Natura compra Avon e abre nova frente no segmento popular

Com a aquisição, a marca brasileira passará a ter faturamento bruto anual superior a R$ 40 bilhões e mais de 40 mil colaboradores

Estadão Conteúdo
22/Mai/2019
  • btn-whatsapp
Natura compra Avon e abre nova frente no segmento popular

A brasileira Natura anunciou nesta quarta-feira, 22/05, a compra da Avon, em uma operação de troca de ações. Segundo a companhia, o negócio vai criar o quarto maior grupo de cosméticos do mundo.

O acordo traz uma quarta marca para a holding da Natura, que já controlava a própria Natura, a britânica The Body Shop e a australiana Aesop. A Avon é avaliada em cerca de US$ 2 bilhões (R$ 8 bilhões), de acordo com fontes ligadas ao negócio.

A transação vai criar uma nova holding brasileira,  Natura Holding S.A, na qual os atuais sócios da Natura terão 76% de participação, contra 24% dos atuais acionaistas da Avon. Com a aquisição, a Natura & Co. passará a ter faturamento bruto anual superior a US$ 10 bilhões (R$ 40 bilhões), mais de 40 mil colaboradores e presença em cem países.

Com a inclusão da Avon em seu portfólio, a Natura tenta crescer no segmento mais popular de cosméticos. A empresa já está presente em segmentos de maior valor agregado, após a aquisição da britânica The Body Shop, e no de luxo em 2017, e com a australiana Aesop (sua primeira grande aquisição, em 2013).

Segundo comunicado divulgado pela Natura sobre o negócio, a transação vai ajudar a empresa a "atender seus diferentes perfis de clientes, em diversos canais de distribuição, expandindo sua atuação para novas regiões".

DIFICULDADES DA AVON

Ao optar pela troca de ações, a Natura conseguiu colocar para dentro de casa um negócio grande e complexo, sem se expor de financeiramente de forma significativa, conforme análise do banco Brasil Plural.

"Apesar disso, com a aquisição, a Natura vai enfrentar uma série de desafios relativos ao apelo e às operações logísticas da marca Avon, à medida que a companhia vem enfrentando dificuldades em todos os seus principais mercados". O banco aponta ainda que a Natura "terá de investir para recuperar as operações globais (da Avon), enquanto já empreende um trabalho de reestruturação da The Body Shop".

LEIA MAIS: O Boticário mantém liderança entre as maiores franquias do Brasil

Os erros da operação da Avon foram muitos nos últimos anos e incluíram problemas de logística em diferentes mercados e a perda de relevância da marca com uma consumidora com muito mais opções de escolha. Após duas trocas de presidente – e de ter recusado oferta de compra da Coty por US$ 11 bilhões, em 2012 –, a Avon dos Estados Unidos acabou nas mãos do fundo Cerberus, conhecido como “abutre”, ou seja, especializado em empresas em dificuldades.

Apesar de combalida, a Avon pode servir como linha popular para a Natura, além de servir como plataforma para o lançamento da “marca-mãe” em solo americano. Segundo uma fonte envolvida no acordo, as conversas entre as empresas foram retomadas na terça-feira. Toda a negociação está sendo feita nos EUA e envolve bancos de investimento como Goldman Sachs, Morgan Stanley e UBS.

CADE

Segundo o comunicado da Natura, após a conclusão da aquisição, o conselho de administração será composto por 13 membros, sendo que três serão escolhidos pela Avon. A transação está sujeita aos acionistas das duas companhias e também por órgãos reguladores, incluindo o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A conclusão da operação é esperada para o início de 2020.

A Natura &Co foi assessorada pelos bancos UBS e Morgan Stanley, enquanto a Avon foi auxiliada por Goldman Sachs. Os membros do conselho de administração da Avon foram assessorados pela PJT Partners.

 

IMAGEM: Divulgação

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas