Fitch eleva rating do Brasil de BB- a BB

A agência de classificação de risco também revisou a previsão de crescimento da economia do país em 2023 de 0,7% para 2,3%

Estadão Conteúdo
26/Jul/2023
  • btn-whatsapp

A Fitch anunciou nesta quarta-feira, 26/7, que elevou o rating do Brasil, de BB- a BB, com perspectiva estável. Segundo a agência, a mudança reflete "um desempenho macroeconômico e fiscal melhor que o esperado", em meio a "choques sucessivos em anos recentes", com políticas proativas e reformas que têm apoiado isso.

Em seu comunicado, ela cita também sua "expectativa de que o novo governo trabalhará por mais melhoras". Mesmo em meio a "tensões políticas" desde o rebaixamento de 2018, o Brasil alcançou "progresso" em reformas importantes para lidar com "desafios econômicos e fiscais", considera a Fitch.

O novo governo do "esquerdista" Luiz Inácio Lula da Silva defende um distanciamento da agenda econômica liberal de governos anteriores, acredita a agência. Ela, contudo, diz esperar "pragmatismo" e que os freios e contrapesos institucionais mais amplos impeçam desvios "radicais" nas frentes macro e micro nas políticas, enquanto o governo "também almeja iniciativas para apoiar o setor privado (leia-se: reforma tributária".

A Fitch argumenta que a posição fiscal do país se deteriora em 2023, após melhora anterior, mas ela espera que as novas regras fiscais e medidas tributárias ancorem uma "consolidação gradual".

Projeta ainda que a relação entre dívida e PIB do país cresça, mas a um ritmo mais lento e de um ponto de partida muito melhor que o antes previsto.

A agência vê os ratings do Brasil apoiados por "sua economia grande e diversa", renda per capita elevada, e por mercados domésticos arraigados e um grande colchão financeiro, que apoiam a flexibilidade do financiamento soberano e sua parcela elevada de dívida em moeda local".

O comunicado diz ainda que os ratings são apoiados por capacidade de absorver choques, apoiada por um câmbio flexível, reservas internacionais "robustas" e uma posição de credor externo líquido soberano.

Por outro lado, eles são contidos pela alta dívida do governo, pela rigidez fiscal, pelo potencial de crescimento "fraco" e por métricas de governança "relativamente baixas".

PIB

A agência também elevou a previsão de crescimento do Brasil em 2023 de 0,7% para 2,3%, afirmando que a atividade econômica segue amparada pelo bom volume de produção agrícola, pelo mercado de trabalho aquecido, pelo crescimento do crédito e pelos gastos do governo.

Estes fatores agem em contraponto ao resfriamento do consumo causado pela política monetária restritiva, segundo a agência.

Para 2024, a previsão da Fitch é de que o ritmo de crescimento do Brasil diminua para 1,3%, dada a expectativa de normalização da produção agrícola, e nos anos seguintes a projeção é de que a taxa de expansão da economia convirja a 2,0%.

A agência apontou que o governo espera um crescimento de 2,6% para a economia brasileira no médio prazo, mas considera que "ainda não está claro se será possível avançar com uma agenda econômica suficientemente potente" para alcançar este objetivo.

 
IMAGEM: Freepik

Store in Store

Carga Pesada

Vídeos

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

129 anos da ACSP - mensagem do presidente Roberto Ordine

Novos tempos, velhas crises

Confira como foi o 4° Liberdade para Empreender

Colunistas