O momento é do e-commerce. Empresas precisam aproveitar

Com o confinamento das pessoas e grande parte das lojas impedidas de abrir por causa da pandemia do coronavírus, as compras pela internet começam a disparar

Renato Carbonari Ibelli
17/Abr/2020
  • btn-whatsapp

O e-commerce passou a ser vital para as empresas nesse período de restrições impostas para combater a pandemia do coronavírus. Com boa parte do comércio físico impedida de abrir, as lojas virtuais ganham cada vez mais público.

As vendas on-line registraram aumento de 18,5% na primeira semana de abril, segundo dados da consultoria Ebit/Nielsen. E a tendência é que esse percentual aumente mais à medida que os consumidores vejam nesse formato a única opção de momento para suprir suas necessidades de consumo.

Para o consultor de e-commerce Gustavo Erlichman, mesmo setores do comércio que, antes da pandemia, não tinham no on-line parcela significativa de suas vendas, agora percebem que são dependentes da modalidade.

“Com a pandemia, o e-commerce vive uma verdadeira revolução. Todos estamos confinados, então, o varejo físico não pode mais atender as demandas do consumidor. Por isso estamos vendo tantos novos entrantes no comércio eletrônico”, disse Erlichman durante live do programa #TamoJuntoSP, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que aconteceu nesta sexta-feira, 17/04.

LEIA MAIS: Passo a passo para montar uma loja virtual

Dados do Ebit mostram que, entre 19 e 25 de março, o comércio eletrônico dos supermercados teve um aumento de 96% no número de entrantes, ou seja, de pessoas que pela primeira vez fizeram as compras on-line. Isso, na comparação com a semana anterior.

“O consumidor que experimenta o on-line vai continuar nesse meio. Esse momento de novos entrante precisa ser aproveitado pelas empresas para segurar os consumidores em seus e-commerce”, disse o consultor.

E QUEM NÃO TEM LOJA ON-LINE?

Segundo Erlichman, é possível montar um e-commerce rapidamente, em uma semana no máximo. “Não se pode perder tempo com plataformas robustas e leiautes complexos”, afirmou.

O consultor diz serem necessários alguns requisitos mínimos, como alguém na equipe com conhecimento em TI e também para divulgação do comércio eletrônico. Ele lembra que são profissionais que podem ser terceirizados.

O mais importante, porém, é o cuidado com o planejamento da logística. É preciso entregar o produto no menor tempo possível com o melhor custo.”

LEIA MAIS: Saiba como planejar a logística do seu e-commerce

Para o empresário Francisco Antônio Parisi, vice-presidente da ACSP, a logística para o e-commerce não pode ter como prioridade unicamente o preço, mas sim as necessidades do cliente.

“Em primeiro lugar, o produto tem de chegar inteiro para o cliente. Então, antes de mais nada é preciso observar a embalagem que será usada. Não adianta escrever frágil na caixa se a transportadora não for confiável”, disse Parisi durante a live da ACSP. “Se o cliente recebeu no prazo e com qualidade o produto, é mais fácil fidelizar”, complementou.

Segundo ele, os correios costumam dar suporte aos empresários de menor tamanho.

Parisi disse que esse é o momento de os empresários se reinventarem. “Precisam entender que agora estão todos em casa, em frente ao computador, com o celular nas mãos, vendo anúncios na internet. Quem tem site, quem é ativo nas redes sociais, está vendendo”, afirmou.

 

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas