Economia

Recuperação da indústria perdeu força


Análise da equipe de economistas da ACSP aponta para nova arrancada do setor industrial nos próximos meses, estimulada pela expansão do crédito


  Por Redação DC 08 de Janeiro de 2019 às 20:05

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Segundo o IBGE, a atividade industrial mostrou, em novembro, queda de 0,9%, em relação ao mesmo mês de 2017, ficando abaixo das expectativas de mercado.

No acumulado em 12 meses a produção do setor continuou crescendo (1,8%), porém, desacelerando em relação à expansão observada em outubro.

Com base nesses dados, os economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) apontam que a recuperação da indústria segue perdendo força após a greve dos caminhoneiros.

Para eles, a incerteza eleitoral e o orçamento mais apertado das famílias, num contexto de elevado desemprego, também contribuíram para a perda de fôlego do setor industrial.

Os economistas da ACSP dizem que o salto da confiança dos empresários, ocorrido a partir do fim das eleições, conjuntamente com a expansão do crédito e a maior geração de postos de trabalho, sugerem retomada do ritmo de recuperação do setor durante os próximos meses.

De acordo com os dados do IBGE, no contraste anual, somente a produção de bens de capital apresentou elevação, porém, impulsionada principalmente pela fabricação de máquinas e equipamentos para a agricultura.

Os bens duráveis sofreram a maior contração entre as categorias de uso, destacando-se negativamente a chamada “linha marrom” (TVs, som e vídeo), enquanto o segmento de veículos cresceu moderadamente, devido às menores exportações direcionadas para o mercado argentino.

 

IMAGEM: Thinkstock