Como a Petrobras se reinventou

Em palestra na ACSP, Pedro Parente, presidente da estatal, afirma que, apesar da queda internacional dos preços do óleo cru, sua lucratividade e valor de mercado cresceram

João Batista Natali
27/Nov/2017
  • btn-whatsapp
Como a Petrobras se reinventou

Aqui vão alguns números sobre o processo que ressuscitou a Petrobras a partir de maio de 2016. Em 2013, com o barril do petróleo quotado a US$ 109, a empresa lucrou R$ 63 bilhões. Em setembro passadom com o barril valendo em torno de US$ 50, o lucro saltou para R$ 89 bilhões.

Vejamos as dívidas. No final do governo anterior, elas atingiam US$ 130 bilhões. Representavam 5,3 vezes a geração operacional de caixa. Nas demais empresas petrolíferas mundiais  a proporção era de 1,6. A dívida ainda é hoje ainda bem alta. Mas decresceu para R$ 90 bilhões.

E nesse mesmo período, desde o impeachment de Dilma Rousseff, o valor de mercado da Petrobras subiu de US$ 140 bilhões para US$ 200 bilhões, em que pese a variação cambial que torna a comparação imperfeita. O dólar agora vale menos.

As informações são de Pedro Parente, presidente da estatal, em palestra, nesta segunda-feira (17/11), na Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Ele foi o convidado o Conselho Político e Social (Cops) da entidade, coordenado pelo ex-senador Jorge Konder Bornhausen, e pelo Conselho de Economia (Coe), que tem a coordenação do economista Roberto Macedo.

Os trabalhos foram abertos e encerrados por Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais de São Paulo (Facesp).

BONS RESULTADOS, SEM POLEMIZAR

Pedro Parente não polemizou com as gestões anteriores e nem sequer citou os nomes dos presidentes da República eleitos pelo Partido dos Trabalhadores e pelos que o antecederam na direção da estatal.

Á MESA, PARENTE, BURTI E BORNHAUSEN (da esq. para dir.)

Afirmou, no entanto, ter assumido a empresa num "ponto dramático", em que ela -insistiu -em nenhum momento foi cúmplice da corrupção que quase a destruiu. "Ela foi vítima", e os 16 ou 17 executivos que caíram nas malhas da Lava Jato, alguns deles cumprindo pena de prisão, segundo Parente nada tinham a ver com a cultura interna da Petrobras.

Aos malfeitos de alguns diretores, afirmou, somava-se "um período prolongado de preços abaixo da paridade internacional". Traduzindo em linguagem menos eufêmica, Dilma tentou segurar artificialmente a inflação, por meio da venda de combustíveis a um preço mais baixo que a Petrobras pagava em suas importações.

Com isso, o endividamento da empresa equivalia a 70% da dívida do que todos os Estados da Federação deviam em conjunto. A Petrobras havia se transforado na maior devedora do país, perdendo apenas para o governo federal.

Para controlar e reduzir a ainda alta dívida líquida da empresa,Parente explicou que a Petrobras trabalha com quatro pilares fundamentais: preços competitivos, eficiência nos investimentos (investir menos e produzir mais), redução de custos e programa de parcerias, e desinvestimentos da companhia. 

Para garantir a execução desse programa, a estatal introduziu um novo sistema de gestão com desdobramento de metas da presidência até o nível da operação.

A ideia é arrecadar US$ 21 bilhões com desinvestimentos até o final de 2018. “Estamos vendendo nossa distribuição no Paraguai, gasodutos no Norte e Nordeste, unidades fertilizantes e ativos na África”, disse, citando ainda o IPO da BR Distribuidora e a venda de participações em 71 campos terrestres e 31 campos de água rasa.

Além disso, a empresa está estabelecendo parcerias com companhias mundiais, como a Total, gigante do setor petroquímico com grande conhecimento nos campos da costa oeste da África, cuja geologia é idêntica à dos campos onde opera a Petrobras. Assim, espera-se que a estatal brasileira reduza seus riscos exploratórios no Atlântico.  

NO FUTURO

Independentemente das heranças, o quadro é hoje inédito para as empresas que trabalham com gás e petróleo. Isso porque pesquisam-se novas fontes de energia, e a Europa já fixou data para a proibição de automóveis com motores a combustão.

Há alguns anos, disse Parente, a previsão era de que o pico para o consumo de petróleo ocorreria entre 2040 e 2050. Há um ano e meio o pico foi antecipado para entre 2030 e 2040, e agora alguns projetam que ele acontecerá por volta de 2020.

Mas isso não significa que a Petrobras vai cruzar os braços, justamente porque o ciclo de exploração do petróleo é bastante longo.

Entre a licitação de uma área e sua entrada em operação, são dez anos. E depois mais 30 anos para que os investimentos sejam amortizados.

Assim, ao questionar sobre o tipo de energia que ainda produzirá, a Petrobras responderia que sua ênfase é o óleo e o gás. Razão pela qual ela vem se retirando de setores como petroquímica e fertilizantes.

A ênfase no gás se justifica pelo fato de ele ser um combustível "de transição", porque, embora não-renovável, polui bem menos que outros hidrocarbonetos.

Paralelamente, com relação ao petróleo a estatal mira no pré-sal, por ter reunido tecnologia para essa forma de exploração, com um custo de produção abaixo dos US$ 40 o barril.

O Campo Iracema do Sul, por exemplo, já está atuando a 5.300 metros, e há ainda mais 2 mil metros de profundidade suplementar para explorar.

A propósito, disse Pedro Parente, a Bacia de Santos (que não é exclusiva ao território Paulista) e as demais perfurações no litoral do Estado farão com que São Paulo se torne em breve o segundo maior produtor do país.

A companhia aplica 80% de seus lucros na exploração e produção. Dessa percentagem, 60% estão no pré-sal.

GOVERNANÇA

Parente destacou as mudanças de governança na Petrobras, como a alteração na forma em que executivos são nomeados, a investigação da vida pregressa dos funcionários e a exigência de conhecimento compatível com a função.

Mudanças no processo decisório da companhia e implementação de um canal de denúncia independente com garantia de anonimato também foram citados pelo presidente da estatal.

“Vimos claramente que a empresa saiu das páginas policiais e voltou às páginas de negócio, da onde nunca deveria ter saído. Estamos felizes em ver que a Petrobras recupera sua saúde financeira e sua reputação”, disse.

A Petrobras tinha funcionários em excesso? Seu presidente não diz. Mas revela que dos 78 mil colaboradores em 2015, a empresa tem hoje 62,5 mil -uma redução de 20%.

Assista no vídeo abaixo à íntegra da palestra

FOTO: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilDanielle Pessanha/ACSP

 

 

 

 

 

 

 

Indicadores Econômicos

Fator de Reajuste

ÍNDICE
Mai
Jun
Jul
IGP-M
1,1072
1,1070
1,1008
IGP-DI
1,1056
1,1112
1,0913
IPCA
1,1173
1,1189
1,1007
IPC-Fipe
1,1227
1,1169
1,1073

Indicadores de crédito Boa Vista

Índice
Abr
Mai
Jun
Demanda por crédito
-4,3%
-2,1%
-1,9%
Pedidos de falência
--
--
--
Movimento do comércio
1,1%
1,5%
-0,8%
Inadimplência do consumidor
5,0%
7,5%
-0,6%
Recuperação de crédito
1,8%
-5,6%
2,4%
mais índices

Vídeos

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Tarcísio de Freitas participa de ciclo de debates promovido pela ACSP

Felipe d’Avila, do Novo, foi sabatinado por empresários na ACSP

Márcio França fala em fim da ‘tiriricação’ da política

Colunistas