Por que a estratégia digital é um trunfo para o sucesso

Ter um plano de atuação online, que envolve táticas, processos e métricas, alinhado com os objetivos da empresa, impulsiona a inovação e aumenta a competitividade

Italo Rufino
06/Mai/2019
  • btn-whatsapp
Por que a estratégia digital é um trunfo para o sucesso

É possível uma pizzaria se tornar uma empresa de tecnologia?

O caso da Domino’s Pizza prova que sim. Fundada em 1960, a empresa de origem americana é a maior rede de pizzaria do mundo. São mais de 13 mil lojas em cerca de 80 países. No Brasil, são cerca de 200 unidades.

Em 2007, a Domino’s deu seus primeiros passos no mundo virtual. Foi uma das pioneiras em vender pizza pela internet. Na época, porém, problemas internos, como má gestão e qualidade do produto, fizeram as receitas da empresa encolher.

A crise persistiu até 2009 – ano que marcou um grande golpe na reputação da marca. Um vídeo de um funcionário da cozinha enfiando ingredientes no nariz viralizou no YouTube.

Para frear a caminhada ladeira abaixo, a empresa trocou a diretoria e deu início a uma transformação digital. Uma das ameaças era o surgimento de serviços de entrega de refeições pela internet.  

A empresa, então, seguiu à risca sua estratégia digital com foco na melhoria da experiência do consumidor e digitalização de processos. Os departamentos de marketing e TI foram integrados.

TRANSFORMAÇÃO DIGITAL FEZ VALOR DE MERCADO DA
DOMINO'S CRESCER 3.163% ENTRE 2010 E 2018

Hoje, os clientes podem fazer pedido por uma infinidade de canais, como Facebook Messenger, SMS, Twitter, Samsung Smart TV e assistentes virtuais do Google, Amazon e Apple.

É possível até pedir pizza por comando de voz.

A verba para publicidade também migrou de meios tradicionais para a internet. E o tom da comunicação se tornou mais jovem.

Há uma propaganda em que o CEO da empresa comenta, numa brincadeira, se a aparência de fotos de pizzas enviadas por clientes é similar ao do cardápio online.

Em 2016, a empresa realizou entregas de pizza utilizando drones. 

Ano passado, a Domino’s implementou 150 mil totens instalados em locais públicos, como parques e pontos turísticos, para que o cliente peça (e receba) pizzas na rua.

Por meio da tecnologia, em menos de uma década, a empresa teve enorme ganho de valor de mercado.

Entre 2010 e 2018 as ações da Domino’s valorizaram 3.163%, superando as altas da Amazon (1240%) e Google (364%).

A participação no mercado americano também saltou de 9%, em 2009, para 15% em 2016.

LEIA MAIS: Jornalismo digital garante o futuro da imprensa

ESTRATÉGIA DIGITAL

O caso da Dominos exemplifica bem o conceito de estratégia digital: um plano abrangente de atuação online, que envolve táticas, processos e métricas, alinhado com os objetivos macro da empresa.

Por exemplo, uma empresa pode ter o objetivo de aumentar sua participação de mercado. Assim, sua estratégia digital pode ser criar lembrança de marca e fomentar interesse de compra entre o público jovem – o que, consequentemente, vai ajudar a aumentar a participação.

Ou seja, estratégia digital é o plano de atuação de uma empresa, marca ou produto na internet e contempla objetivos, metas e ações.

Para criar uma estratégia digital, a empresa precisa saber onde está, aonde quer chegar, suas forças e fraquezas, como está o mercado competitivo e as tendências de consumo.

Assim como uma estratégia de marketing convencional, uma estratégia digital viável deve responder às seguintes questões:

  • Qual o objetivo principal;
  • De qual maneira a internet ajudará a alcançar esse objetivo;
  • Qual é o público-alvo;
  • Qual o comportamento desse público na internet;
  • Como impactar esse público (os canais que serão utilizados);
  • Qual o orçamento de marketing digital;
  • Quais são as metas;
  • Quais métricas serão utilizados;
  • Quais serão os prazos para as ações.

MEIO E MENSAGEM

Não se deve confundir estratégia digital com simples presença na internet. A prática está mais para um mindset “on-line”, adaptado aos novos formatos de consumo.

COMUNICAÇÃO DO MCDONALD'S DURANTE O SUPER BOWL
RENDEU MAIS DE 1,2 MILHÃO DE RETUÍTES

De acordo com dados do IBGE, em apenas um ano (2017), o Brasil ganhou 10 milhões de internautas, somando um contingente de 126 milhões de pessoas.

Os idosos (+60 anos) representam a faixa etária com maior crescimento de usuários – o que faz cair por terra qualquer preconceito sobre o perfil de consumidor online.

Com a massificação do acesso, o modo de consumir tem mudado.

Segundo a pesquisa Global Consumer Insights Survey 2018, da PwC, 65% dos consumidores brasileiros afirmavam, em 2014, comprar no mínimo uma vez por mês em lojas físicas. Em 2017, a taxa caiu para 55%.

Dessa forma, a estratégia digital precisa abarcar uma visão geral das atividades e canais onlines da marca.

É possível incluir redes sociais, site institucional, Whatsapp, blog, sites de buscas, e-mail marketing, aplicativo móveis e publicidade digital.

A estratégia pode privilegiar os canais com melhores desempenhos, sempre mantendo o conteúdo coerente e sólido.

Em 2015, o McDonald’s lançou uma campanha ousada durante o Super Bowl.

Antes da final do campeonato de futebol americano, a marca avisou no Twitter para seus seguidores ficarem atentos a cada intervalo comercial do evento.

A cada anúncio que aparecia na televisão, o McDonalds postava um tweet mencionando a marca anunciante e convidava os internautas a retuitar a mensagem para concorrer automaticamente ao produto que havia sido anunciado.

Todos os produtos entraram na promoção, até um carro zero da Toyota.

A ação teve impacto de mais de 1,2 milhão de retuítes (uma das métricas utilizadas) e fez com que a McDonalds tivesse enorme repercussão durante o evento esportivo.

Vale lembrar que o Super Bowl é conhecido devido ao enorme valor publicitário, em que um segundo de anúncio no intervalo comercial pode custar mais de R$ 640 mil.

O DONO DA BOLA

Além da questão de como escolher o canal e conteúdo adequado, o caso do McDonalds exemplifica o bom uso do fator humano.

A campanha exigiu uma reconfiguração dos processos operacionais. A empresa reuniu em uma sala uma equipe multidisciplinar, composta por funcionários dos departamentos jurídico e de marketing, analistas de dados e publicitários de agências parceiras.

E quem é o responsável por coordenar a estratégia digital de uma empresa?

Um dos cargos que tem emergido mundialmente é o Chief Digital Officer (CDO).

O CDO é o responsável por captar e entender as inovações tecnológicas e implementá-las na empresa, para que ela se adapte rapidamente as mudanças.

Isso não significa que qualquer inovação da moda precisa ser utilizada. É preciso que a tecnologia tenha aplicação útil e esteja alinhada com os objetivos do negócio.

Entre as tecnologias que estão em alta atualmente se destacam Big Data; Inteligência Artificial, Internet das Coisas (IOT), Realidade Virtual e Robotização.

Um estudo da Strategy&, que faz parte do PwC, apontou que 19% das 2,5 mil maiores empresas do mundo têm em seus quadros um CDO. Cerca de 60% desses executivos ocuparam o cargo entre 2015 e 2017, o que demonstra a recente preocupação de necessidade de transformação digital dos negócios.

IMAGEM: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas