Gestão

Saiba como planejar a logística do seu e-commerce


Fazer um bom planejamento é fundamental para o sucesso da logística. Foco deve ser a satisfação do consumidor e a redução dos custos operacionais


  Por André de Almeida  17 de Abril de 2020 às 07:00

  | Repórter andre.dcomercio@gmail.com


O fechamento do comércio físico considerado não essencial, motivado pela pandemia de coronavírus, fez aumentar as vendas pela internet. Para se destacar no e-commerce, a logística tem um papel fundamental, uma vez que falhas na operação impactam diretamente no nível de satisfação do consumidor.

No momento atual, mais do que vender, o empresário precisa proporcionar ao seu cliente uma boa experiência de compra. “É na logística que acontece a parte mais palpável desse processo. Oferecer soluções úteis e sem oportunismo é a chave para se manter presente no mercado e superar o momento de crise”, afirma Eduardo Bragança, head de Marketing e Parcerias da Frete Rápido.

Quando se fala em logística, o valor do frete e o prazo de entrega sempre aparecem como fatores decisivos nas compras on-line. No entanto, uma operação de sucesso vai muito além disso. As empresas precisam definir estratégias para otimizar sua operação, já que, na busca de diferenciais competitivos, todos os detalhes fazem a diferença.

FRETE GRÁTIS

Nesse momento de crise, um dos diferenciais importantes para o e-commerce alavancar as vendas é oferecer, sempre que possível, fretes grátis ou cupons de descontos.

“O valor do frete é um fator decisivo para quem compra pela internet. Quando caro, o visitante migra para o anúncio do concorrente, contribuindo para a taxa de rejeição da empresa. Já o grátis traz uma sensação de ganho, de vantagem”, explica o especialista em logística da Frete Rápido.

No entanto, para minimizar o valor dos fretes, sem comprometer a saúde financeira da empresa, Bragança aponta alguns cuidados a serem observados. O primeiro deles é estreitar o relacionamento com transportadoras ou fazer uma parceria com os Correios, gerando fidelização e conseguindo contratos financeiramente mais vantajosos.

Outra medida é determinar quais produtos os empresários desejam que seus clientes comprem, com base nas margens de lucro de cada um deles, já que o valor do frete será retirado dessas margens.

Também é válido oferecer fretes grátis para a venda de produtos com menos saída. “Isso pode servir para movimentar o dinheiro e renovar o estoque. Produto parado é prejuízo”, ressalta o especialista.

Por fim, Bragança aconselha o empresário a estipular um valor mínimo de compra para ganhar o frete grátis. “Mas lembre-se de se basear na média de preço do seu produto. Todos somos atraídos pela sensação de ganho. Atenda essa necessidade do seu cliente e nunca o engane”, afirma.

TRANSPORTADORA OU CORREIOS?

Na logística de e-commerce, uma dúvida comum entre muitos empreendedores é se eles devem utilizar uma transportadora ou o serviço dos Correios para entregar seus produtos. Cada uma das modalidades possui suas vantagens e desvantagens.

Os Correios, segundo o especialista da Frete Rápido, possuem grande credibilidade institucional perante o público, diversidade de serviços de entrega e alcance em todas as regiões do território nacional, muitas vezes lugares remotos e não atendidos pelas transportadoras. Além disso, as empresas podem fazer contratos de parceria com a estatal, ganhando descontos progressivos conforme a quantidade de remessas.

Em contrapartida, a estatal está sujeita a greves, o que atrasa ou mesmo inviabiliza a operação logística de muitas empresas. Outra desvantagem dos Correios é a restrição nas entregas dependendo do tamanho e do peso dos produtos, além das instabilidades do sistema em períodos de grande movimento.

Em uma queda no sistema, por exemplo, o e-commerce fica sem retorno no cálculo do frete e o cliente pode pensar que a entrega foi feita em endereço errado, aumentando a taxa de rejeição da empresa.

Quanto às transportadoras, elas não fazem greve e, por terem um alcance mais restrito e específico, muitas vezes oferecem custos mais baixos de frete.

Por outro lado, nas transportadoras não há uma padronização das tabelas de cálculo dos fretes, o que pode ocasionar uma discrepância entre os valores cobrados.

Outro problema é que a maioria das transportadoras não investe em tecnologia e o processo de integração de dados com as empresas não é eficiente.

“Minha recomendação é utilizar os dois formatos. Cada um deles se complementa e tem suas próprias vantagens e desvantagens”, aconselha Bragança.

PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO

Fazer um bom planejamento é fundamental para o sucesso da operação de logística. Afinal, de nada adianta a alta qualidade do produto e a boa experiência oferecida na hora da compra se a empresa falhar na entrega.

Um bom planejamento de logística para e-commerce passa pelas seguintes etapas: seleção de fornecedores; recebimento e conferência dos produtos; armazenagem; controle do estoque; preparação dos pedidos; comunicação com Correios ou transportadoras; embalagem; documentação e emissão de nota fiscal; rastreamento e gerenciamento de entregas; logística reversa; e pós-venda.

Ao longo desse processo, é importante que as fotografias dos produtos sejam de boa qualidade e que suas descrições contenham o máximo de informações possíveis.

“Quanto mais informações, mais certeira será a compra do cliente, com menos chances de trocas ou devoluções”, explica o especialista. “As medidas dos produtos também devem estar atualizadas, já que elas influenciam tanto na compra quanto no sistema de fretes”, completa.

Revisar as embalagens de expedição, seus fluxos e processos, garante economia de tempo e redução de custos operacionais. Da mesma forma, é preciso se manter atualizado, já que o varejo virtual está intimamente ligado à tecnologia, em constante transformação.

“Assim o empresário se mantém competitivo e com habilidades diferenciadas no e-commerce”, conclui Bragança.

LEIA MAIS 

Projeto de Lei estabelece limites para alterações em contratos

Os cuidados antes de reduzir jornada e suspender contrato da equipe

Como gerir os estoques com o comércio fechado? 

E se a empresa deixar de recolher impostos na crise?

Lojistas de shopping podem renegociar contratos na crise

Funcionário em home-office deve receber vale-refeição?

ACSP faz uma radiografia da situação do comércio em meio à pandemia

Redes agem para ajudar franqueados a ultrapassar crise

Passo a passo para montar uma loja virtual

Coronavírus: saiba o que mudou nas legislações trabalhista e tributária

Como equilibrar as finanças durante a crise do coronavírus

Cuidados para evitar que a empresa seja saqueada na quarentena

Carrefour vai na contramão da crise e abre 5 mil vagas

Representante da São Paulo que nunca dorme, bar Estadão teve de fechar 

Em tempos de coronavírus, o negócio é vender à distância

Apps de delivery se mobilizam em prol dos pequenos negócios

Aluguel comercial atrasado: quais os riscos e como proceder?

Medida do governo simplifica legislação trabalhista 

Serviço de delivery: qual modelo utilizar?

Coronavírus: entenda os critérios para antecipar férias e reduzir jornada da equipe

Guia orienta bares e restaurantes a lidarem com o coronavírus

Coronavírus: cuidado com as finanças para não se perder na crise

Governo prorroga prazo para pagamento do Simples Nacional

Pequenos empresários podem prorrogar pagamento de dívidas

No Brás e no Bom Retiro, vendas caem pela metade em dois dias

Coronavírus já deixa restaurantes de shoppings vazios 

Coronavírus muda hábitos de consumo pelo mundo

5 dicas para o pequeno empresário enfrentar a crise do coronavírus

Guedes anuncia R$ 147 bilhões para reduzir efeitos do coronavírus  

IMAGEM: Thinkstock