Haddad x Bolsonaro: e agora, Brasil?

Com a polarização, sucessão presidencial perde as opções liberais de centro, que poderiam dar maior previsibilidade e um esqueleto mais racional à economia

João Batista Natali
20/Set/2018
  • btn-whatsapp
Haddad x Bolsonaro: e agora, Brasil?

O Datafolha confirmou na madrugada desta quinta-feira (20/9) o diagnóstico traçado na véspera pelo Ibope. Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) se enfrentarão no segundo turno presidencial.

Não haverá nesse confronto final representantes de correntes moderadas e próximas ao liberalismo de centro. As circunstâncias levaram à radicalização da sucessão turbulenta de Michel Temer.

A pergunta pertinente, a partir de agora, passa a ser, então, a seguinte: qual será o rosto político do Brasil em caso de vitória de um dos finalistas?

Será, de qualquer modo, um rosto preocupante.

Vejamos a opção Bolsonaro. A falta de coerência nas propostas de seu governo não se deve ao fato de o candidato prosseguir internado no Hospital Israelita Albert Einstein.

A incoerência já estava na semente de uma pregação baseada essencialmente em valores difusos – ordem, autoridade, armamento da população, apelo à ética militar – que foram um dos atrativos da campanha.

O outro atrativo, de mais fácil compreensão, consistiu em colocar o ex-capitão do Exército como uma espessa parede que impediria a passagem do PT.

AS GRANDES INCÓGNITAS

Mas é preciso detalhar um programa de governo que Bolsonaro sequer formalizou. O fato de as ideias correrem muito fluídas e soltas justifica a trombada desta semana com relação à política econômica.

O economista Paulo Guedes, a quem o candidato praticamente terceirizou todas as decisões nessa área, fez na terça-feira (11/9) uma palestra a um grupo reduzido de empresários, e afirmou que pretendia recriar um imposto semelhante à CPMF e reduzir, para 20%, o conjunto das atuais alíquotas do Imposto de Renda.

A notícia vazou na manhã seguinte, obrigando o candidato a tuitar, de seu leito de hospital, que não pretendia aumentar a carga tributária.

Se em algo tão fundamental como a questão tributária a campanha de Bolsonaro enfrentou tamanho tropeço, a questão consiste agora em indagar se o mesmo não ocorrerá com outros problemas essenciais de governo, como a Previdência, ensino e pesquisa, política industrial, programas sociais de inclusão ou agronegócios.

Bolsonaro transporta duas imagens contraditórias. Para seus partidários, ele é um homem bem-intencionado, capaz de produzir soluções moralmente sólidas para os problemas do país.

Para seus adversários, ele é um xucro sem muita ideia sobre a complexidade do caminho em que está entrando, e ainda com a agravante de ter um candidato a vice, capaz de atrapalhar suas relações com segmentos da sociedade (negros “indolentes”, órfãos potencialmente bandidos).

O DESASTRE DE HADDAD

Em contraste com o capitão da reserva, o candidato petista Fernando Haddad aparentemente sabe o que quer.

A questão, no entanto, é que o “querer” dele vale muito pouco, porque o que prevalece é a opinião de Lula, preso desde abril em Curitiba.

Seria um exemplo inédito na história republicana, em que um presidente da República é teleguiado pelas iniciativas e pensamentos de um tutor institucional. Não seria propriamente um chefe de Estado, mas um porta-voz, que funciona por controle-remoto.

Mas não é por isso que Haddad representa riscos. Sua ascensão nas pesquisas se deve à promessa de levar o Brasil de volta aos bons tempos do crescimento e do pleno emprego que prevaleceram entre a posse de Lula (janeiro de 2003) até a crise financeira internacional (2008).

É um roteiro de repetição impossível. É bem verdade que naquele período o então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, recebeu carta branca para manter a heterodoxia existente no governo FHC.

Ao mesmo tempo, no entanto, os bons ventos que permitiram o crescimento interno vinham de fora, da China, onde a multiplicação do PIB dependia de commodities – ferro, soja – que se valorizaram no mercado internacional, e das quais o Brasil era um grande produtor.

A China não repetirá o milagre, e a volta ao pleno emprego não depende mais dela. É uma operação demorada e difícil, para a qual a heterodoxia prevê equilíbrio fiscal, para que o país possa voltar aos investimentos públicos dos anos dourados.

É uma estratégia econômica para a qual Fernando Haddad e o PT não estão de maneira alguma preparados.

Mesmo que prevaleça um enfoque moderado na economia, em que o atual candidato presidencial consiga descartar a ala mais à esquerda de seu partido, hoje representada por Márcio Pochmann.

Sobre o relacionamento de Haddad com o mercado, é lógico que não se trata de algo impossível, por mais que a relativa racionalidade com que se movem os agentes econômicos exija bem mais que o bom-mocismo das honestas intenções.

O mercado cobrará de Haddad uma postura autocrítica com relação aos erros imensos que os governos do PT cometeram. Não adianta mais atribuir a pior de todas as recessões (2015-2017) às pautas-bomba da oposição no Congresso.

Houve uma sucessão de equívocos gravíssimos nos diagnósticos e terapias adotadas por Dilma Rousseff.

É muito cômodo afirmar, e essa é uma ilusão sobre a qual Pochmann e Haddad concordam, que o patinho feio da relação idílica do PT com a economia se chamava Joaquim Levi, o ministro da Fazenda que Dilma nomeou em 2015 para comandar o corte de gastos públicos.

Por fim, nesse pesadelo representado pela dobradinha Haddad x Bolsonaro, é preciso se indagar com que base parlamentar um ou o outro governarão.

Essa é uma história que será respondida de maneira incompleta pelos resultados das urnas em 7 de outubro, quando nem o PT e nem o PSL terão, com seus aliados próximos, bancadas o bastante numerosas para sustentarem o novo governante.

E, apesar de tudo, boa sorte, Brasil.

 

PS – Com esse texto, concluo quatro anos como editor contribuinte do Diário do Comércio.

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas