Negócios

O e-commerce brasileiro driblou as adversidades


No primeiro semestre do ano, o varejo online faturou R$23,6 bilhões, alta de 12%, o melhor crescimento desde 2015. Categoria de medicamentos, cosméticos e perfumaria superou moda e acessórios no ranking de volume de pedidos


  Por Italo Rufino 30 de Agosto de 2018 às 08:00

  | Repórter isrufino@dcomercio.com.br


Num semestre com fatos que causaram oscilações no mercado, como Copa do Mundo, greve dos caminhoneiros e incertezas políticas, o comércio eletrônico conseguiu superar os infortúnios da economia brasileira.

Nos seis primeiros meses do ano, o segmento faturou R$ 23,6 bilhões – alta nominal de 12,1% em relação ao mesmo período de 2017. A previsão é de que o crescimento se repita neste segundo semestre.

No período, o número de pedidos também cresceu. Foram 54,4 milhões – alta de 8%. Ao mesmo tempo, o tíquete médio foi de R$ 433, expansão de 3,8%, frente a uma inflação (IPCA) de 2,94% no mesmo período.

Esas e outras informações figuram na 38º edição do relatório Webshoppers, produzido pela Ebit/Nielsen, e foram divulgadas nesta quarta-feira (29/08), em um encontro na FecomércioSP.

Vale lembrar que, recentemente, a Nielsen, empresa global de mensuração e análise de dados, adquiriu a Ebit com foco no novo varejo omnichannel.

Desde 2015, o e-commerce não crescia dois dígitos no primeiro semestre.

“É um sinal de que, mesmo numa época de incertezas econômicas, a crise ficou para trás”, afirma Pedro Guasti, consultor de Negócios Ebit/Nielsen. 

Entre os fatores que impulsionaram o bom desempenho está a ascensão das vendas de produtos de saúde, perfumaria e cosméticos.

A categoria obteve crescimento de 30% em um ano e ultrapassou moda e acessórios no ranking de volume de pedidos.

A movimentação reflete o desempenho das farmácias e lojas e fabricantes de cosméticos no varejo online.

Além de gigantes do setor, como Ultrafarma e RaiaDrogasil, há novos concorrentes no pedaço.

Fundada em 2013, a Netfarma é especializada em vender online cosméticos, itens de beleza e higiene e remédios (incluindo antibióticos com receita médica). A empresa não possui loja física.

Em 2016, o negócio faturou R$ 64 milhões. Ao longo de 2018, a Netfarma investirá R$ 20 milhões em marketing e vendas e espera crescer 60%.

O relatório Webshoppers também aponta crescimento do contingente de consumidores online. São 27,4 milhões de compradores.

Desses, 51,5% são mulheres. A razão disso é que as consumidoras costumam comprar itens para elas e também para o lar – casa e decoração é a terceira categoria em volume de pedidos.

A ECONOMIA DIGITAL

O estudo apresentou também uma análise sobre a Economia Digital de 2017, considerando os segmentos online de turismo, ingressos (shows, cinema e eventos esportivos) e marketplaces de produtos novos e usados entre empresas e consumidores e entre pessoas físicas.

O escopo expande o foco inicial do Webshoppers, voltado à análise de bens duráveis e não duráveis, mas que ainda não considera transações de serviços online, como as dos aplicativos Uber e iFood.

No ano passado, a economia digital faturou R$ 112,19 bilhões – alta de 19,9%. O crescimento foi alavancado principalmente pelos marketplaces de produtos novos e usados (B2C e C2C), como Mercado Livre e Enjoei, que apresentou crescimento de 62,4%.

Outro destaque foram as vendas realizadas por plataformas de venda de artesanato, como a Elo7, que reúne 90 mil micros e pequenos vendedores ativos.

DESAFIOS LOGÍSTICOS

Em outro foco de análise, o Webshoppers trouxe um estudo sobre o cenário atual da logística, um dos pontos mais importantes para o planejamento e operação de um e-commerce. Foram ouvidos 7.197 consumidores, entre 30 de maio e 4 de julho de 2018.

“A logística pode afetar diretamente o resultado financeiro da empresa, além do grau de satisfação e fidelização dos consumidores”, disse Guasti.

Considerando o volume de pedidos, as opções de frente mais comuns são transportadoras privadas (53%); Correios (37%) e retirada em loja/pick-up in store (10%).

Curiosamente, quando é analisada a qualidade da entrega, a disposição dos formatos de frete se inverte. As compras que mais chegam no prazo é em pick-up in store (97,4%), seguido por Correios (83,4%) e transportadoras (75,6%).

“A integração entre os canais do varejo, que chamamos de omnichannel, está se tornando uma realidade para o consumidor”, disse Guasti.

Com relação ao frete, uma preocupação ronda os executivos da Ebit/Nielsen. No último dia 15, o presidente Michel Temer sancionou a lei que tabela o valor mínimo do frete em transporte rodoviário no país. A iniciativa foi uma das promessas para encerrar a greve dos caminhoneiros em maio.

Embora já tenha sido aprovada, a Medida Provisória 832, que criou a tabela, deve ser discutida no plenário do Supremo Tribunal Federal. O ministro Luiz Fux decidiu manter suspensos todos os processos relacionados a MP nas instâncias inferiores.

“O Estado interferir na livre concorrência de preços é um ato gravíssimo para a economia”, disse Guasti. “Caso a medida passe a valer, o preço do frete para o consumidor final aumentará, em média, 20%.”

BLACK FRIDAY

Em 2018, a Black Friday acontecerá no dia 23 de novembro. No entanto, as lojas online começaram a se preparar para a data em maio. Tem sido alocado recursos para aprimorar a tecnologia dos sites, processos logísticos (fulfillment) e atendimento.

Ano passado, a sexta-feira de descontos roubou vendas do Natal e se consolidou como a principal data do varejo. Dados extras da Ebit (não divulgados no relatório) mostram que a intenção de compra cresceu 8% para o Black Friday de 2018.

Diferente do que acontece nos Estados Unidos, que a data é usada para limpar os estoques para troca de coleção nas lojas, o varejo brasileiro tem utilizado o Black Friday para vender de tudo. Por aqui, até bancos e seguradoras oferecem serviços a preços promocionais.

E os consumidores têm aproveitado. É estimado que o faturamento do evento alcance R$ 53,5 bilhões. 

IMAGEM: Thinkstock