Vendas para o Dia das Crianças devem crescer 1,5%

Se confirmar, o crescimento será cerca de um ponto porcentual menor que o de 2017, de acordo com a CNC. O resultado é importante, pois as vendas do Dia da Criança são uma prévia do Natal

Estadão Conteúdo
05/Out/2018
  • btn-whatsapp
Vendas para o Dia das Crianças devem crescer 1,5%

Apesar de a inflação dos preços de produtos e serviços mais consumidos no Dia da Criança estar no menor nível em 17 anos, o crescimento de vendas esperado para a data em 2018 é pequeno e abaixo do alcançado no ano passado.

A Confederação Nacional do Comércio (CNC) calcula que o comércio varejista brasileiro deverá movimentar R$ 7,4 bilhões neste Dia da Criança, com um avanço real de apenas 1,5% em relação à receita obtida na mesma data em 2017.

Se a previsão se confirmar, o crescimento será cerca de um ponto percentual menor que o de 2017. O resultado é importante pois as vendas do Dia da Criança são uma prévia do Natal, que concentra a maior parte do faturamento do varejo nacional.

"Mesmo com menor variação de preços dos itens associados à data comemorativa em 17 anos, a aversão ao endividamento por parte das famílias deve reduzir o ritmo de crescimento de vendas", diz o economista-chefe da CNC, Fabio Bentes, responsável pela projeção.

Para fazer o estudo, ele considerou a evolução dos preços de 11 produtos e serviços mais vendidos na data, como brinquedos, roupas, doces, entretenimento, entre outros, e concluiu que, em 12 meses até setembro, o valor dessa cesta aumentou 2,4%. Foi a menor variação de preços da cesta desde 2001, que havia sido de 4,3%.

Na avaliação do economista, nem inflação menor nem taxa de juros mais baixa serão capazes de puxar para cima as vendas de forma vigorosa porque o desemprego em nível elevado é um inibidor das compras financiadas. E as compras a prazo respondem pela maior fatia do faturamento do varejo.

Outro fator que tirou o vigor do crescimento da economia, especialmente do comércio neste ano, foi a greve dos caminhoneiros. Até abril, as vendas do varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, cresciam na faixa de 8% em relação ao mesmo período do ano passado. E, de maio em diante, o ritmo caiu 50%.

ELEIÇÕES

Segundo Bentes, a incerteza eleitoral e o fato de a data comemorativa cair entre o primeiro e o segundo turnos da eleição presidencial também devem afetar negativamente as vendas.

Nas projeções da CNC, as lojas de hiper e supermercados devem ter o melhor desempenho de vendas na data, com alta projetada de 3,3%. O motivo é que essas lojas conseguem ter preços mais competitivos. 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas