Drama das grandes cidades

Os investimentos em túneis, mergulhões, metrô, BRTs, conjuntos habitacionais são imensos e não resolvem o caos em que se transformou a vida nas capitais, incluindo a moderna Brasília (na foto)

Aristóteles Drummond
06/Fev/2019
  • btn-whatsapp
Drama das grandes cidades

Os governos deveriam pensar em projetos de estímulo a novos empreendimentos nas cidades médias dos estados, com amplo apoio federal. Na verdade, a qualidade de vida nestas cidades já justifica como opção. Quase todas têm excelentes hospitais, estradas, proximidade de aeroportos, escolas e faculdades.

Os investimentos em túneis, mergulhões, metrô, BRTs, conjuntos habitacionais são imensos e não resolvem o caos em que se transformou a vida nas capitais, incluindo a moderna Brasília.

A capacidade de investir nas grandes obras parece esgotada. Até mesmo o Rio já não tem como melhorar a mobilidade urbana. E olha que a cidade sofreu verdadeira revolução nos últimos anos, com as obras em curso na Avenida Brasil, da chegada do metrô à Barra da Tijuca, ao Porto Maravilha, Túnel Marcelo Alencar e outras obras. Antes dos anos 1940, teve o desmonte do morro do Castelo, a abertura da Av. Presidente Vargas 

Os acessos à Barra e o alargamento da Avenida Atlântica com Negrão de Lima.

No passado, o mundo viu grandes reformas de grandes homens, desde Napoleão III, em Paris, a Roma, entre 1925 e 1940, Lisboa de Duarte Pacheco (anos 30 e 40) e Madrid dos anos 60 e 70, com seu entorno.

Nova York, cidade monumental, ficou parada no tempo e no espaço. Há mais de meio século não tem uma nova grande obra e as vias expressas de entrada dos aeroportos de La Guardia e JFK tornam a chegada ou saída um verdadeiro sacrifício. E parece que sem solução.

Temos cidades prontas para receberem pelo menos um acréscimo populacional de 20%, com vantagem para todos. Em Minas, onde BH vive sitiada, sem anel rodoviário, com trânsito caótico também nas vias provenientes do aeroporto e do centro administrativo, são muitas as cidades prontas a acolherem grandes empresas, como Juiz de Fora, Curvelo, Montes Claros, Uberaba e Uberlândia, muitas no sul do Estado. E o Rio, no Vale do Paraíba, em Três Rios e Campos. São Paulo nem se fala... São tantas as opções!

Goiás é outro exemplo, com Anápolis, e os estados de Mato Grosso, sul e norte, com bons acessos podem atrair empreendimentos voltados para o agronegócio. No Nordeste, a situação não difere muito, com cidades problemáticas, como Salvador e Recife.

Neste momento de virada, o tema mereceria ser pelo menos examinado.

FOTO: José Cruz/Agência Brasil

 

**As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio



 

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas