Economistas se unem em projeto para o governo

Nas contas do grupo, se boa parte das diretrizes de reformas contidas nessa carta sugestiva fossem seguidas, o País poderia voltar a crescer num ritmo entre 3,5% e 4% ao ano

Estadão Conteúdo
12/Nov/2018
  • btn-whatsapp
Economistas se unem em projeto para o governo

Depois de um ano de discussões, em reuniões e mensagens pelo WhatsApp, mais de cem economistas de diferentes tendências reunidos num grupo chamado 'Economistas do Brasil' decidiram apresentar um projeto para tentar tirar o País da pior crise fiscal e colocar a economia na rota do crescimento sustentável.

Hoje, em um debate que vai ocorrer no Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), no Rio, será apresentada ao meio acadêmico a 'Carta Brasil', um conjunto de diretrizes econômicas formuladas por esse grupo e endereçada ao próximo governo.

A intenção do grupo é encaminhar a proposta a Paulo Guedes, futuro ministro da Economia do presidente eleito Jair Bolsonaro

"Não se trata de um documento de consenso, mas de convergência", afirma o economista Cláudio Frischtak, membro do grupo e um dos relatores da carta.

O documento é assinado por mais de uma centena de economistas, entre os quais Bernard Appy, Ana Carla Abrão, Samuel Pessôa, Alexandre Schwartsman, José Márcio Camargo, Octávio de Barros, Silvia Matos e Elena Landau.

O ponto de partida do documento de 91 páginas é a reforma do Estado para dar sustentabilidade às contas públicas. Para atingir esse objetivo, a carta aponta 13 diretrizes que devem alicerçar as políticas do novo governo.

Essas diretrizes tocam em questões recorrentes, como a necessidade da reforma da Previdência e da simplificação do sistema tributário.

Também levantam temas que foram alvo recente de controvérsias com o governo eleito, como transformar o Mercosul em área de livre-comércio ou garantir políticas de sustentabilidade do meio ambiente, como desmatamento zero.

RECESSÃO 

Frischtak destaca três pontos fundamentais que devem ser resolvidos para colocar a economia nos trilhos. O primeiro é a questão previdenciária.

"Sem fazer a reforma da Previdência e resolver a questão fiscal, infelizmente vamos resvalar para uma nova recessão", adverte.

Passadas as eleições, o motivo da mini euforia com o novo governo eleito é que as pessoas acreditam que a questão fiscal será resolvida, observa ele.

O segundo ponto importante citado por Frischtak é a baixa produtividade da economia. Melhorar o ambiente de negócios, a segurança pública, educação, questão tributária e infraestrutura é o passaporte para aumentar a produtividade.

"Não conseguiremos retomar o crescimento em bases sustentáveis com o nível de produtividade que temos hoje."

O último ponto citado por ele é a questão ambiental, da sustentabilidade. "Não podemos jogar fora os ativos ambientais que nós temos; para a gente, em primeiro lugar, e também para o mundo."

Nas contas do economista, se boa parte das diretrizes de reformas contidas nessa carta fossem seguidas, o País poderia voltar a crescer num ritmo entre 3,5% e 4% ao ano.

"As reformas vão levar à retomada de investimentos e ganhos de produtividade, e essa combinação acelera o crescimento."

FOTO: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas