'Clique & retire' já é opção para 20% dos consumidores

Avanço da modalidade puxado pelo desejo de entrega rápida, segundo pesquisa, também beneficia varejistas, como o Magazine Luiza (acima), uma vez que pode representar 5% a mais nos lucros

Karina Lignelli
25/Set/2018
  • btn-whatsapp
'Clique & retire' já é opção para 20% dos consumidores

Há três anos, os clientes do Magazine Luiza têm a opção de comprar produtos pelo site da rede e retirar na loja em dois dias. Bem-sucedida, a previsão é que a modalidade “Clica & retira” (do inglês click-and-collect), terá o tempo de retirada reduzido para 24 horas até o fim de 2018.

Hoje, em São Paulo, o prazo de entrega de itens pequenos já é, na maioria dos casos, de menos de 24 horas. Mas a estratégia não para por aí: planejando os próximos passos, em agosto passado a varejista testou, por um dia, o sistema de entrega em apenas duas horas em 61 lojas no Brasil.

LEIA MAIS:  O consumidor já é digital. Sua loja está preparada?

Apesar de a maioria dos consumidores que compra pela internet ainda receber as compras em casa, 20% optam por retirar produtos nos Correios ou lojas físicas. Em certas categorias -como livros, games, celulares e vestuário -, ou em cidades específicas, a modalidade já bate nos 50%.

A conclusão é do estudo “Click-and-collect: a visão dos varejistas e do shopper sobre a tendência do clique e retire”, elaborado pela MindMiners em parceria com a Shopper Vista e conduzida em maio passado com mil entrevistados em todo o Brasil.

Consolidada nos Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido e Japão, nesses países o clique e retire responde por 51% das operações online. 

Por aqui, virou tendência principalmente pela necessidade de lidar com o abandono de carrinho das transações online, geralmente em razão dos altos custos de frete – motivo de desistência da compra para 81% dos consumidores, segundo a pesquisa.

“(O canal online) É um segmento que ainda não é rentável, e refém de estímulos criados anteriormente para promovê-los, como é o caso do frete grátis”, diz Danielle Almeida, diretora de marketing da MindMiners, lembrando que o clique e retire resolve outros problemas que envolvem a compra online, como a necessidade de ter pessoas em casa para recebê-la.

E a modalidade ganha cada vez mais força, por vários motivos. Para 42% de consumidores que têm hábito de compra mensal, 39% responderam que comprar online é mais barato.

LEIA MAIS:  7 verdades do marketing que você deve esquecer

O desejo por entrega rápida e o alto custo do frete também puxam o avanço – tanto que os prazos para retirada já agradam 59% deles. Já outros 92% afirmaram que comprariam mais se o frete fosse mais baixo.

Com a projeção de que o Brasil terá 60,4 milhões de compradores digitais até 2022 (dados da consultoria global eMarketer), uma alta de 34,8% ante 2018, a expectativa é que tendência se consolide juntamente com o crescimento do e-commerce, sinaliza a executiva da MindMiners.

“O clique e retire leva o consumidor para a loja”, afirma. “Isso significa que, se bem preparadas, as varejistas poderão aproveitar essa oportunidade para vender mais.”

BENEFÍCIOS x DESAFIOS 

Outros dados apurados pela pesquisa da MindMiners quanto aos hábitos de compra online mostram que 44% dos consumidores optam pelo clique e retire para não pagar frete.

Já entre os 31% que não optam, o motivo é a falta de opção na loja. Daí a oportunidade para o varejo.

 

Os números dão pistas disso: o levantamento apurou que esses 20% da modalidade já ajudam a aumentar

em 5% o lucro das empresas que oferecem a opção. Isso porque 25% das pessoas que vão à loja acabam comprando outros produtos no momento da retirada

Ou seja, o aumento no fluxo ajuda a criar vendas adicionais – uma espécie de empurrão na venda, com potencial para minimizar a queda de fluxo nas lojas físicas, que devem se tornar minicentros de distribuição, segundo alguns insights da pesquisa da MindMiners.

O Magazine Luiza, onde 20% do total das compras do site são retiradas na loja, já está preparando suas unidades para isso. Segundo a varejista, seus 856 pontos de venda já estão sendo reformuladas para que 30% do espaço seja destinado ao estoque.

Esse é o processo que será finalizado em 2018. “A ideia é que mais pessoas possam retirar itens na loja”, informou.

Lockers, hotéis, lavandeiras, postos de gasolina, transportadoras e varejos de bairro, são opções de parceiros dos lojistas para retiradas de produtos comprados na modalidade.

Assim como a indústria: segundo a pesquisa, fabricantes como a Whirpool -dona das marcas Brastemp e Cônsul -têm menos de 20% de seu portfólio disponível em lojas, que se tornam ponto de retirada de compras online.

Mas, como todo processo de consolidação, o clique e retire ainda enfrenta alguns desafios segundo Danielle Almeida. Não apenas as pequenas, como também as grandes empresas enfrentam dificuldades para implementar a modalidade.

As dificuldades logísticas e a necessidade de ter pontos fisicos em diversos locais são alguns exemplos. Outro ponto é a própria integração de sistemas. "Há varejistas que possuem sistemas independentes para vendas online e em loja física”, afirma. “Integrar esses dois mundos é que fará o clique e retire se tornar uma realidade”, finaliza.

FOTO: Divulgação/Magazine Luiza 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas