Varejo tem desempenho desigual entre os segmentos

Segundo Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo, o bom resultado de alguns segmentos mascara a realidade negativa da maioria do comércio varejista

Redação DC
12/Jul/2018
  • btn-whatsapp
Varejo tem desempenho desigual entre os segmentos

A alta de 2,7% registrada pelo varejo no mês de maio, quando comparada a igual mês do ano passado, esconde a real situação do setor. O fato é que poucos segmentos varejistas de fato registram resultados positivos, mas seus bons desempenhos inflam a estatística geral.

Segundo Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), o resultado anual “não serve de parâmetro para a performance do setor ao longo do ano, visto que as atividades do comércio apresentaram desempenhos extremamente desiguais durante a paralisação dos caminhoneiros.”

Burti cita como exemplo o ramo de combustíveis, que caiu 7,9% na variação anual, e o de supermercados, cujas vendas cresceram 8%. “Este segmento costuma trabalhar com estoque maior e viu uma corrida dos consumidores aos supermercados”.

A alta foi divulgada nesta quinta-feira, 12/07, pelo IBGE, e é relativa ao varejo restrito. Pelo estudo, seis das oito atividades do comércio varejista pesquisadas tiveram queda.

Tiveram recuo na produção as atividades de livros, jornais, revistas e papelaria (6,7%), equipamento e material para escritório, informática e comunicação (4,2%), tecidos, vestuário e calçados (3,2%), móveis e eletrodomésticos (2,7%) e artigos farmacêuticos, médicos e de perfumaria (2,4%).

A única atividade com alta foi supermercados, alimentos, bebidas e fumo, com 0,6%. O segmento de outros artigos de uso pessoal e doméstico manteve-se estável.

GREVE

Para Burti, “a paralisação dos caminhoneiros impactou mais a indústria do que o varejo em função das entregas e foi um evento extraordinário não antecipado, que bagunçou a economia, sobrepondo-se, inclusive, à fatores conjunturais positivos”.

Os fatores são o alongamento dos prazos, o crescimento do emprego e dos salários e a queda dos juros.  

O presidente da ACSP disse ainda que o comércio está longe de recuperar as perdas provocadas pela recessão: o varejo restrito está 7,1% abaixo do resultado recorde de outubro de 2014 e o ampliado encontra-se 16% inferior a março de 2012.

“Mas acreditamos que o setor deve continuar a se recuperar ao longo de 2018 e nos próximos anos”, afirma Burti.  

IMAGEM: Paulo Pampolin

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas