Haddad cresce ou derrete? Resposta interessa a Alckmin

São maiores que se esperava as dificuldades para que Lula (dir.) transfira suas intenções de voto. Sem o nome do ex-presidente na urna eletrônica, eleitor tende a se abster

João Batista Natali
05/Set/2018
  • btn-whatsapp
Haddad cresce ou derrete? Resposta interessa a Alckmin

Há alguns dias o diretor do Datafolha, Mauro Paulino, foi perguntado quem seria o mais votado no primeiro turno. A resposta foi um tanto paradoxal: não será um candidato a presidente, mas a soma dos brancos, nulos e abstenções.

Ou seja, um contingente de eleitores que não se reconhecerá entre as opções que aparecerão na urna eletrônica.

A tendência tem até uma vertente histórica. Nas presidenciais de 2010. esse tipo de eleitor totalizou 25%, e, quatro anos depois, 27%. Acontece que desta vez, de acordo com as pesquisas, o grupo daria um salto para 39%.

Pois bem, um levantamento do site Poder360 revela que o “não voto” cresce em 23 Estados, e mais no Distrito Federal, onde Lula deixou de ser uma opção.

Uma maneira de interpretar esse fato é a seguinte: uma quantidade imensa de eleitores tende a não aceitar a recomendação do PT para que as intenções de voto do ex-presidente sejam transferidas para Fernando Haddad.

Escapam a essa regra apenas Ceará, Mato Grosso e Pará. No entanto, em outros Estados com maior densidade eleitoral, como Pernambuco, o “não voto” supera 40%. O mesmo ocorre em colégios menores como Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe.

A moral provisória dessa história tem dois aspectos. O primeiro é de que será menor do que o PT espera a transferência de intenções de Lula para Haddad.

O segundo aspecto é igualmente óbvio: com Haddad desidratado, aumentam as chances de Geraldo Alckmin chegar ao turno final.

Nenhuma dessas conclusões estão explícitas no levantamento que o Poder360 publicou na terça-feira (4/9). Mas elas podem ser responsavelmente deduzidas a partir da metodologia usada.

Por essa metodologia, comparou-se o resultado final das eleições presidenciais de 2010 e 2014 com o conjunto das pesquisas até agora publicado.

Nos dois casos, voto branco ou nulo é uma coisa só. Na outra ponta, a ausência do eleitor nas votações já realizadas é assimilada à indefinição da escolha que, agora em outubro, ele poderia fazer.

DIFICULDADE DE ACENDER O POSTE

Vejamos as duas eleições –para presidente, em 2010, e para a prefeitura de São Paulo, em 2012 -em que nomes menos conhecidos dentro do próprio PT saíram vitoriosos das urnas em razão do apoio insistente de Lula.

Na primeira eleição de Dilma, o hoje ex-presidente era dono de uma popularidade invejável, com índices de aprovação superiores a 80%. E o país havia superado rapidamente a tempestade que se abateu em 2008 (crise do sub-prime) na economia mundial.

Votar em Dilma, para o eleitor petista ou simpatizante, significava assegurar o prosseguimento políticas agressivas de inclusão e de crescimento do emprego.

Em 2012, a adesão ao candidato de Lula foi igualmente bem-sucedida. Eram eleições municipais, e o PT concorria em centenas de municípios.

Mas o ex-presidente concentrou seu esforço em São Paulo. Não apenas pela importância econômica e demográfica da cidade, mas porque uma vitória de Haddad significaria também a derrota de José Serra (PSDB).

Lula foi então bem mais que um apoiador. No horário eleitoral do rádio, transformou-se em âncora que introduzia entrevistas, conversava com eleitores e, ao fim, abria o microfone para falar Fernando Haddad, seu ex-ministro da Educação.

O candidato petista foi eleito, mais pelos méritos de Lula e bem menos por seus próprios méritos.

Essa mágica não chegou a funcionar em 2016. O prestígio do PT estava em queda após a Lava Jato e o impeachment de Dilma, e mesmo com o voto útil dentro da esquerda no primeiro turno (Haddad desidratou a candidatura de Luíza Erundina, do Psol), foi impossível conter o furacão tucano de João Doria.

A PRISÃO E AS MÃOS ATADAS

Para a candidatura presidencial de Haddad –que poderá ser oficializada pelo PT na próxima terça-feira (11/9), prazo dado pela Justiça Eleitoral –os complicadores são bem maiores.

Lula está preso em Curitiba, desde 7 de abril, e, por mais que tenha liderado as intenções de voto para o Planalto, são grandes as dificuldades logísticas para trabalhar por seu candidato.

O Tribunal Superior Eleitoral limita sua participação como “apoiador” na campanha presidencial petista a no máximo 25% do horário reservado ao PT.

Não poderá viajar pelo país em companhia de Haddad, adaptando os discursos às singularidades regionais do eleitor.

E o PT não tem apenas, diante de si, um candidato do PSDB para ser derrotado. Precisará, se for o caso, preocupar-se com Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), que disputam o eleitorado de esquerda, e, sobretudo, Jair Bolsonaro (PSL), o candidato da direita para quem as chances de chegar ao Planalto passam hoje pela possibilidade de disputar com o PT o turno final de outubro.

É um quadro complicado, em que também existe como agravante a lógica judicial do Lula presidiário (ele fará de tudo para esgotar os recursos que acredita ainda dispor para se candidatar a presidente) que nem sempre coincide com a lógica eleitoral do PT.

Caso essa última prevalecesse, Lula já teria desistido de sua própria candidatura, para que o nome de Haddad circulasse nacionalmente como seu concorrente.

Mas o que está acontecendo é uma espécie de esconde-esconde com o Judiciário.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impugnou a candidatura petista por seis votos a um. Mesmo assim, Lula quer recorrer ao STF e ainda instrumentalizar a seu favor a Comissão de Direitos Humanos da ONU, cujas decisões não têm valor legal no Brasil.

Estamos nesse pé.  

 

 

FOTOS: Ricardo Stuckert/Divulgação

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas