São Paulo adia para 14 de junho a flexibilização das restrições

Até lá, os estabelecimentos comerciais e de serviços deverão operar até as 21 horas, com no máximo 40% de ocupação

Redação DC
26/Mai/2021
  • btn-whatsapp
São Paulo adia para 14 de junho a flexibilização das restrições

O governo paulista recuou e não irá ampliar o horário de funcionamento e a capacidade de atendimento dos estabelecimentos no início de junho. A expectativa dos empresários era poder funcionar até as 22 horas, com até 60% de ocupação a partir do dia primeiro, mas a piora nos indicadores da pandemia fizeram a gestão Doria prorrogar a atual fase de Transição.

A promessa agora é que a flexibilização aconteça apenas dia 14 de junho. Assim, até essa data, os estabelecimentos comerciais e de serviços deverão operar até as 21 horas, com no máximo 40% de ocupação.

“Os indicadores da pandemia recomendam cautela nesse momento, e é cautela que estamos adotando”, disse o governador João Doria em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira, 26/05.

As internações e o número de casos de covid-19 voltaram a crescer em São Paulo. A taxa de ocupação das UTIs para covid no Estado está em 80,6%. São 10.545 pacientes internados. Na Grande São Paulo, a taxa é de 77,5%.

Com a manutenção da fase de Transição, o toque de recolher permanece em todo o estado das 21h às 5h.

Continuam válidas também a recomendação de teletrabalho para atividades administrativas não essenciais e escalonamento de horários para entrada e saída de trabalhadores do comércio, serviços e indústrias.

COMÉRCIO E SERVIÇOS PEDEM RESSARCIMENTO PELAS PERDAS

Associações e outras entidades que representam os setores do comércio e de serviços divulgaram novo manifesto exigindo “um plano de ressarcimento das perdas ocasionadas pelo fechamento seletivo” de estabelecimentos.

“Enquanto comércio e serviços tiveram que suspender as atividades devido às medidas restritivas impostas pelos governos, outros setores continuaram funcionando normalmente, o que criou um desequilíbrio e afetou, principalmente, às micro e pequenas empresas (MPEs) ”, diz o documento.

O manifesto, que é apoiado pela Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), volta a destacar a necessidade de o comércio ter acesso ao crédito, com uma taxa de juros baixa e a fundo perdido e, também, da importância da isenção de tributos.

“Precisamos permanecer abertos. Precisamos da vacina e também de auxílio econômico urgente, antes que seja tarde para a sobrevivência de grande parte do setor responsável por mover o país e garantir o sustento para milhões de famílias”, ressalta o documento.

Esse é o segundo manifesto divulgado de forma conjunta por um grupo que reúne mais de uma centena de entidades de classe. O primeiro foi veiculado nos meios de comunicação em abril.  

IMAGEM: Governo do estado de SP/divulgação

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas