Normalização do abastecimento pode levar até 20 dias

É essa a previsão da Apas, associação que representa os supermercadistas paulistas. Na Ceagesp, volume comercializado caiu 46,5% em sete dias

Karina Lignelli
28/Mai/2018
  • btn-whatsapp
Normalização do abastecimento pode levar até 20 dias

O consumidor sentiu na pele o impacto da greve dos caminhoneiros. Uma sondagem da Ticket, empresa do setor de benefícios de refeição, alimentação e transporte realizada no último fim de semana (26 e 27 de maio), aponta que 56% dos 5.046 entrevistados mencionaram a alta nos preços e dificuldade de encontrar verduras e legumes em supermercados, lanchonetes e restaurantes.

Um balanço da Ceagesp divulgado nesta segunda-feira (28/05) confirma: a comercialização caiu de 63,2 mil toneladas, volume registrado na semana anterior à greve, para 33.839 (-46,5%) –o que prejudicou principalmente o abastecimento de hortícolas (verduras e legumes). O fluxo financeiro também caiu 45,5%, de R$ 158 milhões para R$ 86 milhões.

LEIA MAIS:  Produtos desaparecem das gôndolas

O levantamento, da seção de economia e desenvolvimento da Ceagesp também apontou que, somente nesta segunda, 90% do volume normalmente comercializado não chegou ao entreposto.

“A paralisação dos caminhoneiros impossibilitou a entrada e saída de mercadorias”, informou a companhia, em nota. A greve também prejudicou a cotação de preços, feita de acordo com a oferta.

Porém, o cenário parece mudar aos poucos: entidades que representam os caminhoneiros, como a Abcam, afirmaram nessa tarde de segunda-feira (28/05) que, de 70% a 80% da categoria já se desmobilizou, após o anúncio das propostas feitas pelo governo para encerrar a greve.

Mas, se a perspectiva é que a desmobilização se concretize até o fim da tarde desta terça-feira (29/05), associações que representam os supermercados, diretamente impactados pelo desabastecimento, afirmam que a  normalização da oferta de perecíveis, como verduras, legumes, frutas, carnes e ovos, pode levar de 10 a 20 dias, segundo estimativas da Associação Paulista de Supermercados (Apas).

LEIA MAIS:  Varejo vê estoques esgotarem com a greve de caminhoneiros

Em nota, a Apas informa que esses itens representam 36% do faturamento dos supermercados. De acordo com a entidade,as soluções propostas pelo governo devem ser suficientes para atender os pleitos dos transportadores, mas as incertezas quanto à adesão total dos caminhoneiros continua a prejudicar a oferta de produtos nas lojas de supermercados.

Na mesma linha, a Associação Brasileira de Supermercados) afirma que o setor tem sofrido mais com a falta de abastecimento de hortifrútis, açougue, laticínios e derivados.

"Os supermercados de todo o Brasil têm se esforçado para minimizar a falta de produtos em lojas, remanejando estoques e buscando fornecedores alternativos”, diz o comunicado. 

De acordo com a entidade, ainda que os estabelecimentos do setor operem com estoque médio em torno de 15 dias (de não-perecíveis), muitos já estão chegando próximos à metade. Também afirma que trabalha junto ao governo federal para que uma solução definitiva seja encontrada, já que o setor é essencial, por ser responsável pelo abastecimento de 90% dos alimentos no país. 

MOBILIDADE

Pela lente do consumidor, a sondagem da Ticket mosta ainda que ele sentiu que a dificuldade de abastecimento afetou pouco o funcionamento e a abertura de estabelecimentos nos últimos dias: apenas 28% encontraram estabelecimentos comerciais e restaurantes fechados por conta da paralisação. 

Por outro lado, 51,6% dos trabalhadores já estão procurando formas alternativas de se locomover sem a dependência do transporte público em meio à falta de combustível, que desapareceu devido ao movimento dos caminhoneiros. 

"Um ponto de atenção é o alto índice de respostas negativas, cerca de 74%, que mostra ausência de planos emergenciais das empresas em caso de prolongamento da crise de abastecimento", alerta Marília Rocca, diretora geral da Ticket. 

FOTO: Facebook/Ceagesp 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
--
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas