Finanças

Do Tesouro Direto para o primeiro milhão é (quase) um pulo


Na segunda reportagem da série sobre o primeiro milhão a partir de R$ 1.520, o professor Mauro Calil calcula como conquistá-lo com um investimento de boa rentabilidade e baixo risco


  Por Karina Lignelli 22 de Março de 2019 às 13:00

  | Repórter lignelli@dcomercio.com.br


A Comissão de Valores Imobiliários (CVM), órgão regulador do mercado financeiro no Brasil, divulgou nesta quinta-feira, 21/03, uma nota oficial reforçando que a Empiricus Research - que lançou o polêmico vídeo do milhão de sua redatora Bettina Rudolph - não está autorizada a fazer análises de investimentos, por não ser credenciada para tal atividade. A nota também alerta o investidor a "desconfiar" de ofertas que prometam ganho rápido ou sem risco. 

Por outro lado, o Diário do Comércio mostra, em uma série, maneiras mais realistas para se conquistar o primeiro milhão a partir de um aporte inicial baixo - os R$ 1.520 usados pela hoje famosa Bettina.

No vídeo abaixo o professor Mauro Calil, fundador da Academia do Dinheiro e especialista em investimentos da Ourinvest, calcula como atingir a cifra com um ativo de baixo risco e queridinho dos investidores mais conservadores (ou com pouco capital disponível): o Tesouro Direto.

Criado em janeiro de 2002 com o objetivo de popularizar a aplicação, o ativo permite que pessoas físicas possam adquirir títulos públicos diretamente do Tesouro Nacional, via internet, e sem intermediação de agentes financeiros. O aplicador só tem de pagar uma taxa à corretora responsável pela custódia dos títulos. 

Incluso na categoria fundos de renda fixa, o Tesouro Direto permite começar com um aporte inicial de R$ 30. Por ter prazo pré-definido para o investidor receber o dinheiro com juros, a modalidade ultrapassa os rendimentos da poupança, já que tem títulos indexados à Selic (6,5% ao ano) e ao IPCA (inflação oficial, 3,75% em 2018). 

LEIA A PRIMEIRA REPORTAGEM DA SÉRIE: Como fazer para conquistar o primeiro milhão (de verdade)

Mesmo tendo títulos com prazos de resgate longo (como o Tesouro IPCA + 2035), desde 2015 o Tesouro Nacional implementou a possibilidade de realizar o resgate diário - o que não é nada interessante para quem quer mesmo virar milionário investindo os hipotéticos R$ 1.520 mensais, ou mais, no ativo. 

"É possível para todo mundo", reforça o professor Calil. "Mas o importante é ter planejamento e fazer aportes regularmente: no final, essa disciplina é mais importante do que o investimento que você faz para alcançar o seu objetivo", completa. E haja disciplina, pois, como já disse o especialista, não tem mágica. 

Saiba quanto tempo leva e qual a rentabilidade para alcançar o milhão investindo em títulos do Tesouro a seguir:  

EDIÇÃO E IMAGENS: Will Chaussê / FOTO: Thinkstock