Quanto maior o aporte em renda fixa, mais curto o caminho para o milhão

Na última reportagem da série sobre o primeiro milhão a partir de R$ 1.520, Mauro Calil mostra que, para chegar a ele, vale mais o tamanho do investimento mensal do que uma 'rentabilidade absurda'

Karina Lignelli
28/Mar/2019
  • btn-whatsapp
Quanto maior o aporte em renda fixa, mais curto o caminho para o milhão

CDBs, RDBs, LCIs, LCAs... A sopa de letrinhas dá nome a um dos tipos de investimento mais atraentes para quem tem perfil conservador e procura segurança e baixo risco: os títulos de renda fixa. São eles, aliás, que encerram a série de reportagens do Diário do Comércio sobre as possibilidades reais de conquistar o primeiro milhão com um aporte inicial de R$ 1.520 - aquele mesmo, o do polêmico vídeo da jovem Bettina Rudolph, que viralizou e virou meme. 

Nesse investimento, que funciona como um tipo de empréstimo que se faz ao emissor do título, como bancos ou corretoras, em troca de rentabilidade fixa (pré ou pós-fixada), sempre é preciso avaliar primeiro se o seu objetivo é de curto ou médio prazo ou metas mais longas, como a aposentadoria, já que a rentabilidade é atrelada à Selic ou à inflação (IPCA). 

Um levantamento recente da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) mostra que, em 2018, a procura desse ativo por investidores com patrimônio acima de R$ 1 milhão cresceu 6,1%.

Para quem persegue o objetivo de ficar milionário, o cenário promete. Por permitir um investimento a partir de R$ 100 - apesar da recomendação de iniciar com mais de R$ 1 mil, para melhorar a rentabilidade -, analistas preveem amplo espaço para o avanço desses fundos em 2019 no segmento varejo - ou seja, dos que ainda buscam o milhão. 

CLIQUE PARA LER OUTRAS REPORTAGENS DA SÉRIE

O sangue-frio de quem busca o milhão investindo na bolsa

Quem quer ficar milionário com previdência privada?

Do Tesouro Direto para o primeiro milhão é (quase) um pulo

Como fazer para conquistar o primeiro milhão (de verdade) 

Porém, é preciso ficar atento a fatores como o atual cenário de juros baixos. Nesse caso, o ideal é investir em títulos pós-fixados a longo prazo, de quatro a cinco anos, pelo menos, para obter rendimentos de 120% a 125% do CDI (acima dos 100% da taxa acumulada em 12 meses do Certificado de Depósito Interbancário, que lastreia esses títulos). 

Esse retorno é considerado bem alto para o investidor, segundo o professor Mauro Calil, fundador da Academia do Dinheiro e especialista em investimentos da Ourinvest. Então, é possível mesmo chegar ao milhão com um aporte de R$ 1.520 por mês em renda fixa? É possível sim, reforça Calil, que reafirma que é preciso desmistificar essa questão: basta ter disciplina, aportes regulares e foco no objetivo. Mas, de novo, demanda um pouco mais de paciência. 

"O resultado dessa conta é o tempo frente aos diferentes investimentos que se faz", afirma. "Porém, é mais importante conseguir fazer aportes maiores do que alcançar uma rentabilidade absurda", conforme ele mostra, a seguir.  

 EDIÇÃO E IMAGENS: Will Chaussê / FOTO: Thinkstock 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas