Na dúvida, consumidor apela ao Google antes de comprar

Estudo da Neoatlas e ABComm sobre o primeiro semestre do ano revela o comportamento do consumidor do e-commerce

Mariana Missiaggia
10/Ago/2018
  • btn-whatsapp
Na dúvida, consumidor apela ao Google antes de comprar

Buscar no Google, comprar pelo smartphone e pagar no cartão de crédito. Um levantamento recente divulgado pela Neoatlas e ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) mostra que esses hábitos são cada vez mais comuns entre os consumidores.

O estudo, que apresenta um balanço sobre o e-commerce brasileiro nos primeiros seis meses do ano, mostra que, com o aumento da penetração de smartphones, a parcela de compras feitas por dispositivos móveis cresceu de 11% para 34% em relação ao mesmo período de 2017.

No entanto, apesar do aumento expressivo do uso de smartphones para transações online, a taxa de conversão do dispositivo ainda é baixa. Nas palavras de Ricardo Rodrigues, co-fundador da Social Miner, plataforma de automação para aumentar conversões, o resultado indica uma grande margem para melhorias e adaptações da navegação ao comportamento do consumidor. 

Também foi mapeada a origem das conversões por ordem de maior influência com base nas seguintes ferramentas: Google patrocinado, Google orgânico, busca direta, outras origens, referências de terceiros, e-mail marketing, Facebook orgânico, Criteo, Facebook Patrocinado e Buscapé.

Os resultados mostram a grande dependência que os e-commerces ainda possuem no Google – em 52% dos pedidos, as transações online acontecem após uma visita ao site de busca.           

Seguindo o comportamento dos últimos anos, o cartão de crédito se manteve líder como opção de meio de pagamento, totalizando 60% dos pedidos captados, enquanto os boletos chegaram a 35%. O estudo indica que a forte cultura de parcelamento do brasileiro permite que as marcas possam trabalhar preços e promoções de maneira mais atrativa.

André Oliveira, growth marketing da Moip, startup de solução de pagamentos multicanal, diz que a taxa de aprovação para boletos deve sofrer impacto nos próximos meses por conta das novas regras estabelecidas pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Desde 2017, a entidade renova algumas regras a fim de aprimorar esse tipo de cobrança, devido ao grande número de fraudes praticadas no Brasil. Para evitar o fim desse tipo de cobrança, a Febraban criou uma série de medidas para tornar a modalidade mais segura para quem emite e para quem paga cobranças.

 

 

 

 

 

 

A análise do perfil dos compradores mostra que a participação das mulheres segue levemente maior que a dos homens, com 50,6%. E a faixa etária com maior representação nas transações online permanece sendo a de 25 a 34 anos, com 37% do total de usuários.

Outro recorte do estudo mostra as categorias com os maiores tíquetes. São elas: eletroeletrônicos (R$ 669,40), óticas (R$ 547,80) e acessórios automotivos (R$ 508,17). No total geral, o tíquete médio do ano foi de R$ 322,09 – 7% mais alto que no primeiro semestre de 2017.

Na opinião de Maurício Salvador, presidente da ABComm, embora continue avançando independente do cenário econômico turbulento, o setor sofreu grandes impactos no primeiro semestre.

Salvador aponta o aumento dos Correios em sua tabela de frete e a paralisação dos caminhoneiros que afetou a movimentação de cargas e combustíveis em todos o país, atrasando mais de seis milhões de pacotes comprados em lojas virtuais brasileiras.

Para o segundo semestre, o executivo diz acreditar na força de datas importantes, como Dia dos Pais, Crianças, Black Friday e Natal, que somadas representam mais de 25% das vendas totais do setor durante o ano todo.

A metodologia para este estudo envolve a agregação dos dados de vendas de mais de 1 mil lojas on-line de todos os portes, conectadas ao Neoatlas.

 

FOTO: Thinkstock 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas