O que aprender com o caso do "Rei do iPhone"

Mensagem de cliente agradecido viraliza na web e multiplica a freguesia de um quiosque no centro de São Paulo

Rodolfo Araujo
24/Jun/2016
  • btn-whatsapp
O que aprender com o caso do "Rei do iPhone"

O caso do Rei do iPhone, em que uma simples atitude transformou a percepção das pessoas em relação ao negócio em questão, demonstrou o quanto a qualidade das experiências e o comportamento empresarial são os verdadeiros elementos qualificadores do lucro.

Resultado financeiro, cada vez mais, é consequência de uma conduta alinhada às expectativas da sociedade.

Outra lição positiva deste caso refere-se ao fato de que se trata de uma pequena loja na rua Santa Ifigênia, em São Paulo – e não uma enorme corporação com tentáculos nos cinco continentes.

Muitas pessoas torcem o nariz ao afirmar que gerir uma marca é para quem tem porte, tempo, recursos, ou todos os fatores ao mesmo tempo. No entanto, é melhor começar o quanto antes a pensar nisso.

Mais do que pensar um novo negócio como Start-up, que tal mudar um pouco o modelo mental na direção de um outro termo: Brand-up? E por que esta mudança?

Primeiro, porque o ciclo de vida dos produtos e serviços tende a ser progressivamente efêmero. Coisas surgirão e desaparecerão em uma velocidade espantosa. Como o Uber sobreviverá quando aparecer algo melhor, por exemplo? Onde ficará a marca? O que ela representará? Um serviço específico ou novas formas de fluir em cidades caóticas?

Uma das dicas neste sentido refere-se ao propósito que impulsiona as empresas. Se uma marca pauta-se em ganhar dinheiro e ser vendida para um grande investidor, começou errado.

Isso é consequência de algo que faça sentido para a sociedade. Por essa razão, cabe a ela nascer contemporânea e alinhada às expectativas dos cidadãos. Assim, não fica presa ao que oferece hoje e tem mais condições de sobreviver no futuro.

Depois, pensar o negócio como marca leva imediatamente a uma reflexão sobre a qualidade das experiências que ela proporciona.
Quanto mais cedo a liderança e os colaboradores estiverem dispostos e comprometidos a concretizarem o propósito na prática, melhor.

A questão não é mais descobrir a inspiração que move a empresa, mas encontrar as formas mais eficazes de colocá-la para rodar e transformá-la em elementos concretos que permitam à organização dialogar bem com todos os públicos: clientes, imprensa, fornecedores e assim por diante.

Internamente, a questão da cultura, portanto, é essencial. E quanto antes ela for pensada de modo estruturado, menos energia se gastará no longo prazo para atrair talentos, reter pessoas-chave, engajar em cenários de mudança e, claro, estruturar processos que façam a empresa ganhar escala rapidamente.

A agenda do CEO de uma Brand-up transcende a sobrevivência e o crescimento da marca: ela contempla a cultura que entregará melhores produtos, serviços e resultados à sociedade.

Estas e outras reflexões não demandam investimentos enormes, mas uma atenção especial ao significado da marca desde o início. O que ela representa para as pessoas dentro e fora dela? O que ela traz de diferente ao mercado? Que impacto ela traz à sociedade?

Essas questões urgem – e quanto antes forem feitas, respondidas e transformadas em ação, melhor.

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas