Consumidor endividado sente que sua capacidade financeira melhorou

Com o aumento da confiança do consumidor, a Boa Vista espera crescimento de 3% nas vendas do comércio este ano

Renato Carbonari Ibelli
23/Jan/2020
  • btn-whatsapp

Mesmo estando mais endividado, o consumidor sente que tem mais condições de arcar com seus compromissos financeiros, como mostra levantamento realizado pela Boa Vista ao longo dos últimos seis meses de 2019.

Esse é um indicativo importante para o varejo, que é totalmente dependente do nível de confiança de quem compra.

De acordo com o estudo, cresceu de 24% para 26% o número de consumidores inadimplentes que veem uma melhora da situação financeira na comparação entre o segundo semestre de 2019 com igual período de 2018.

A percepção de que conseguirão quitar os débitos em atraso aumentou, mesmo com um volume maior de dívidas em aberto. Levando em conta esses consumidores inadimplentes, 36% afirmaram que carregavam mais dívidas no segundo semestre de 2019. Em 2018, eram 34% os que apontavam para um crescimento no número de débitos em atraso.

Vale destacar que alguém é considerado inadimplente quando não consegue realizar o pagamento dentro de um prazo de 90 dias.

Segundo Flávio Calife, economista da Boa Vista, o consumidor está confiando mais na sua capacidade de acertar as contas porque o mercado de trabalho está melhorando e há maior disponibilidade de crédito no mercado. Além disso, o descontrole financeiro das famílias diminuiu.

“Se juntarmos esses fatores com as variáveis de crédito, que mostram juros menores e preços que não variam muito há um bom tempo, tudo indica que teremos uma melhora no consumo em 2020”, diz o economista da Boa Vista.

Calife estima um crescimento de 3% nas vendas do comércio este ano. Em 2019, elas cresceram 1,7%, pelos números da Boa Vista.

O economista diz ainda que os últimos dados do comércio mostram que os segmentos que dependem do crédito, com móveis e eletrodomésticos, estão indo bem e devem ser os que mais irão crescer este ano.

PERFIL DAS DÍVIDAS

De acordo com o levantamento feito pela Boa Vista no segundo semestre de 2019, para 45% dos consumidores, o valor total das dívidas que os colocaram na situação de inadimplentes é de até R$ 3 mil, uma queda de 6 pontos percentuais em relação a igual período de 2018.

Dentre eles, 16% possuem dívidas de até R$ 1 mil e 29% de R$ 1 mil a R$ 3 mil. Outros 55% possuem dívidas maiores que R$ 3 mil.

O desemprego foi apontado como a principal causa do endividamento, motivo apontado por 36% dos entrevistados, seguido da diminuição da renda (21%), o descontrole financeiro (17%), empréstimo do nome para terceiros (13%), despesas extras com saúde e educação (10%) e atraso no recebimento do salário ou aposentadoria (3%).

 

IMAGEM: Pixabay

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas