Bons exemplos na Fazenda

Otavio Gouvêa de Bulhões, Roberto Campos, Delfim Netto, Mário Henrique Simonsen, Pedro Malan...

Aristóteles Drummond
25/Nov/2015
  • btn-whatsapp

O Ministério da Fazenda sempre foi respeitado pelos diferentes presidentes. Getulio Vargas deu o exemplo, mantendo por quase 15 anos Artur de Sousa Costa. Este, aliás, foi um brasileiro tão exemplar que o presidente Médici criou por decreto uma pensão para sua viúva, então em dificuldades.

Teve na pasta,por duas vezes. o estadista de sua maior confiança, que foi Oswaldo Aranha. Café Filho contou com o Príncipe de nossos economistas, Eugênio Gudin. JK teve o melhor em pessoas de sua absoluta confiança como José Maria Alkmin e Lucas Lopes. Jango (até ele!) teve Carvalho Pinto, Santhiago Dantas, Walter Moreira Salles. 

A revolução então teve consagrados nomes da economia, como Otavio Gouvêa de Bulhões,Roberto Campos, Delfim Netto, Ernane Galveas, Mário Henrique Simonsen.

O presidente Sarney herdou um bom nome em Francisco Dornelles e fechou seu governo com outro respeitado, Mailson da Nóbrega, mas viu a inflação estourar nas aventuras tucanas e irresponsáveis de Dilson Funaro e Bresser Pereira. Collor corrigiu a leviandade da sra. Chico Anysio com Marcílio Marques Moreira, no último Ministério.

E Itamar foi buscar dois talentos: Eliseu Resende e Fernando Henrique, para o seu plano de estabilização, o Real, que a a canalhice política tenta ocultar ter sido ele o criador.

Os anos PT foram equivocados, apesar da excelente cabeça de Antônio Palocci, que, por duas vezes, perdeu a cadeira por motivos outros – infelizmente para o país. O Sr. Mantega se mostrou um fraco e, finalmente, chegamos à pragmática escolha de Joaquim Levy . 

No entanto, nesta semana de lançamento do livro de FHC sobre seus primeiros anos, é justo se lembrar da felicidade com que contou na Fazenda com o exemplar Pedro Malan, homem correto, estudioso, sereno, austero, sem nenhuma afetação.

Cumpriu com zelo a missão, enfrentando, inclusive, restrições por parte de incorrigível marxista que é o Sr. José Serra. Malan não é figura fácil na mídia; é discreto, voltado a participar de alguns conselhos e de fazer o que mais gosta, que é dar aulas.

Esse petropolitano, de minha geração, merece ser lembrado como referência altamente positiva, prova de que o Brasil dispõe de reservas éticas, morais e cívicas de que pode se valer, em caso de necessidade.

Diria até que Pedro Malan, por tudo que foi e é, seria um presidente da República para unir e salvar nosso país, se todos quisessem fazer dele uma grande nação, como observou Tiradentes.

Uma reserva de fato e de direito, que os estados também possuem, como no caso mineiro na figura do ex-senador, vice-governador e ministro Arlindo Porto.

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas