Fundo de private equity pode comprar Máquina de Vendas

Terceira maior rede varejista de eletroeletrônicos –resultado da fusão da Ricardo Eletro, do empresário Ricardo Nunes (na foto), e da Insinuante -busca investidor para injetar recursos no negócio

Estadão Conteúdo
08/Jun/2018
  • btn-whatsapp
Fundo de private equity pode comprar Máquina de Vendas

O grupo Starboard, companhia brasileira de private equity (que compra participação em empresas) e de reestruturação, está prestes a fechar a compra do controle da varejista Máquina de Vendas.

Fontes afirmaram que a empresa, que tem sociedade com o fundo americano Apollo, poderá fazer aporte de capital na varejista, que reestruturou recentemente dívidas de R$ 1,5 bilhão.

A empresa – resultado da fusão da Ricardo Eletro, do empresário Ricardo Nunes, e da Insinuante, de Luiz Carlos Batista, em 2010 – está nos últimos anos em busca de um investidor para injetar recursos no negócio, que tem sofrido bastante com a crise econômica.

Se a Starboard concluir a operação, as participações de Nunes e Batista serão diluídas. Ricardo Nunes tem 55%; Batista, 42,7%; e a família Salfer, outros 2,3%. O total de participação da Starboard no negócio não foi informado. 

Com faturamento de cerca de R$ 5,2 bilhões, a Máquina de Vendas tem 650 lojas. A varejista chegou a ter 1,2 mil lojas no País, mas com a crise teve de enxugar o negócio. 

A Starboard foi contratada pela varejista para reestruturar uma dívida de R$ 1,5 bilhão com fornecedores. Está na mesa também a injeção de R$ 500 milhões por meio de aumento de capital.

No ano passado, a Máquina de Vendas começou a renegociar seus pesados débitos com os bancos. 

A empresa de reestruturação deverá concluir nas próximas duas semanas auditoria na companhia. Em dificuldades financeiras há vários anos, a Máquina de Vendas precisa dos recursos para recompor os estoques e consolidar sua expansão.

LEIA MAIS: Após venda, Walmart deve mudar estratégia no Brasil

Hoje, a falta de crédito junto aos fornecedores tem gerado carência de produtos, especialmente em equipamentos como TV e aparelhos de som. 

Dona das redes Ricardo Eletro, Insinuante, City Lar, Salfer e Eletro Shopping, a companhia é a terceira maior varejista do segmento de eletroeletrônicos, atrás da Via Varejo e Magazine Luiza.

Além de reestruturar dívidas, a Starboard tem um fundo que até agora soma US$ 275 milhões e deve chegar a US$ 325 milhões. Além disso, em dezembro do ano passado, o fundo americano Apollo comprou 20% da empresa brasileira.

O fundo faz a gestão de US$ 249 bilhões em ativos no mundo. Isso capitalizou a companhia para ir às compras. 

No fim do mês passado, a empresa fez uma proposta firme para adquirir a participação da Odebrecht na SuperVia, concessionária de transporte ferroviário de passageiros do Rio.

Embora tenha sido direcionada ao grupo baiano, o negócio pode se estender a 100% da empresa caso os demais acionistas se interessem pelo negócio. Procuradas, Máquina de Vendas e Starboard não comentaram o assunto.

LEIA MAIS: Galló prepara sucessão na Renner

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas