Desemprego na região metropolitana de SP cai para 17,2%

A população desempregada em novembro foi estimada em 1,901 milhão de pessoas, o equivalente a 93 mil pessoas a menos que em outubro

Estadão Conteúdo
20/Dez/2017
  • btn-whatsapp
Desemprego na região metropolitana de SP cai para 17,2%

A taxa de desemprego na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) recuou 0,7 ponto porcentual na passagem de outubro para novembro, de 17,9% para 17,2%, segundo pesquisa realizada na região pela Fundação Seade e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

A taxa de desemprego aberto recuou no mesmo período de 14,8% para 14,1% e a taxa de desemprego oculto manteve-se estável em 3,5% entre outubro e setembro.

Entende-se por desemprego aberto a taxa que congrega as pessoas que procuraram trabalho nos últimos 30 dias e não exerceram nenhum trabalho nos últimos sete dias anteriores à entrevista.

Já a taxa de desemprego oculto é aquela que abarca as pessoas cuja situação de desemprego está dissimulada pelo trabalho precário, o chamado bico, ou pelo desalento.

A população desempregada na RMSP em novembro foi estimada em 1,901 milhão de pessoas, o equivalente a 93 mil pessoas a menos que em outubro, de acordo com a Seade e o Dieese. "Esse resultado deveu-se à relativa estabilidade do nível de ocupação em novembro, com a criação de 9 mil postos de trabalho de outubro para novembro, com um crescimento de 0,1%."

O recuo do desemprego deveu-se também ao decréscimo de 0,8% da População Economicamente Ativa (PEA) em novembro pela saída de 84 mil pessoas da força de trabalho na região, numa queda de 0,8%.

RENDIMENTO

O rendimento médio real dos ocupados na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) em outubro manteve-se estável em relação a setembro em R$ 2,048 mil. Já o rendimento médio real dos assalariados recuou, na mesma base de comparação, 0,6%, para R$ 2,101 mil.

Os dados são da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) da Fundação Seade e Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Entre os assalariados do setor privado, os rendimentos foram aumentados no Comércio e Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas em 2,1% e no segmento de serviços o aumento foi de 2%. Na indústria da transformação os rendimentos sofreram uma queda de 3,9%.

 O rendimento dos autônomos cresceu 4,9% na passagem de setembro para outubro. O dos assalariados com carteira de trabalho assinada cresceu 0,4% e os rendimentos dos sem carteira caíram 3,4%.

FOTO: Thinkstock

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas