She Economy, um movimento da China para o mundo

Com maior independência financeira que seus pais e avós, as mulheres jovens na China estão desempenhando um papel mais visível do que nunca no mercado consumidor

Mariana Missiaggia
29/Mar/2022
  • btn-whatsapp
She Economy, um movimento da China para o mundo

Cosméticos, animais de estimação, cuidados pessoais e itens relacionados à saúde. Esses são os principais interesses de compra de um público que promete dominar o mercado de consumo nos próximos anos: o de mulheres nascidas após 1990.

Na faixa etária dos 30 anos, com maior independência financeira que as gerações passadas e a possibilidade de comprar coisas que aumentam sua felicidade, o movimento direcionado a essas mulheres foi batizado na China de She Economy - em português, economia feminina - e tem tudo para se expandir para o resto do mundo num momento pós-pandemia.

De acordo com pesquisa divulgada conjuntamente pelas consultorias chinesas Global Harbour e Jade International, espera-se que as mulheres com menos de 30 anos se tornem a principal força consumidora daquele país em breve.

Detalhes desse material mostram que elas têm uma dependência mais forte de cosméticos e gastam cerca de 20 minutos por dia em média aplicando maquiagem. Elas também se tornaram as maiores consumidoras do mercado de animais de estimação.

Jovens e trabalhando em grandes cidades como Xangai, hoje, as mulheres chinesas compõem o terceiro maior mercado consumidor do mundo – equivalente aos mercados de varejo combinados da Alemanha, França e Reino Unido – e reformularam a trajetória econômica do país asiático.

O estudo cita que "as mulheres chinesas, especialmente millennials e membros da Geração Z, estão gastando mais do que nunca em felicidade e auto-aperfeiçoamento".

Ocorre que o nível médio de educação e a renda das mulheres chinesas mais jovens também aumentaram. Hoje, a China tem mais de 400 milhões de consumidores do sexo feminino com idades entre 20 e 60 anos, que representam mais de 10 trilhões de yuans (US$ 1,5 trilhão) em consumo todos os anos, de acordo com um relatório de 2019 da Accenture, uma empresa de tecnologia da informação.

De acordo com o relatório da Accenture, os papéis tradicionais dos homens como chefes de família e mulheres como donas de casa tornaram-se obsoletos, já que 97% das mulheres chinesas urbanas têm renda. E na maioria das vezes, essas mulheres são responsáveis pelas decisões financeiras e compras.

O relatório acrescentou que a diferença de renda entre os gêneros deve diminuir ainda mais no futuro. A educação também desempenha um papel vital na formação de seus hábitos de emprego e gastos.

Outro fato relevante vem do mercado imobiliário da China que está vendo uma porcentagem crescente de compradores de casas do sexo feminino. Elas já são responsáveis por 48% das compras de casas realizadas no último ano, em 38 cidades chinesas, de acordo com o Beike Research Institute, maior agência imobiliária on-line da China.

Em Shenzhen, uma das metrópoles mais importantes da China, as mulheres estão envolvidas em 54% do total das compras de casas daquela localidade. Nas metrópoles chinesas emergentes, a proporção de mulheres que compram casas também apresentou rápido crescimento no ano passado. Um dos exemplos vem de Dongguan, outra província importante, onde as vendas lideradas por mulheres correspondem a 51%.

Outro relatório sobre os hábitos de consumo das mulheres chinesas, publicado recentemente, na semana do Dia Internacional da Mulher, pelo JD Research Institute for Consumption and Industrial Development, ajudou a detalhar o que representa esse aumento dos gastos.

"Elas não se deixam levar pelo consumismo. Em vez disso, procuram se expressar e se aprimorar durante o processo de consumo", diz o relatório.

O material da JD também observou um salto de quase 30% nos gastos das mulheres em compras para si mesmas, em comparação com as despesas dedicadas às suas famílias. Os investimentos priorizam educação, entretenimento e viagens, bem como serviços de melhoria da saúde.

As consumidoras também mostraram uma forte necessidade de fazer mudanças e se sentir empoderadas, de acordo com o relatório da JD, e isso se manifestou em seu crescente interesse por esportes como natação, esqui e equitação.

Em 2021, as mulheres na China compraram 8,4 vezes mais serviços e itens relacionados a esportes, em comparação com 2020, quando a pandemia afetou a economia do país e reduziu os gastos.

De acordo com o Anuário Estatístico da China 2021 do governo central, as mulheres representam 52,7% das pessoas com diploma de bacharel ou superior, entre adultos de 20 a 34 anos.

O movimento feminista global é um fator contribuinte. Ao falar sobre empreendedorismo feminino durante o Women Enterpreneur Forum (WeForum), realizado no último dia 17, em São Paulo, em um evento organizado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e seu Conselho da Mulher Empreendedora e da Cultura (CMEC), Natália Dias, presidente do Standard Bank no Brasil, citou a tendência e destacou que com igualdade de gênero, as mulheres poderiam dar um impulso de US$ 20 trilhões, cerca de R$ 101 trilhões, para a economia mundial, segundo um estudo da agência Bloomberg.

“A She Economy é uma grande tendência mundial. Tem visão muito curta quem não está se atentando a esse mercado”, diz Natalia.

Ao destacar que empresas lideradas por mulheres no Vale do Silício, por exemplo, têm receita 12% maior do que as lideradas por homens, a investidora Cris Arcangeli também falou sobre a importância do tema durante o WeForum.

A empresária está mentorando mulheres empreendedoras da periferia de São Paulo em um movimento que propõe liberdade financeira por meio do empreendedorismo e uma série de iniciativas que ajudam a incentivar e acelerar pequenos negócios de mulheres em comunidades.

“Proponho aceleração, educação, visibilidade de qualidade e investimento às empresas das mulheres selecionadas. Grandes negócios e produtos surgem a partir de uma demanda feminina. E chegamos a uma era em que além de trabalhar, elas podem comprar”, diz.

 

FOTO: Freepik

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas