Leis e Tributos

De perfume a vestuário, o peso dos impostos em 40 presentes para os pais


Levantamento da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) evidencia que perfume embute 79% de tributos; roupas e calçados têm mais de 30%


  Por Redação DC 10 de Agosto de 2018 às 09:10

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Quem presentear o pai com um perfume importado de R$ 170 vai desembolsar cerca de R$ 134,30 só de impostos, de acordo com levantamento da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Do levantamento constam cargas tributárias de 43 itens mais procurados para o Dia dos Pais.

Com 78,99% de tributos, o perfume importado está no topo do levantamento, seguido por vinho importado (69,73%), perfume nacional (69,13%), vodca e uísque, ambos com 67,03%.

“Nos produtos importados, além das taxas comuns (IPI, ICMS, PIS/COFINS) é acrescentado o imposto de importação. Além disso, a alta do dólar tem pressionado o preço desses produtos”, afirma Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

Roupas e sapatos, que costumam ser os preferidos no Dia dos Pais, têm mais de 30% do preço final comprometidos com tributos.

“Mesmo assim, o segmento deve ter aumento de vendas, já que o consumidor tende a aproveitar as atuais liquidações da moda Outono-Inverno”, avalia Burti.

Do ramo de vestuário e calçados, as maiores cargas são do tênis importado (58,59%) e do tênis nacional (44%). Calça jeans e sapato têm taxas de 34,67% e 36,17%, respectivamente.

Para os pais mais descolados, o boné tem carga de 35,06% e, a bermuda, 34,67% ? é a mesma carga de blazer, calça de tecido, camisa de time de futebol, camisa social, camiseta e casaco de couro. Para os pais mais formais, a gravata tem 35,48% e, o terno, 34,67%.

“Celulares e aparelhos eletrônicos podem ter boa saída. E, em função das sobras da Copa do Mundo, o consumidor pode aproveitar as promoções de TVs”, diz Burti.

Eis algumas tributações desses produtos: iPad importado (59,32%), TV (44,94%), telefone celular (39,8%), iPad nacional (37,79%) e microcomputador (33,62%).

O levantamento, encomendado pela ACSP ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), mostra que os presentes com menor tributação são aqueles ligados a alimentação, entretenimento e cultura, como refeição em restaurante (32,31%), ingresso para jogo de futebol e cinema (20,85%) e livro (15,52%). Burti explica que as taxas são menores porque não há incidência de um imposto, o IPI.

Para Burti, o atual e o futuro governo precisam fazer uma boa gestão do dinheiro público sem, no entanto, elevar  imposto. “É preciso equilibrar os gastos, mas sem resolver o problema por meio do aumento da carga tributária brasileira, que já é muito pesada. A fragilidade da economia não comporta mais aumento de imposto”.

IMAGEM: Thinkstock