Posição Facesp/ACSP - Proteger os credores e os bons pagadores

Com esse mesmo objetivo histórico, a ACSP criou a Central de Registro de Direitos Creditórios (CRDC), que assegura a segurança das duplicatas, tanto para desconto como para garantia

Alencar Burti
17/Nov/2016
  • btn-whatsapp

Desde sua fundação, em 1894, a Associação Comercial de São Paulo procurou fortalecer a segurança das operações de crédito, especialmente por meio de informações que dessem mais transparência ao mercado. 

A troca de informações entre os empresários, de início feita de maneira informal, passou a ser sistematizada e ampliada por meio de serviços oferecidos pela entidade a seus associados.

Assim, em 1914 foi criado na Associação o Departamento de Informações Confidenciais (DIC), que depois virou Departamento de Informações Cadastrais.

O setor informava apontamentos negativos contra empresas visando a assegurar mais segurança para os que forneciam qualquer modalidade de crédito.

Em 1924 foi lançado o Boletim Confidencial, que publicava informações da Junta Comercial e das importações e exportações, além de notícias sobre o mercado.

Dois anos depois, com a expansão acentuada das fraudes e da inadimplência entre as empresas, foi criada a Liga de Defesa do Comércio e Indústria, com objetivo de defender os associados contra falências fraudulentas, que traziam grandes prejuízos aos credores, os quais não tinham proteção legal eficaz.

No ano seguinte (1927) a ACSP colaborou na elaboração de um projeto de Lei de Falências que, no entanto, somente foi aprovado bem depois.

O Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) foi criado em 1955 e começou a operar no ano seguinte, possibilitando a troca de informações de inadimplência de pessoas físicas, o que permitiu forte expansão do crediário e, em consequência, do consumo.

Com a informatização do SCPC em 1983 houve grande crescimento do número de usuários, aumentando a segurança do sistema e assegurando a ampliação das vendas a crédito.

No ano 2000 a ACSP começou a participar das discussões da criação do Cadastro Positivo, que já vinha sendo defendida pela entidade muito antes. 

Acompanhamos a discussão no Congresso a partir de 2005, quando o projeto foi enviado pelo governo, tendo colaborado bastante para que o texto aprovado em 2011, possibilitasse o início do funcionamento desse novo cadastro, mesmo se não fosse o ideal. A regulamentação, no entanto, saiu apenas em 2013.

A centralização dos cadastros dos serviços de proteção ao crédito em nível nacional na RIPC em 2001 - que depois se transformou na RENIC - foi fruto das necessidades das grandes redes de varejo e do sistema financeiro, que atuavam em várias localidades.

Isso assegurou cobertura nacional ao sistema, ampliando significativamente a segurança das transações a crédito para as pessoas físicas, possibilitou a massificação do crediário, facilitando a obtenção de financiamento por parte do consumidor.

A Boa Vista Serviços foi criada em 2010, com o objetivo de implementar o Cadastro Positivo e desenvolver novas ferramentas de análise de crédito, possibilitadas pela evolução da informática, aumentando a segurança das operações e agilizando a concessão do crédito.

Esse histórico mostra o comprometimento da ACSP com a proteção dos credores, que significa também a proteção dos bons pagadores, pois os sistemas mais sofisticados de análise de crédito permitem diferenciar riscos e, com isso, dar tratamento diferenciado aos que pagam corretamente suas obrigações.

Com o mesmo objetivo - de proteger credores e bons pagadores – a ACSP criou, há mais de um ano, a Central de Registro de Direitos Creditórios (CRDC), que já está operando para assegurar a segurança das duplicatas, tanto para desconto como para garantia, o que permitirá redução das taxas de juros nas operações com esse título de crédito.

Cabe destacar que as duplicatas representam importante ativo para as empresas, especialmente para as de micro e pequeno portes, muito utilizadas para a antecipação de capital de giro, indispensável para que continuem a operar.

O sistema parte da Nota Fiscal eletrônica, a partir da qual são emitidas as duplicatas correspondentes, que terão número único (NUD), permitindo o acompanhamento até o vencimento.

Registre-se que a validade da Nota Fiscal eletrônica é confirmada no site da Fazenda. Com isso, assegura-se que esse título tem lastro, evitando a emissão de uma segunda duplicata sobre a mesma nota fiscal.

Adicionalmente, a CRDC oferece o armazenamento da documentação da transação que as empresas têm a obrigação legal de guardar por oito anos. 

O registro na CRDC fortalece a duplicata como instrumento para a obtenção do crédito, o que beneficia as micro e pequenas empresas, pois, ao garantir mais segurança à transação, permite que seja reduzido o montante das garantias, liberando mais recursos para financiamento. Melhora a relação entre o empresário e o agente financeiro.

Com essa iniciativa, a ACSP mantém sua trajetória de trabalhar para o fortalecimento do crédito. Protege os credores, protege os bons pagadores.

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas