM) interditou o Shopping 25 de Março, na região central da cidade. Mais de 1,2 mil lojas foram fechadas no estabelecimento. Trezentos funcionários perderam o emprego.

O que motivou a interdição foram denúncias feitas à Justiça por diversas marcas. A reclamação:no local eram vendidos artigos falsificados e ilegais.

O movimento em frente ao shopping interditado na tarde desta quinta-feira era pequeno. Bem diferente do que ocorreu no dia da interdição, quando o entra e sai de vendedores foi grande. Na ocasião, 66 mil produtos foram retirados em sacolas das lojas do shopping.

Logo após a ação da GCM, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, visitou o local e lembrou que, em 2017, uma operação conjunta da Receita Federal e da prefeitura havia constatado a venda de produtos ilegais no centro comercial.

A interdição não inibiu a venda de produtos irregulares na região. Um segurança que trabalha em uma loja localizada em frente ao Shopping 25 de Março não hesitou ao responder se o estabelecimento fechado era o único que vendia produtos piratas nas vizinhanças.

“Todo mundo sabe que nesta rua e em todas as ruas próximas só são vendidos produtos ilegais. Os vendedores sabem, os consumidores também”, disse ele.

E uma rápida caminhada pela região comprova isso.

Um relógio, que em qualquer loja que negocia artigos de marcas famosas custa R$ 400, R$ 500, é vendido, bem em frente ao shopping interditado, por R$ 50.

Tênis de marcas famosas, comprados em lojas físicas, ou pela internet, por R$ 1 mil, são vendidos nas ruas 25 de Março, Florêncio de Abreu e Barão de Duprat por R$ 400.

Bijuterias, roupas, acessórios para celulares, a maior parte deles de origem chinesa, são encontrados na região, nas lojas, nos quiosques e no chão, sem que haja qualquer ação fiscalizadora da GCM.

IMAGEM: Wladimir Miranda/Diário do Comércio

 

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas