Finanças

Em São Paulo, 30% da renda das famílias vai para dívidas


Estudo da FecomercioSP avalia os principais aspectos, dimensões e efeitos da política de crédito no Brasil sobre as famílias entre 2015 e 2017


  Por Redação DC 10 de Setembro de 2018 às 13:35

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


A oitava edição da Radiografia do Endividamento das Famílias Brasileiras, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), aponta que em geral, o nível de comprometimento da renda das famílias com as dívidas está mais controlado.

Apenas as famílias de Belo Horizonte/MG ficaram com porcentual acima do patamar considerado adequado pela FecomercioSP, de 30%. A taxa apurada na capital mineira foi de 40%, alta de 12 pontos porcentuais em relação a dezembro de 2016. São Paulo/SP e Rio de Janeiro/RJ registraram 30%; e Vitória, 21%.

RANKING

A capital do Espírito Santo, Vitória, apresentou a maior porcentagem de famílias com dívidas em atraso do País em dezembro de 2017 (49%), alta de 17 pontos porcentuais em relação ao mesmo período de 2016. A capital capixaba também registrou a maior proporção de famílias endividadas entre as capitais da região Sudeste (75%, o que representa 90.756 famílias).

O estudo avalia os principais aspectos, dimensões e efeitos da política de crédito no Brasil sobre as famílias entre 2015 e 2017, período transitório, com encerramento da crise econômica (2014/2016) e início de um processo de recuperação em meio às incertezas políticas e econômicas.

A análise foi feita com base em informações do Banco Central do Brasil, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Na capital paulista, 2,18 milhões de famílias possuíam algum tipo de dívida em dezembro de 2017, o maior número entre as capitais, o que se justifica por também abrigar a maior população do Brasil. Isso significa que 56% das famílias paulistanas estavam endividadas, alta de quatro pontos porcentuais em relação a dezembro do ano anterior e a menor proporção entre as capitais da Região Sudeste. Belo Horizonte/MG (70%) e Rio de Janeiro (63%) complementam a lista, ambas acima da média nacional, de 62%.

No quesito “valor médio mensal de dívidas por família”, duas capitais do Sudeste estão entre as cinco primeiras no ranking nacional.

A capital mineira, Belo Horizonte, é a líder com valor médio de R$ 2,7 mil; São Paulo é a quarta do País e segunda da região, com R$ 2,3 mil. Vitória/ES, com R$ 1,8 mil; e Rio de Janeiro/RJ, com R$ 1,6 mil ficaram abaixo do total das capitais, de R$ 1,9 mil.

Conforme destacado anteriormente, Vitória/ES registrou a maior proporção de famílias com contas em atraso (49%) entre todas as capitais.

No Rio de Janeiro/RJ, o porcentual de famílias inadimplentes avançou quatro pontos porcentuais ao passar de 25% em dezembro de 2016 para 29% em dezembro de 2017; e, em Belo Horizonte/MG, houve alta de um ponto porcentual, atingindo 25%, ambas muito próximas da média nacional de 26%.

No final de 2017, 20% das famílias paulistanas possuía alguma conta em atraso, alta de dois pontos porcentuais em relação a 2016.

INFLAÇÃO

De acordo com a Entidade, a forte queda da inflação entre 2016 e 2017; a recomposição na taxa de ocupação, após um período de elevação abrupta do desemprego; o aumento na massa de rendimentos dos aposentados e; consequentemente, a elevação da renda das famílias brasileiras permitiram alavancar o nível de confiança das famílias, resultando em uma maior demanda por crédito.

Tal cenário fica mais claro ao verificar que o número de famílias endividadas no conjunto das capitais caiu de 9,4milhões em dezembro de 2015 (61% do total) para 9,1 milhões em dezembro de 2016 (59%), ou seja, mais de 280 mil famílias saíram do endividamento.

Já em 2017, houve uma alta de três pontos porcentuais na parcela de famílias endividadas – de 59% para 62% -, o que significa que 9,6 milhões de famílias possuíam algum tipo de dívida em dezembro de 2017.

RANKING DA REGIÃO SUDESTE 2017 

1 – Porcentual de famílias endividadas (número absoluto)
Vitória/ES – 75% (90.756)
Belo Horizonte/MG – 70% (567.993)
Rio de Janeiro/RJ – 63% (1.411.400)
São Paulo/SP – 56% (2.177.868)
Total das capitais – Brasil: 62% (9.669.388)

2 – Parcela da renda mensal comprometida com dívidas
Belo Horizonte/MG – 40%
São Paulo/SP – 30%
Rio de Janeiro/RJ – 30%
Vitória/ES – 21%
Total das capitais – Brasil: 30%

3 – Valor médio mensal de dívidas por família
Belo Horizonte/MG – R$ 2.766
São Paulo/SP –R$ 2.358
Vitória/ES – R$ 1.827
Rio de Janeiro/RJ – R$ 1.669
Total das capitais – Brasil: R$ 1.935

4 – Porcentual de famílias com dívida em atraso
Vitória/ES – 49%
Rio de Janeiro/RJ – 29%
Belo Horizonte/MG – 25%
São Paulo/SP – 20%
Total das capitais – Brasil: 26%

5 – Variáveis de crédito
Número de Famílias
São Paulo/SP – 3.866.701
Rio de Janeiro/RJ – 2.229.013
Belo Horizonte/MG – 813.177
Vitória/ES – 121.244
Total das capitais - Brasil: 15.494.082

Renda média
Vitória/ES – R$ 8.768
São Paulo/SP – R$ 7.972
Belo Horizonte/MG – R$ 6.985
Rio de Janeiro/RJ – R$ 5.527
Média das capitais - Brasil: R$ 6.424

Massa de rendimentos – Em R$ mil
São Paulo/SP – R$ 30.827.106
Rio de Janeiro/RJ – R$ 12.320.443
Belo Horizonte/MG – R$ 5.680.228
Vitória/ES – R$ 1.063.045
Total das capitais - Brasil: R$ 99.531.374

Participação da massa de rendimentos no total Brasil (36,1%)
São Paulo/SP – 11,1%
Rio de Janeiro/RJ – 4,4%
Belo Horizonte/MG – 2,0%
Vitória/ES – 0,4%
Total das capitais – Brasil: 35,8%

FOTO: Thinkstock