Equívoco fiscal

Vamos tratar de facilitar a vida de quem trabalha, produz e paga impostos. Os governos só terão a ganhar com a simplificação

Aristóteles Drummond
18/Dez/2018
  • btn-whatsapp
Equívoco fiscal

 

O Brasil assusta pela carga fiscal. Muitos impostos e as mais diversas interpretações, que entopem o Judiciário. Parece um conluio de advogados, contabilistas e da própria Receita Federal para enlouquecer o cidadão, o empresário e inibir o investimento e o ganho.

Na verdade, poderíamos quase que dobrar a arrecadação, acabando eficientemente com a fraude e a sonegação. Para isso, o mundo dispõe hoje de instrumentos eficazes como a informática, melhor do que intimidação ao cidadão.

Menos impostos já aliviaria o Judiciário e simplificaria o pagamento. E alíquotas mais justas. O IR na pessoa física deveria ser cobrado a partir dos cinco ou seis mil reais e corrigido todos os anos pelo índice oficial.

Já os salários até R$ 50 mil, em 20% e apenas valores acima é que poderiam ter uma alíquota progressiva até de 30%. Acabar com a tributação sobre o ganho de capital na  venda de ações, para estimular o mercado, facilitar emissão de ações e queda do endividamento de empresas. Basta cobrar sobre dividendos.

Controles absolutamente ridículos, que normalmente nem são respeitados. O cidadão, por exemplo, pode comprar até 20 mil dólares em seu banco para viajar.

Claro que o dinheiro que está na conta é legítimo. No entanto, há uma instrução que obriga o cidadão a ir a uma sala da Receita nos aeroportos informar que está levando mais do que R$ 10 mil (US$ 3 mil). Ora, ou pode comprar e levar ou não. Basta o banco informar a Receita que vendeu divisas ao cliente tal, CPF tal.  

Todo mundo sabe que a inadimplência no setor elétrico é grande, mas os governos se negam, por uma questão de bom senso, a cobrar o ICMS sobre o recebido e não sobre o faturado.

Muitas empresas  seguram o faturamento de clientes em débito para não terem de recolher até 30% sobre uma conta não recebida. Privatizar assim é complicado.

Neste momento de bom senso, o ministro Paulo Guedes, que foi homem do mercado de capitais, deveria resolver logo, facilitando o lançamento de ações e simplificando a vida do investidor.

Este, aliás, paga imposto sobre o que tem para investir, depois paga sobre os dividendos recebidos. E pagar sobre a valorização do papel é demais. Se o papel der prejuízo, a compensação é ridícula.

Acabar com compra em dinheiro vivo de automóveis, embarcações e imóveis é outra medida simples que coíbe a sonegação. E os cartórios também devem ser proibidos de lavrarem escrituras com valores mais de 20% inferiores as do estipulado no IPTU ou IBTI do imóvel.

Vamos tratar de facilitar a vida de quem trabalha, produz e paga impostos. Os governos só terão a ganhar com a simplificação.

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas