Crise dos fertilizantes: o fornecedor quebrou o contrato. E agora?

Disparada nos preços desses insumos, potencializada pelo conflito entre Rússia e Ucrânia, já afeta produtores - em especial os pequenos. Veja dicas de especialistas em Direito Agrário para evitar maiores problemas

Karina Lignelli
06/Abr/2022
  • btn-whatsapp
Crise dos fertilizantes: o fornecedor quebrou o contrato. E agora?

A crise no abastecimento de fertilizantes já afeta seriamente empresas do agronegócio e produtores rurais, em especial os pequenos, com o descumprimento contratual por parte dos fornecedores desses insumos. 

O alerta é do escritório Bueno, Mesquita & Advogados, especializado em Direito Agrário, onde os advogados já preparam notificações extrajudiciais exigindo o cumprimento de acordos superiores a R$ 2 milhões. 

Desde o ano passado, o preço dos fertilizantes já vinha sofrendo grandes alterações devido à disparada do dólar. O início do conflito armado entre Rússia e Ucrânia, em fevereiro último, levou a situação a sair do controle, já que o fornecimento foi interrompido, afetando a alta dependência do Brasil - de cerca de 85% - de insumos desses países.

Só em 2021, 23% da produção russa foi importada por produtores brasileiros, segundo dados do Comex Stat (sistema de consulta de dados relativos ao comércio exterior brasileiro ligado ao Siscomex). 

Nesse cenário, a alta nos preços já ultrapassou 200% desde o início de 2022, pela estimativa dos analistas jurídicos do escritório. Com isso, fornecedores que fecharam contratos com preço antigo se recusam a fazer a entrega já que, para eles, é mais vantajoso repassar os insumos a quem compra agora, para poderem praticar os valores já reajustados.

Essa "manobra" é que leva ao descumprimento dos contratos antigos, afetando o lado mais fraco dessa equação: os pequenos produtores, segundo o advogado Francisco de Godoy Bueno, sócio fundador do escritório.  

As grandes empresas do setor conseguem, na maioria das vezes, ter um relacionamento mais estreito e direto com os fornecedores, e são menos suscetíveis a sofrerem com a quebra contatos de longo prazo, explica.

"Já o pequeno, quando não atua em uma cooperativa, por exemplo, acaba lidando com distribuidores muito menores, menos preparados para as oscilações de mercado, e se sente pressionado a negociar em condições desvantajosas."  

PROBLEMA SISTÊMICO

É prática no agronegócio que o produtor rural adquira os insumos para a próxima safra com antecedência, como no primeiro semestre de 2022, para plantar nos meses de setembro, outubro e novembro, segundo os especialistas do Bueno, Mesquita & Advogados. 

Porém, a quebra dos contratos vem obrigando os agricultores a buscar alternativas emergenciais para a produção, como consultoria agronômica para fazer uso racional de fertilizantes, usando reserva de solo. 

Na safra de 2021, por exemplo, a soja começou a ser plantada com o preço de R$ 80 a saca. No final desse período, já chegava a R$ 160. "Houve grande pressão das tradings e das revendedoras de produtos, que se movimentaram para não entregar pelo valor contratado devido à grande mudança que aconteceu no mercado", lembra Francisco Bueno.

O prejuízo ficou com o produtor: quem fez planejamento de longo prazo e conseguiu travar custos mais baixos, acabou sendo forçado a renegociar contratos de entrega futura com a alta excessiva nos preços de fertilizantes e defensivos.

Mesmo assim, o advogado destaca a importância dos contratos de longo prazo pois, além de darem previsibilidade e serem usados estrategicamente para ancorar custos, estimulam compradores na ponta a buscarem mecanismos de proteção. "Se houvessem políticas públicas para dar mais segurança em tempos de calamidade, não se descumpririam contratos." 

Mas não para por aí. Bueno lembra que a quebra de contrato pode afetar os dois lados. Primeiro, os produtores, que fazem compras antecipadas para travar preços e equilibrar custos. E segundo, os distribuidores, que terão dificuldade em repor seus estoques - o que pode gerar quebradeira no setor. "É um problema sistêmico", reforça. 

A seguir, confira as orientações dos especialistas para minimizar os efeitos dessas práticas abusivas: 

CUIDADOS AO ELEGER FORNECEDORES - Além de fazer uma escolha minuciosa do fornecedor de insumos, prospectando empresas sérias, sólidas e com tempo significativo de atuação no ramo, é preciso elaborar um contrato bem estruturado, com previsões claras, que protejam ambas as partes e incluam obrigações e penalidades por descumprimento, orienta o escritório.  

NÃO ADIANTE NENHUM VALOR - Com a disparada dos preços dos fertilizantes e a eventual quebra de contratos por parte de fornecedores, o escritório explica que produtores e empresas do setor têm preferido firmar contratos em dólar para se proteger da volatilidade do câmbio.

Mas alerta: não adiante valores, fixando o pagamento para a data de entrega do insumo. Um contrato obriga a parte a cumprir o que foi previsto, independentemente da antecipação do pagamento. Portanto, melhor esperar a operação ser concluída, orienta Francisco Bueno.

"Quem adianta dinheiro fica desprotegido em caso de oscilação econômica - principalmente em um momento como agora, em que o risco de contraparte é real."

ESTOQUE COM SEGURANÇA - Caso o produtor tenha adquirido o fertilizante a preço justo, o escritório recomenda estocar o insumo com segurança. Para isso, entretanto, é importante que a propriedade disponha de uma infraestrutura adequada para armazenamento.

Além de redobrar a atenção contra furtos e roubos, já que esses produtos têm sido alvo de criminosos devido ao preço elevado, eles também exigem proteção contra umidade no armazenamento para evitar perdas. 

Mesmo em cargas pequenas, defensivos e fertilizantes valem milhões de reais, e são alvos fáceis de receptadores, que se livram dos produtos simplesmente jogando-os na lavoura, sem deixar pistas do crime. A prática afeta inclusive os distribuidores. "É um risco de contraparte muito alto, e ter um seguro é um fator de extrema importância."

PESQUISE OS MOTIVOS - A primeira providência, em caso de quebra de contrato, é fazer uma pesquisa aprofundada sobre o motivo dessa quebra e partir para a mediação para garantir o seu cumprimento, explica Bueno.

A ideia é descobrir se a quebra foi provocada por insolvência da empresa, eventuais roubos ou por arbitragem de preços, mesmo. "É importante não tolerar o descumprimento por oportunismo: afinal, essa construção das estratégias empresariais de longo prazo na agricultura brasileira foi essencial para o setor chegar ao patamar atual."

JUDICIALIZAÇÃO E ARRESTO - Apelar para o Judiciário, como os clientes do Bueno, Mesquita & Advogados estão fazendo, são casos extremos, quando se descobre que, definitivamente, o cumprimento do contrato está em risco. 

Nesse caso, se não houve sucesso na renegociação entre as partes e nem na mediação, é momento de buscar medidas cabíveis, segundo o advogado. "Se for constatado que esse fornecedor vai receber a carga e privilegiar contratos novos em detrimento dos antigos, cabe liminar acautelatória para fazer o arresto do seu estoque", orienta. 

FOTO: Governo Federal

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas