O Banco Central e o dólar

Manter as reservas não impediu que o câmbio desvalorizasse de forma acentuada esse ano. Caso não haja indícios de que se está no caminho certo do ajuste, o uso das reservas se tornará uma necessidade

Roberto Fendt
25/Set/2015
  • btn-whatsapp

Pressionado pela alta continuada do dólar, o Banco Central decidiu atuar para pôr um freio na escalada da moeda. Em discurso, o presidente do banco avisou que poderá utilizar as reservas cambiais no futuro para conter o câmbio, advertindo também que os juros se manterão estáveis daqui para a frente. A forte queda na taxa cambial parece indicar que o aviso surtiu efeito. A questão é saber se e por quanto tempo o Banco Central poderá administrar o câmbio.

Quem souber com precisão a resposta a essa indagação poderá ficar rico. Mas se não podemos antecipar o que vai ocorrer nos mercados no futuro próximo, menos podemos prever qual o curso da taxa de câmbio à frente. O que podemos fazer é examinar com atenção outros momentos em que foi forte a pressão pela valorização da moeda estrangeira e procurar tirar dessa experiência algum ensinamento para o caso atual.

A experiência, tanto brasileira como de outros países, não assegura que ameaçar empregar as reservas cambiais tenha um efeito significativo no mercado. O dólar valorizou-se contra o real em torno de 60% nos últimos 12 meses, quando a posição de reservas do país era essencialmente a mesma de que se desfruta hoje.

Diferentemente de outros episódios do passado, o regime cambial brasileiro é de taxa flutuante. Isso significa simplesmente que sempre que a demanda por divisas excede a oferta no mercado, o câmbio desvaloriza, mantendo-se as reservas inalteradas. Enquanto o Banco Central não interferir no mercado cambial fica afastada a possibilidade de uma crise externa.

A questão não é tão simples porque o Banco Central tem outros objetivos, além de preocupar-se com a taxa de câmbio. Sua principal missão é manter a inflação sob controle, aceitando-se hoje que, em base anual, ela se situe entre 2,5 e 6,5 pontos percentuais.

O rápido aumento da taxa de câmbio eventualmente desaguará em mais inflação. Quanto, é difícil dizer. Um grande número de bens é afetado pela desvalorização, tanto bens de consumo, como de investimento e partes e peças de outros bens.

Se a economia não estivesse em recessão essa passagem do câmbio para os preços internos já estaria sendo sentida de forma generalizada. Ainda que nem toda a desvalorização se transforme em alta dos preços internos, alguma transformação ocorrerá. É possível que o BC tenha passado a se preocupar mais com a inflação agora que anteriormente.

Havia uma boa razão para não gastar as reservas cambiais. O Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, deve aumentar a sua taxa básica de juros ainda esse ano. A economia norte-americana já dá provas de aquecimento; do aquecimento para a volta da inflação é questão apenas de tempo.

A manutenção das reservas é uma rede de segurança diante de dois desafios que a economia brasileira terá pela frente: o primeiro, já apontado, é a elevação da taxa de juros nos Estados Unidos. Esse aumento tornará as aplicações lá mais atrativas, reduzindo os fluxos de recursos para os países emergentes em geral e para o Brasil, em particular.

O segundo desafio é dar início ao ajuste fiscal. Na raiz mesmo da volatilidade do câmbio está o déficit das contas públicas. Esse persistente déficit produz um aumento da dívida pública para seu financiamento, piorando indicadores como a relação dívida/PIB.

A dificuldade do Executivo de apresentar um plano crível de ajuste só faz piorar a situação. A essa enorme insegurança com relação à trajetória futura da economia adiciona-se o agravamento da crise política.

Tem razão o senhor presidente do Banco Central ao afirmar que as reservas são como um seguro contra a excessiva volatilidade do câmbio. Mantê-las tem elevado custo, já que a taxa que remunera a sua aplicação é muito inferior ao custo de adquiri-las. De fato, as reservas foram adquiridas com a emissão de dívida pública, que remunera hoje os seus tomadores a uma taxa de 14,25% ao ano.

Simplesmente mantê-las não impediu que o câmbio desvalorizasse de forma acentuada esse ano. Caso não haja pelo menos indícios de que se está no caminho certo do ajuste o uso das reservas se tornará uma necessidade. 

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas