Dia de protestos em São Paulo

Donos de bares e restaurantes foram às ruas contra as restrições ao funcionamento; já os caminhoneiros reclamam do aumento do ICMS

Redação DC
27/Jan/2021
  • btn-whatsapp
Dia de protestos em São Paulo

Proprietários de bares e restaurantes foram às ruas na manhã desta quarta-feira, 27/01, para protestar contra a determinação do governo paulista de fechar os estabelecimentos do estado aos sábados e domingos e a partir das 20 horas durante a semana.

Os bares também não podem receber clientes presencialmente, de acordo com a nova atualização do Plano São Paulo, que colocou a maior parte do estado na fase laranja.

Nesta etapa do Plano, o comércio em geral pode fazer o atendimento presencial de clientes, respeitando o limite de 40% da capacidade total, mas bares só foram autorizados a operar com delivery.

Durante o protesto, os proprietários de bares e restaurantes disseram que já cumprem protocolos sanitários para o funcionamento na pandemia e que o fechamento traz muitos prejuízos ao setor.

Segundo organizadores, cerca de 300 pessoas participaram do ato na Avenida Paulista.

LEIA MAIS: Empresários e trabalhadores se unem contra fechamento do comércio

Segundo Percival Maricato, presidente da Abrasel-SP, associação que reúne empresas do setor, sábados e domingos representam mais de 70% do faturamento semanal dos bares e restaurantes.

Segundo ele, 70 mil estabelecimentos do setor fecharam as portas no estado de São Paulo desde o início da pandemia. Com as restrições 300 fecham as portas definitivamente todos os dias.

Nesse ritmo, segundo Maricato, em três meses restarão 20% do setor no estado, que hoje tem 180 mil bares e restaurantes ativos.  

CAMINHONEIROS

Motoristas de caminhão também protestaram nesta quarta-feira em São Paulo. Neste contra o aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

O protesto começou na Praça Charles, em frente ao estádio do Pacaembu. De lá, os caminhoneiros se movimentaram até as proximidades do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, e indo também para as marginais Tietê e Pinheiros.

Ao final de 2020 o governo paulista aprovou um pacote de ajuste fiscal com o intuito de aumentar a arrecadação afetada pela pandemia. Uma das medidas foi a redução linear dos benefícios fiscais do ICMS concedidos a setores da economia.

Em nota, o governo informou que “a redução de parte de benefícios fiscais da iniciativa privada é uma medida necessária para garantir a continuidade de serviços públicos fundamentais, como a distribuição da merenda diária de mais de 3.5 milhões de alunos, o pagamento dos 110 mil policiais do estado e o funcionamento 5 mil escolas e 100 hospitais estaduais. Desde o ano passado, o governo do estado conversa com o setor de carnes e aves sobre a redução de benefícios fiscais em caráter emergencial e temporário”, diz a nota.

 

IMAGEM: Fernando Calzzani/Estadão Conteúdo

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas