Com ajuda do 'esquenta', Black Friday 2020 cresce 30,1%

Novo comportamento do consumidor e das empresas na pandemia levou o e-commerce a faturar R$ 6 bi entre os dias 19 e 27 de novembro, segundo levantamento da Ebit|Nielsen

Redação DC
30/Nov/2020
  • btn-whatsapp
Com ajuda do 'esquenta', Black Friday 2020 cresce 30,1%

Com um novo comportamento tanto do consumidor quanto das empresas, o 'esquenta' para a Black Friday foi o que ganhou relevência na ação promocional deste ano, segundo a avaliação da Ebit|Nielsen.  

Para se ter uma ideia do desempenho do período, entre 19 a 27 de novembro o faturamento foi de R$ 6 bilhões -  30,1% a mais que o de 2019, quando o valor registrado foi de R$ 4,6 bilhões. Nesses dias, incluindo o esquenta, foram gerados 10,63 milhões de pedidos, quase 20% superior a 2019.  

LEIA MAIS:  Black Friday: Procon-SP autua lojas por erros na informação de preços

"O e-commerce e as pessoas utilizaram todo o mês de novembro para encontrar bons preços e fechar bons negócios", diz Julia Avila, líder da Ebit|Nielsen. "Isso mostra que essa é uma forte tendência para os próximos anos." 

Os dois dias da Black Friday em si (que começou na noite de quinta e terminou na madrugada de sábado) fecharam com vendas totais de R$ 4,02 bilhões no e-commerce, um crescimento de 25,1% em relação ao ano passado, segundo o levantamento. 

Foram mais de seis milhões de pedidos gerados - uma alta de 15,5% ante 2019, e um valor médio de R$ 652, 8,3% maior do que o período anterior. 

Apenas na sexta-feira (27/11), o faturamento ficou em R$ 3,1 bilhões (24,8%), impulsionado por 4,6 milhões de pedidos (15,7%) e ticket médio de R$ 679 (7,8%) - todas as comparações com o mesmo dia do ano passado. 

"A pandemia fez os consumidores terem um comportamento diferente. As compras ficaram diluídas e o comércio eletrônico soube aproveitar o momento e fisgá-los com descontos, oportunidades e atratividades", afirma Julia.   

Na avaliação da Ebit|Nielsen, vendas concentradas apenas em um ou dois dias fazem o varejo perder dinamismo, pois é preciso mobilizar mais infraestrutura e funcionários em um período curto de tempo.

"Com períodos maiores, o comércio se torna mais rentável e pode repassar melhores descontos nos preços. Todos lucram no fim do dia", destaca. 

FOTO: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas