A emigração está piorando a situação de Portugal?

Com sua longa tradição de emigração, Portugal talvez se torne mais vulnerável do que a maioria dos países europeus

Paul Krugman
21/Dez/2015
  • btn-whatsapp
A emigração está piorando a situação de Portugal?

Estive em Portugal na última semana participando de um congresso em memória do economista José da Silva Lopes e aproveitei para me inteirar dos tempos terríveis que o país atravessou recentemente. O que me chamou especialmente a atenção foi a mobilidade da mão de obra (veja o gráfico).

 

 

Achávamos que a alta mobilidade da mão de obra fosse uma coisa boa nas uniões monetárias, porque permitiria às economias dos países de moeda comum se ajustarem aos choques assimétricos ? crescimento em alguns lugares e crise em outros ? deslocando os trabalhadores de um local para outro sem ter de reduzir salários nas regiões em atraso. 

Mas, e a base de incidência tributária? Se os tempos ruins fazem com que os trabalhadores deixem um determinado país em grandes contingentes, quem se encarregará do serviço de sua dívida e cuidará dos seus aposentados?

É sem dúvida fácil de ver, conceitualmente, como um país poderia acabar entrando em uma espiral demográfica fatídica. Tome-se inicialmente um nível de endividamento elevado.

Se a força de trabalho encolhe por causa da emigração, o serviço daquela dívida exigirá que se aumentem os impostos dos que ficarem, o que poderia levar a um volume maior de emigração etc.

Qual a possibilidade real de que isso aconteça? Isso depende, obviamente, da existência de um endividamento em grau suficientemente elevado e de outras despesas compulsórias.

Mas depende também da elasticidade da população economicamente ativa em relação ao endividamento, o que, por sua vez, depende do contexto econômico ? existe uma forte tendência de queda na demanda de mão de obra ou ela é altamente elástica? ? e de fatores como a disposição do trabalhador de se mudar, algo que tem a ver com a cultura e com o idioma. 

Portugal, com sua longa tradição de emigração, talvez se torne mais vulnerável do que a maioria dos países europeus, mas não sei se a coisa realmente se dará nesse segmento.

É de se perguntar se a união monetária faz alguma diferença aqui. Choques adversos não podem levar à emigração e a uma espiral de morte, não importa qual seja o regime cambial? Sim, mas com uma taxa de câmbio flexível, os choques adversos levarão à depreciação da moeda e à queda nos salários reais.

Num regime de união monetária, eles produzirão desemprego durante um bom tempo, ou até que o processo de trituração da desvalorização interna restaure a competitividade. Tudo o que eu disse indica que a migração é muito mais sensível ao desemprego do que aos diferenciais de salários.

Agora, é verdade que a emigração em uma economia com desemprego em massa não reduz imediatamente a base de incidência tributária, uma vez que o trabalhador marginal não teria sido empregado de qualquer modo. No entanto, ela prepara o cenário para a deterioração a longo prazo.

Apesar disso, Lisboa continua encantadora ? e parece estar, merecidamente, atraindo muitos turistas, o que certamente deve ajudar a economia.  
   

Paul Krugman - 18/12/2015

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas