Em São Paulo, 30% da renda das famílias vai para dívidas

Estudo da FecomercioSP avalia os principais aspectos, dimensões e efeitos da política de crédito no Brasil sobre as famílias entre 2015 e 2017

Redação DC
10/Set/2018
  • btn-whatsapp
Em São Paulo, 30% da renda das famílias vai para dívidas

A oitava edição da Radiografia do Endividamento das Famílias Brasileiras, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), aponta que em geral, o nível de comprometimento da renda das famílias com as dívidas está mais controlado.

Apenas as famílias de Belo Horizonte/MG ficaram com porcentual acima do patamar considerado adequado pela FecomercioSP, de 30%. A taxa apurada na capital mineira foi de 40%, alta de 12 pontos porcentuais em relação a dezembro de 2016. São Paulo/SP e Rio de Janeiro/RJ registraram 30%; e Vitória, 21%.

RANKING

A capital do Espírito Santo, Vitória, apresentou a maior porcentagem de famílias com dívidas em atraso do País em dezembro de 2017 (49%), alta de 17 pontos porcentuais em relação ao mesmo período de 2016. A capital capixaba também registrou a maior proporção de famílias endividadas entre as capitais da região Sudeste (75%, o que representa 90.756 famílias).

O estudo avalia os principais aspectos, dimensões e efeitos da política de crédito no Brasil sobre as famílias entre 2015 e 2017, período transitório, com encerramento da crise econômica (2014/2016) e início de um processo de recuperação em meio às incertezas políticas e econômicas.

A análise foi feita com base em informações do Banco Central do Brasil, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Na capital paulista, 2,18 milhões de famílias possuíam algum tipo de dívida em dezembro de 2017, o maior número entre as capitais, o que se justifica por também abrigar a maior população do Brasil. Isso significa que 56% das famílias paulistanas estavam endividadas, alta de quatro pontos porcentuais em relação a dezembro do ano anterior e a menor proporção entre as capitais da Região Sudeste. Belo Horizonte/MG (70%) e Rio de Janeiro (63%) complementam a lista, ambas acima da média nacional, de 62%.

No quesito “valor médio mensal de dívidas por família”, duas capitais do Sudeste estão entre as cinco primeiras no ranking nacional.

A capital mineira, Belo Horizonte, é a líder com valor médio de R$ 2,7 mil; São Paulo é a quarta do País e segunda da região, com R$ 2,3 mil. Vitória/ES, com R$ 1,8 mil; e Rio de Janeiro/RJ, com R$ 1,6 mil ficaram abaixo do total das capitais, de R$ 1,9 mil.

Conforme destacado anteriormente, Vitória/ES registrou a maior proporção de famílias com contas em atraso (49%) entre todas as capitais.

No Rio de Janeiro/RJ, o porcentual de famílias inadimplentes avançou quatro pontos porcentuais ao passar de 25% em dezembro de 2016 para 29% em dezembro de 2017; e, em Belo Horizonte/MG, houve alta de um ponto porcentual, atingindo 25%, ambas muito próximas da média nacional de 26%.

No final de 2017, 20% das famílias paulistanas possuía alguma conta em atraso, alta de dois pontos porcentuais em relação a 2016.

INFLAÇÃO

De acordo com a Entidade, a forte queda da inflação entre 2016 e 2017; a recomposição na taxa de ocupação, após um período de elevação abrupta do desemprego; o aumento na massa de rendimentos dos aposentados e; consequentemente, a elevação da renda das famílias brasileiras permitiram alavancar o nível de confiança das famílias, resultando em uma maior demanda por crédito.

Tal cenário fica mais claro ao verificar que o número de famílias endividadas no conjunto das capitais caiu de 9,4milhões em dezembro de 2015 (61% do total) para 9,1 milhões em dezembro de 2016 (59%), ou seja, mais de 280 mil famílias saíram do endividamento.

Já em 2017, houve uma alta de três pontos porcentuais na parcela de famílias endividadas – de 59% para 62% -, o que significa que 9,6 milhões de famílias possuíam algum tipo de dívida em dezembro de 2017.

RANKING DA REGIÃO SUDESTE 2017 

1 – Porcentual de famílias endividadas (número absoluto)
Vitória/ES – 75% (90.756)
Belo Horizonte/MG – 70% (567.993)
Rio de Janeiro/RJ – 63% (1.411.400)
São Paulo/SP – 56% (2.177.868)
Total das capitais – Brasil: 62% (9.669.388)

2 – Parcela da renda mensal comprometida com dívidas
Belo Horizonte/MG – 40%
São Paulo/SP – 30%
Rio de Janeiro/RJ – 30%
Vitória/ES – 21%
Total das capitais – Brasil: 30%

3 – Valor médio mensal de dívidas por família
Belo Horizonte/MG – R$ 2.766
São Paulo/SP –R$ 2.358
Vitória/ES – R$ 1.827
Rio de Janeiro/RJ – R$ 1.669
Total das capitais – Brasil: R$ 1.935

4 – Porcentual de famílias com dívida em atraso
Vitória/ES – 49%
Rio de Janeiro/RJ – 29%
Belo Horizonte/MG – 25%
São Paulo/SP – 20%
Total das capitais – Brasil: 26%

5 – Variáveis de crédito
Número de Famílias
São Paulo/SP – 3.866.701
Rio de Janeiro/RJ – 2.229.013
Belo Horizonte/MG – 813.177
Vitória/ES – 121.244
Total das capitais - Brasil: 15.494.082

Renda média
Vitória/ES – R$ 8.768
São Paulo/SP – R$ 7.972
Belo Horizonte/MG – R$ 6.985
Rio de Janeiro/RJ – R$ 5.527
Média das capitais - Brasil: R$ 6.424

Massa de rendimentos – Em R$ mil
São Paulo/SP – R$ 30.827.106
Rio de Janeiro/RJ – R$ 12.320.443
Belo Horizonte/MG – R$ 5.680.228
Vitória/ES – R$ 1.063.045
Total das capitais - Brasil: R$ 99.531.374

Participação da massa de rendimentos no total Brasil (36,1%)
São Paulo/SP – 11,1%
Rio de Janeiro/RJ – 4,4%
Belo Horizonte/MG – 2,0%
Vitória/ES – 0,4%
Total das capitais – Brasil: 35,8%

FOTO: Thinkstock

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas