Um mutirão vai restaurar o Pátio do Colégio

Polícia Civil deteve, na noite desta quinta, casal suspeito da pichação. Entidades civis, empresas e voluntários vão doar material e dinheiro para a limpeza da fachada do prédio histórico

Wladimir Miranda
13/Abr/2018
  • btn-whatsapp
Um mutirão vai restaurar o Pátio do Colégio

A frase “Olhai por nois”, assim mesmo, com o erro grotesco de português, pichada em letras gigantes na madrugada de terça-feira (10/04), por três pichadores –dois homens e uma mulher -, na fachada do Pátio do Colégio, no centro histórico de São Paulo, vai começar a ser removida na próxima segunda-feira (16/04).

Portanto, quem passar por lá até o início do restauro, com certeza vai se indignar com a ação de vandalismo praticada contra a construção, que é o marco inicial do nascimento de São Paulo e local escolhido para iniciar a catequização dos indígenas.

A Polícia Civil de São Paulo deteve na noite de quinta-feira (12/04), um casal suspeito de ter participado da pichação.

De acordo com a Secretária de Segurança Pública (SSP), o casal também é suspeito de ter pichado o monumento das Bandeiras, o Museu de Arte de São Paulo (Masp) e o Fórum Butantã.

A legislação municipal prevê, desde fevereiro do ano passado, multa de R$ 5 mil para quem for flagrado pichando muros públicos ou privados.

Caso o alvo seja um monumento ou um bem tombado, o valor sobe para R$ 10 mil. A multa é dobrada em caso de reincidência.

Em reunião realizada na quarta-feira (11/04), ficou decidido que um mutirão da solidariedade,formado por entidades civis, entre elas a Associação Comercial de São Paulo (ACSP ), vai restaurar os 560 metros quadros danificados pelos vândalos. 

CONTIERI: MENSAGENS INTERNACIONAIS DE SOLIDARIEDADE

O padre Carlos Alberto Contieri, diretor do Pátio do Colégio, disse que recebeu mensagens de solidariedade de várias partes do mundo. 

“Foi impressionante a indignação que este violento ato provocou nas pessoas. Recebi mensagens de solidariedade da França, Estados Unidos, de cidades italianas como Milão e Roma. Gente ligada ao Vaticano me procurou para se solidarizar” contou.

Segundo o padre, organizações civis e as pessoas que o procuraram para se colocarem à disposição para ajudar com a doação de material para a restauração e dinheiro, pediram para não terem seus nomes divulgados.

“Estas pessoas e instituições só querem que a cidade recupere um de seus símbolos. O Pátio do Colégio ficará exatamente como era”, disse.

Não será um trabalho fácil. “A tinta vermelha usada pelos pichadores penetrou em toda a fachada", afirma o padre. "Vamos ter de testar para ver qual o solvente será utilizado para limpar os azulejos, que ficaram bastante danificados."

O dano sobre a fachada não será simples de ser reparado, afirmou. As madeiras que emolduram as janelas também precisarão de uma ação cuidadosa.

Os voluntários que farão o restauro serão coordenados pela arquiteta Jéssica Carvalho Silva, 26 anos. Formada pela Faculdade de Urbanismo e Arquitetura da Universidade de São Paulo – USP -, Jéssica fez estágio em educação patrimonial em Embu das Artes.

Ela vai coordenar todo o processo de recuperação. O material – andaime, detergentes, massa acrílica, tinta, esmalte, água rás, massa para madeira, esmalte sintético, vernis, forros para o chão, espátulas e argamassa – será doado por instituições e pessoas físicas.

“Pessoas que passam pelo pátio e que frequentam a missa mostraram disposição de ajudar no trabalho”, disse Jéssica.

Enquanto a direção do Pátio do Colégio se movimenta para que o prédio histórico volte a ser o que era, as autoridades policiais ainda não têm informações sobre os responsáveis pelo ato de vandalismo.

Imagens do momento em que os três pichadores chegam ao local e praticam o ato –inclusive assustando os moradores em situação de rua que normalmente dormem no local – foram enviadas para o 1º Distrito Policial, da Sé, Guarda Civil Metropolitana e Regional da Sé da prefeitura paulistana.

Na noite de terça-feira e durante o dia de ontem duas viaturas da Guarda Civil Metropolitana ficaram em frente ao prédio da Secretaria da Justiça – que fica ao lado do Pátio do Colégio -.

Na terça-feira, a Associação Comercial de São Paulo – ACSP divulgou uma nota em que lembra que o pátio contava com um posto policial fixo da PM. Em outubro de 2017, a entidade enviou ofício à Secretaria de Segurança Pública, solicitando o retorno do posto. Mas a secretaria respondeu que não atenderá ao pedido.

Localizada em frente ao Pátio do Colégio, a ACSP tem uma longa história de ligação com este importante marco da cidade. É no pátio que a entidade promove, por exemplo, as tradicionais Feira da Saúde e no último dia do ano promove a soltura de balões.

FOTO: William Chaussê/Diário do Comércio

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas